Mat­tos vi­ve pi­or mo­men­to no Pal­mei­ras

Ex-do­no de aca­de­mia, di­re­tor já foi ven­de­dor em shop­ping e tra­ba­lha pa­ra ten­tar di­mi­nuir a cri­se no clu­be al­vi­ver­de

O Estado de S. Paulo - - Esportes - Ci­ro Cam­pos

A cri­se vi­vi­da pe­lo Pal­mei­ras nos úl­ti­mos di­as ti­rou o em­pre­go do úl­ti­mo trei­na­dor cam­peão bra­si­lei­ro, Luiz Fe­li­pe Sco­la­ri, e ago­ra co­lo­ca pres­são em ou­tra fi­gu­ra re­no­ma­da do fu­te­bol na­ci­o­nal. O di­re­tor de fu­te­bol Ale­xan­dre Mat­tos é quem con­vi­ve ago­ra com a in­sa­tis­fa­ção no clu­be. A si­tu­a­ção che­ga ao car­to­la anos de­pois de ele ter si­do ape­li­da­do co­mo “Mit­tos” por par­te da tor­ci­da e até es­tre­la­do uma ação pu­bli­ci­tá­ria pa­ra pro­mo­ver o pro­gra­ma de sócio-tor­ce­dor. Mat­tos é res­pon­sá­vel por mon­tar o elen­co do Pal­mei­ras des­de 2015.

Nos úl­ti­mos di­as, o di­ri­gen­te te­ve sua de­mis­são pe­di­da pe­la Man­cha Al­vi­ver­de. Ain­da hou­ve a crí­ti­ca pro­mo­vi­da pe­lo pre­si­den­te do Con­se­lho De­li­be­ra­ti­vo, Se­raphim Del Gran­de. No en­tan­to, o di­re­tor de fu­te­bol con­ti­nua com pres­tí­gio, prin­ci­pal­men­te com o pre­si­den­te do Pal­mei­ras, Mau­ri­cio Ga­li­ot­te, e com a pa­tro­ci­na­do­ra Lei­la Pe­rei­ra, do­na da Cre­fi­sa. Mi­nei­ro, ele tem fa­la man­sa, é do ti­po de co­lo­car pa­nos quen­tes em tu­do e tra­ba­lha bem nos bas­ti­do­res.

A di­ver­gên­cia na cú­pu­la pal­mei­ren­se so­bre os mé­ri­tos do seu tra­ba­lho con­tras­ta com a ima­gem que ele ti­nha anos atrás. Ao che­gar ao Pal­mei­ras em 2015, Mat­tos con­tra­tou 25 jo­ga­do­res. Na épo­ca, o clu­be o co­lo­cou pa­ra es­tre­lar uma ação pu­bli­ci­tá­ria em que con­vo­ca­va a tor­ci­da pa­ra ade­rir ao pro­gra­ma de sócio-tor­ce­dor Avan­ti.

Se den­tro do Pal­mei­ras Mat­tos atu­al­men­te di­vi­de opi­niões, no pas­sa­do ele era qua­se uma una­ni­mi­da­de, prin­ci­pal­men­te na di­re­to­ria. Tra­zi­do pe­lo ex­pre­si­den­te Pau­lo No­bre e man­ti­do por Mau­ri­cio Ga­li­ot­te, o di­re­tor de fu­te­bol te­ve o con­tra­to re­no­va­do com o Pal­mei­ras por du­as ve­zes. A úl­ti­ma de­las foi em no­vem­bro do ano pas­sa­do, pou­co de­pois do tí­tu­lo do Cam­pe­o­na­to Bra­si­lei­ro.

“Nos­so ob­je­ti­vo é ser pro­ta­go­nis­ta sem­pre. Con­se­gui­mos dois Bra­si­lei­ros e um vi­ce. O se­gre­do pa­ra ga­nhar é jo­gar a Li­ber­ta­do­res e ir cres­cen­do. Quan­do não ga­nha é por­que fal­ta al­gu­ma coi­sa. Te­mos de apren­der e me­lho­rar pa­ra, no ano se­guin­te, ser pro­ta­go­nis­ta e, quem sa­be, cam­peão”, ex­pli­cou Mat­tos na úl­ti­ma se­ma­na, após a eli­mi­na­ção do Pal­mei­ras na Li­ber­ta­do­res. O di­ri­gen­te par­ti­ci­pou das con­quis­tas da Co­pa do Bra­sil em 2015 e do Bra­si­lei­rão em 2016 e 2018.

