Pri­mei­ro, não pre­ju­di­car

O Estado de S. Paulo - - Economia - EVERARDO MA­CI­EL CON­SUL­TOR TRI­BU­TÁ­RIO, FOI SE­CRE­TÁ­RIO DA RE­CEI­TA FE­DE­RAL (1995-2002)

Ins­pi­ra­do em Hi­pó­cra­tes (460 a.C. – 377 a.C.), Tho­mas Sy­de­nham (1624-1689), um dos fun­da­do­res da Bi­oé­ti­ca, en­si­na­va aos mé­di­cos: pri­mei­ro, não pre­ju­di­car (pri­mum non no­ce­re), em re­fe­rên­cia à in­dis­pen­sá­vel pre­ven­ção de ris­cos ele­va­dos, cus­tos des­ne­ces­sá­ri­os e da­nos ir­re­di­mí­veis pa­ra os pa­ci­en­tes.

É com es­sa pers­pec­ti­va e por im­pe­ra­ti­vo de cons­ci­ên­cia que cri­ti­co a Pro­pos­ta de Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal (PEC) 45, au­to­de­sig­na­da re­for­ma tri­bu­tá­ria, pois são mui­tas su­as ví­ti­mas po­ten­ci­ais.

A per­cep­ção de uma car­ga tri­bu­tá­ria des­pro­por­ci­o­nal­men­te ele­va­da, quan­do co­te­ja­da com a má qua­li­da­de do gas­to pú­bli­co, a ex­ces­si­va li­ti­gi­o­si­da­de, a in­se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca e as exor­bi­tan­tes exi­gên­ci­as

bu­ro­crá­ti­cas ge­ram um com­pre­en­sí­vel cla­mor por re­for­ma tri­bu­tá­ria e uma la­dai­nha au­to­di­fa­ma­tó­ria, sem que se­jam ade­qua­da­men­te de­ba­ti­dos os pro­ble­mas.

Nes­sas cir­cuns­tân­ci­as pros­pe­ram te­ses que ten­tam re­pro­du­zir en­la­ta­dos tri­bu­tá­ri­os, não ra­ro com va­li­da­de ven­ci­da, e “te­o­ri­as” pa­ra en­co­brir agen­das ocul­tas.

A prin­ci­pal ca­rac­te­rís­ti­ca da PEC 45 é uma des­pro­por­ci­o­nal re­dis­tri­bui­ção de car­ga tri­bu­tá­ria en­tre os con­tri­buin­tes, com ga­nha­do­res e per­de­do­res. Co­mo te­nho di­to, o mai­or be­ne­fi­ciá­rio são as ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras que se­ri­am de­so­ne­ra­das da vi­gen­te tri­bu­ta­ção do PIS-Co­fins.

O mais gra­ve des­sa de­so­ne­ra­ção é que ela ocor­re à cus­ta de um bru­tal au­men­to de tri­bu­ta­ção pa­ra a imen­sa mai­o­ria dos con­tri­buin­tes que se­ri­am al­can­ça­dos pe­la PEC, em to­tal de­sa­li­nho com rei­te­ra­das pro­cla­ma­ções de que ne­nhum au­men­to de tri­bu­ta­ção pas­sa­ria pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal.

Por que não le­var ao co­nhe­ci­men­to dos par­la­men­ta­res e da so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra as re­per­cus­sões se­to­ri­ais da pro­pos­ta, jus­ta­men­te quan­do se bra­da o prin­cí­pio da trans­pa­rên­cia? Na­da re­sis­ti­ria a um exa­me mi­nu­ci­o­so de con­sequên­ci­as.

Em ar­ti­gos an­te­ri­o­res nes­te jor­nal, ali­nhei ví­ti­mas po­ten­ci­ais de au­men­to tri­bu­tá­rio em vir­tu­de da PEC 45: pres­ta­do­res de ser­vi­ços (mé­di­cos, ad­vo­ga­dos, en­ge­nhei­ros, etc.), pe­que­nos co­mer­ci­an­tes e in­dus­tri­ais, se­tor agro­pe­cuá­rio, etc.

