Não há saí­da fá­cil pa­ra o pro­ble­ma dos ju­ros ne­ga­ti­vos no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal. E não há ideia cla­ra so­bre o que fa­zer.

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - CEL­SO MING E-MAIL: CEL­[email protected]

Ana­lis­tas e in­ves­ti­do­res es­tão mui­to pre­o­cu­pa­dos com a pers­pec­ti­va da per­sis­tên­cia de ju­ros mui­to bai­xos no mer­ca­do in­ter­na­ci­o­nal e seu im­pac­to so­bre as apli­ca­ções fi­nan­cei­ras, in­clu­si­ve no Bra­sil. Mas, ao mes­mo tem­po, pa­re­cem des­con­si­de­rar as ra­zões da in­fla­ção in­sis­ten­te­men­te mui­to bai­xa.

Dia 29 de agos­to, em en­tre­vis­ta ao Es­ta­do e Bro­ad­cast, agên­cia de in­for­ma­ções em tem­po re­al do Gru­po Es­ta­do, o ad­mi­nis­tra­dor de um dos fun­dos de in­ves­ti­men­to de mai­or su­ces­so no Bra­sil, Luís Stuhl­ber­ger, afir­mou que o pro­ble­ma dos ju­ros ne­ga­ti­vos é tão gra­ve que a saí­da pre­su­mi­vel­men­te se­rá uma po­da ge­ne­ra­li­za­da dos ati­vos fi­nan­cei­ros (e, por­tan­to, tam­bém dos pa­trimô­ni­os), que ele cha­ma de Pla­no Col­lor em es­ca­la glo­bal.

No mun­do, há cer­ca de US$ 13 tri­lhões em tí­tu­los de dí­vi­da emi­ti­dos por Te­sou­ros na­ci­o­nais e por em­pre­sas (mais de 30% do to­tal) que, no mo­men­to, pro­por­ci­o­nam ren­di­men­to ne­ga­ti­vo. Ou se­ja, o in­ves­ti­dor tem de pa­gar pa­ra em­pres­tar seu di­nhei­ro.

Por to­da par­te, gran­des ban­cos cen­trais ope­ram com ju­ros re­ais ou ne­ga­ti­vos ou em tor­no de ze­ro por cen­to ao ano. Os gran­des ban­cos es­tão abar­ro­ta­dos de di­nhei­ro pa­ra o qual não en­con­tram apli­ca­ção a não ser de­po­si­tar as me­gas­so­bras nos seus ban­cos cen­trais, ten­do de pa­gar por is­so. Na Ale­ma­nha, pa­gam 0,44% ao ano. Ou se­ja, em­bo­ra es­te­jam lon­ge das pro­por­ções que ame­a­çam ti­rar o so­no do ad­mi­nis­tra­dor de fun­dos Luís Stuhl­ber­ger, as te­sou­ra­das de pa­trimô­nio fi­nan­cei­ro já co­me­ça­ram.

A his­tó­ria da eco­no­mia nos con­ta que, di­an­te do ex­ces­so de di­nhei­ro, a in­fla­ção dis­pa­ra. Is­so va­leu tan­to pa­ra a Es­pa­nha do sé­cu­lo 17, quan­do do des­pe­jo de ou­ro e pra­ta de su­as colô­ni­as no No­vo Mun­do, quan­to nas es­pe­ta­cu­la­res hi­pe­rin­fla­ções do sé­cu­lo 20.

Em pri­mei­ro lu­gar, es­sa di­nhei­ra­ma de ho­je não pro­duz in­fla­ção por­que não es­tá sen­do em­pur­ra­da pa­ra o con­su­mo. É en­te­sou­ra­da. Sem con­su­mo adi­ci­o­nal, não há au­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo da pro­cu­ra por bens e ser­vi­ços e, por­tan­to, não há au­men­to de pre­ços.

