Mo­to­ris­ta de Uber não tem vín­cu­lo, de­ci­de STJ

Por una­ni­mi­da­de, Cor­te de­fi­niu que pro­fis­si­o­nal que pres­ta ser­vi­ço pa­ra apli­ca­ti­vo não po­de ser con­si­de­ra­do em­pre­ga­do

O Estado de S. Paulo - - Economia -

Mo­to­ris­tas que pres­tam ser­vi­ços de trans­por­tes pe­lo apli­ca­ti­vo Uber não têm ne­nhum ti­po de vín­cu­lo tra­ba­lhis­ta com a em­pre­sa, se­gun­do de­ci­são pu­bli­ca­da on­tem

pe­lo Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça (STJ).

O ca­so fi­xa um im­por­tan­te pre­ce­den­te pa­ra a com­pa­nhia de trans­por­te por apli­ca­ti­vo no País, um de seus prin­ci­pais mer­ca­dos. O Uber che­gou ao Bra­sil em 2014. O en­ten­di­men­to foi fi­xa­do na se­ma­na pas­sa­da pe­la una­ni­mi­da­de dos mi­nis­tros que in­te­gram a 2.ª Se­ção do STJ.

“Os mo­to­ris­tas de apli­ca­ti­vo não man­têm re­la­ção hi­e­rár­qui­ca com a Uber por­que seus ser­vi­ços são pres­ta­dos de for­ma even­tu­al, sem ho­rá­ri­os pre­es­ta­be­le­ci­dos e não re­ce­bem sa­lá­rio fi­xo, o que des­ca­rac­te­ri­za o vín­cu­lo em­pre­ga­tí­cio en­tre as par­tes”, dis­se o re­la­tor do ca­so, mi­nis­tro Mou­ra Ri­bei­ro.

“As fer­ra­men­tas tec­no­ló­gi­cas dis­po­ní­veis atu­al­men­te per­mi­ti­ram cri­ar uma no­va mo­da­li­da­de de in­te­ra­ção econô­mi­ca, fa­zen­do sur­gir a eco­no­mia com­par­ti­lha­da, quan­do a pres­ta­ção de ser­vi­ços por de­ten­to­res de veí­cu­los par­ti­cu­la­res é in­ter­me­di­a­da por apli­ca­ti­vos ge­ri­dos por em­pre­sas de tec­no­lo­gia. Nes­se pro­ces­so, os mo­to­ris­tas, exe­cu­to­res da ati­vi­da­de, atu­am co­mo em­pre­en­de­do­res in­di­vi­du­ais, sem vín­cu­lo de em­pre­go com a em­pre­sa pro­pri­e­tá­ria da pla­ta­for­ma”, re­for­çou o re­la­tor.

Es­se po­si­ci­o­na­men­to do STJ é im­por­tan­te por se tra­tar da pri­mei­ra vez em que uma Cor­te su­pe­ri­or fi­xa um en­ten­di­men­to pa­ra o as­sun­to, o que de­ve re­per­cu­tir em fu­tu­ras de­ci­sões de pri­mei­ro e se­gun­do graus. Des­de o iní­cio de 2017, mo­to­ris­tas e apli­ca­ti­vos de trans­por­te têm bri­ga­do na Jus­ti­ça pe­los di­rei­tos tra­ba­lhis­tas dos mo­to­ris­tas.

Em di­ver­sas par­tes do mun­do, ba­ta­lhas se­me­lhan­tes têm ocor­ri­do. Em mar­ço des­te ano, a em­pre­sa con­cor­dou em pa­gar US$ 20 mi­lhões pa­ra re­sol­ver uma ação mo­vi­da por mo­to­ris­tas há qua­se seis anos na Jus­ti­ça da Ca­li­fór­nia, de acor­do com do­cu­men­tos ju­di­ci­ais, re­sol­ven­do uma de su­as mui­tas ba­ta­lhas le­gais com os mo­to­ris­tas. O va­lor do acor­do é um quin­to da ofer­ta

l Ve­re­dic­to “Os mo­to­ris­tas de apli­ca­ti­vo man­têm re­la­ção hi­e­rár­qui­ca com o Uber por­que seus ser­vi­ços são pres­ta­dos de for­ma even­tu­al.” Mou­ra Ri­bei­ro MI­NIS­TRO DO STJ

pro­pos­ta pe­lo Uber em 2016 pa­ra re­sol­ver o ca­so, ava­li­a­da em até US$ 100 mi­lhões, que o juiz dis­tri­tal Edward Chen na épo­ca jul­gou co­mo ina­de­qua­da.

Cí­vel. O STJ en­ten­deu que ca­be­rá à Jus­ti­ça Cí­vel dos Es­ta­dos e não à Tra­ba­lhis­ta re­sol­ver ques­tões re­fe­ren­tes a mo­to­ris­tas que usam o apli­ca­ti­vo e a em­pre­sa. Em no­ta, o Uber co­me­mo­rou: “O STJ jul­gou que mo­to­ris­tas par­cei­ros não pos­su­em re­la­ção tra­ba­lhis­ta com o Uber. A de­ci­são afir­ma que eles são mi­cro­em­pre­en­de­do­res in­di­vi­du­ais que uti­li­zam a pla­ta­for­ma do Uber pa­ra re­a­li­zar sua ati­vi­da­de econô­mi­ca – re­for­çan­do o en­ten­di­men­to da Jus­ti­ça do Tra­ba­lho, que em mais de 250 ca­sos afir­mou que não exis­te vín­cu­lo em­pre­ga­tí­cio en­tre mo­to­ris­tas par­cei­ros e o Uber”.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.