Vou de­ta­lhar um ca­so. As in­cor­po­ra­ções imo­bi­liá­ri­as ob­je­to de pa­trimô­nio de afe­ta­ção, que ho­je re­co­lhem o PIS-Co­fins com alí­quo­ta de 2,08% in­ci­den­tes so­bre a re­cei­ta bru­ta, pas­sa­ri­am a ser one­ra­das com uma alí­quo­ta de 25% ou 30%, a de­pen­der da es­ti­ma­ti­va, e com bai­xa pos­si­bi­li­da­de de apro­vei­ta­men­to de cré­di­tos; já as uni­da­des ha­bi­ta­ci­o­nais cons­truí­das no âm­bi­to do pro­gra­ma Mi­nha Ca­sa Mi­nha Vi­da te­ri­am au­men­to de 0,53% pa­ra 25% ou 30%.

Des­ne­ces­sá­rio sa­li­en­tar o im­pac­to no vo­lu­me de ne­gó­ci­os e nas pres­ta­ções da ca­sa pró­pria, tan­to quan­to nas men­sa­li­da­des es­co­la­res e nas con­sul­tas mé­di­cas.

Con­cen­tra­ção econô­mi­ca. Ou­tra ca­rac­te­rís­ti­ca da PEC 45 é a pro­pen­são à con­cen­tra­ção econô­mi­ca, em no­me da eli­mi­na­ção de “dis­tor­ções”, que tei­mam ne­gar evi­dên­ci­as de enor­mes de­si­gual­da­des re­gi­o­nais de ren­da, cu­ja cor­re­ção é ob­je­ti­vo re­pe­ti­da­men­te con­sa­gra­do no tex­to cons­ti­tu­ci­o­nal.

A Zo­na Franca de Ma­naus é uma ví­ti­ma pre­fe­ren­ci­al da PEC 45, ape­sar dos seus mais de 86 mil tra­ba­lha­do­res.

A pre­ser­va­ção da Amazô­nia es­tá no cen­tro dos de­ba­tes in­ter­na­ci­o­nais so­bre mu­dan­ças cli­má­ti­cas. Co­mo es­ta­ri­am su­as flo­res­tas sem um po­lo de ge­ra­ção de em­pre­gos ur­ba­nos?

Os pro­ble­mas exis­ten­tes na Zo­na Franca de Ma­naus de­vem ser re­sol­vi­dos com ba­se nu­ma dis­cus­são res­pon­sá­vel. Ex­tin­gui-la é pro­mo­ver aber­ta­men­te o des­ma­ta­men­to e inun­dar de mi­gran­tes as pe­ri­fe­ri­as dos gran­des cen­tros ur­ba­nos.

O ideá­rio con­cen­tra­ci­o­nis­ta pre­ten­de, tam­bém, vin­cu­lar a do­ta­ções or­ça­men­tá­ri­as a con­ces­são de in­cen­ti­vos nas re­giões mais po­bres. Es­sa pre­ten­são é ape­nas uma for­ma de ve­dar a con­ces­são, pe­la in­com­pa­ti­bi­li­da­de en­tre vi­gên­cia anu­al dos or­ça­men­tos e pra­zo de in­ves­ti­men­tos.

Es­sas pre­o­cu­pa­ções não au­to­ri­zam, no en­tan­to, con­cluir que per­fi­lho o imo­bi­lis­mo. Os mais re­le­van­tes pro­ble­mas tri­bu­tá­ri­os do Bra­sil são, em ver­da­de, o ex­ces­so de li­ti­gi­o­si­da­de, a in­se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca e o bu­ro­cra­tis­mo, que na­da têm que ver com a na­tu­re­za dos tri­bu­tos. Di­zem res­pei­to ao pro­ces­so e aos pro­ce­di­men­tos, cu­ja den­si­da­de téc­ni­ca, en­tre­tan­to, não os ha­bi­li­ta à pas­sa­re­la de ale­go­ri­as tri­bu­tá­ri­as.

A Zo­na Franca de Ma­naus é uma ví­ti­ma pre­fe­ren­ci­al da PEC 45, ape­sar dos seus mais de 86 mil tra­ba­lha­do­res

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.