Fa­tor ain­da mais im­por­tan­te, che­ga­mos a um mo­men­to da his­tó­ria da eco­no­mia em que se sen­tem for­te­men­te os efei­tos do pro­ces­so de glo­ba­li­za­ção, que po­de ser de­fi­ni­do co­mo bus­ca com­pul­si­va do mais ba­ra­to e do cus­to mais bai­xo. É o efei­to do au­men­to do co­mér­cio ex­te­ri­or nos úl­ti­mos 30 anos, do ba­ra­te­a­men­to dos fre­tes, que se con­ju­gou ao in­cre­men­to da pro­du­ti­vi­da­de dos trans­por­tes e do au­men­to da pro­du­ção

com ba­se nos sa­lá­ri­os mais bai­xos (prin­ci­pal­men­te da Ásia).

Fi­nal­men­te, a for­te re­du­ção de cus­tos acon­te­ce no mun­do gra­ças à au­to­ma­ção in­ten­si­va e ao uso ca­da vez mai­or de tec­no­lo­gia da in­for­ma­ção, que in­clui não só in­ter­net e com­pu­ta­do­res em lar­ga es­ca­la, mas tam­bém os apli­ca­ti­vos. Por con­ta dis­so, os cus­tos de pro­du­ção de­sa­ba­ram; os ban­cos subs­ti­tu­em agên­ci­as e fun­ci­o­ná­ri­os por caixas au­to­má­ti­cos e ser­vi­ços na in­ter­net; o co­mér­cio va­re­jis­ta ade­re em mas­sa às ven­das on­li­ne que, por si sós, pro­du­zem uma re­vo­lu­ção bai­xis­ta na ad­mi­nis­tra­ção de es­to­ques; e se es­pa­lha o fenô­me­no da eco­no­mia com­par­ti­lha­da, co­mo Uber, 99, Airbnb, Bo­o­king – e is­so é só o co­me­ço.

E não dá pa­ra ig­no­rar ou­tro fa­tor for­te­men­te bai­xis­ta. A gran­de so­bra de di­nhei­ro, as in­cer­te­zas com o que acon­te­ce­rá se for con­fir­ma­da uma for­te des­va­lo­ri­za­ção pa­tri­mo­ni­al, a ex­pec­ta­ti­va de uma no­va re­ces­são mun­di­al e pos­si­vel­men­te ou­tras fon­tes de in­qui­e­ta­ção pu­xa­ram o bre­que dos in­ves­ti­men­tos. Quem é que pre­ten­de des­pe­jar di­nhei­ro pe­sa­do em pro­je­tos de in­ves­ti­men­to se, den­tro de mais al­gum tem­po, o cus­to do cré­di­to po­de cair ain­da mais? A gu­er­ra co­mer­ci­al em cur­so tam­bém tra­ba­lha na mes­ma di­re­ção, por­que ten­de a ti­rar mer­ca­do fu­tu­ro das em­pre­sas e der­ru­bar ne­gó­ci­os.

Nes­se ce­ná­rio, os ban­cos cen­trais pou­co po­dem fa­zer, por­que o pro­ble­ma não é mais de fal­ta de cré­di­to ou de fal­ta de di­nhei­ro. Nem há mais es­pa­ço pa­ra no­vos cor­tes de ju­ros. E se­guir com­pran­do tí­tu­los no mer­ca­do pa­ra au­men­tar a de­man­da, co­mo fi­ze­ram des­de a cri­se de 2008, im­pli­ca con­ti­nu­ar o pro­ces­so de inun­da­ção dos mer­ca­dos com re­cur­sos.

Tem si­do re­pe­ti­do que a sal­va­ção não vem mais da po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria (ma­ne­jo de di­nhei­ro e dos ju­ros), mas te­rá de vir da po­lí­ti­ca fis­cal, ou se­ja, do au­men­to das des­pe­sas dos go­ver­nos. O pro­ble­ma aí é que, por to­da par­te, os Te­sou­ros es­tão que­bra­dos e des­se po­te tam­bém não se ti­ra mais me­la­do.

En­fim, não há saí­da fá­cil. E, nes­te mo­men­to, não há nem ideia cla­ra so­bre o que fa­zer.

MAR­COS MUL­LER/ESTADÃO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.