Iní­cio. Es­tar no co­man­do do fu­te­bol do Pal­mei­ras pa­re­cia im­pen­sá­vel há cer­ca de 20 anos, quan­do Ale­xan­dre Mat­tos via o fu­te­bol ape­nas co­mo um so­nho. Mi­nei­ro de Be­lo Ho­ri­zon­te, ele é for­ma­do em edu­ca­ção fí­si­ca e ad­mi­nis­tra­ção de em­pre­sas. Tra­ba­lhou co­mo ven­de­dor em shop­ping, foi sócio de uma aca­de­mia de ginástica e te­ve a pri­mei­ra ex­pe­ri­ên­cia em um clu­be em 2005, no Amé­ri­ca-MG.

O en­tão pre­si­den­te do Amé­ri­ca-MG, Antô­nio Bal­ta­zar, con­vi­dou Mat­tos pa­ra tra­ba­lhar co­mo as­ses­sor não re­mu­ne­ra­do de 2005 a 2008. No ano se­guin­te, ele vi­rou di­re­tor de fu­te­bol e fi­cou no car­go até 2011. Nes­se pe­río­do, a equi­pe saiu da Se­gun­da Di­vi­são mi­nei­ra e da Sé­rie C do Bra­si­lei­ro ru­mo à eli­te nas du­as com­pe­ti­ções. Mat­tos apa­re­ceu. O tra­ba­lho de pla­ne­ja­men­to de elen­co e a ha­bi­li­da­de de con­tra­tar jo­ga­do­res im­pul­si­o­na­ram o di­ri­gen­te na fun­ção e o le­va­ram ao Cru­zei­ro.

Fã do di­re­tor de fu­te­bol Edu­ar­do Ma­luf, no­me his­tó­ri­co tan­to pa­ra Cru­zei­ro quan­do pa­ra Atlé­ti­co-MG, Mat­tos te­ve pas­sa­gem vi­to­ri­o­sa pe­lo ti­me ce­les­te. O di­ri­gen­te mon­tou os elen­cos cam­peão bra­si­lei­ro em 2013 e 2014 e pas­sou a cha­mar a aten­ção de ou­tros clu­bes do Bra­sil. O Fla­men­go ten­tou pri­mei­ro, mas foi o pro­je­to do Pal­mei­ras que lhe con­quis­tou.

Des­de en­tão, o di­ri­gen­te é quem atua no pla­ne­ja­men­to do gru­po e nas ne­go­ci­a­ções. En­tre sua che­ga­da no Pal­mei­ras até ho­je, ele con­tra­tou cer­ca de 70 re­for­ços. Atu­ou tam­bém em ven­das im­por­tan­tes, co­mo nos ca­sos de Ke­no, Ga­bri­el Je­sus e Mi­na. Nos úl­ti­mos anos, as saí­das de jo­ga­do­res ren­de­ram cer­ca de R$ 500 mi­lhões ao clu­be.

No Pal­mei­ras, por en­quan­to, a de­ci­são do pre­si­den­te é de man­tê-lo no car­go, ape­sar da gran­de pres­são nos bas­ti­do­res pe­la saí­da de­le. Mat­tos, no en­tan­to, já tem na ca­be­ça al­gu­mas idei­as pa­ra pro­mo­ver mu­dan­ças no elen­co pa­ra a pró­xi­ma tem­po­ra­da. As su­ges­tões se­rão dis­cu­ti­das com o no­vo trei­na­dor, Ma­no Me­ne­zes, pa­ra, quem sa­be, res­ga­ta­rem jun­tos um pou­co da ima­gem de “Mit­tos” que Mat­tos já te­ve.

O téc­ni­co Ma­no Me­ne­zes ain­da não tem da­ta ofi­ci­al pa­ra ser apre­sen­ta­do, mas já ini­ci­ou seu tra­ba­lho. On­tem, seus au­xi­li­a­res fo­ram ao CT pa­ra pre­pa­rar a che­ga­da do no­vo trei­na­dor.

NIL­TON FUKUDA/ES­TA­DÃO–17/1/2018

Pres­são. Ale­xan­dre Mat­tos, di­re­tor de fu­te­bol do Pal­mei­ras

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.