Pla­nal­to de­sis­te de me­xer na lei do te­to

Em con­ver­sa com o pre­si­den­te, o mi­nis­tro Pau­lo Gu­e­des acer­tou que ne­go­ci­a­rá com o Con­gres­so uma for­ma de des­tra­var me­ca­nis­mos previstos na re­gra do te­to de gas­tos, co­mo a sus­pen­são de re­a­jus­te a ser­vi­do­res, pa­ra re­du­zir des­pe­sas obri­ga­tó­ri­as

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Adri­a­na Fernandes Ma­teus Var­gas / BRA­SÍ­LIA Idiana Tomazelli EN­VI­A­DA ES­PE­CI­AL / FOR­TA­LE­ZA

Em con­ver­sa com o mi­nis­tro Pau­lo Gu­e­des (Eco­no­mia), Jair Bol­so­na­ro foi con­ven­ci­do a de­sis­tir do afrou­xa­men­to da lei do te­to de gas­tos. O dis­po­si­ti­vo proí­be que as des­pe­sas cres­çam aci­ma da in­fla­ção. Gu­e­des dis­se que vai ne­go­ci­ar com o Con­gres­so uma re­gra pa­ra que os ga­ti­lhos que per­mi­tem ao go­ver­no re­du­zir des­pe­sas obri­ga­tó­ri­as se­jam aci­o­na­dos.

Um dia após ter de­fen­di­do o afrou­xa­men­to na emen­da do te­to de gas­tos – ins­tru­men­to de po­lí­ti­ca or­ça­men­tá­ria que proí­be que as des­pe­sas cres­çam aci­ma da in­fla­ção de um ano pa­ra o ou­tro –, o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro foi con­ven­ci­do pe­la equi­pe econô­mi­ca a de­sis­tir da ideia. “Se­ria uma ra­cha­du­ra em um tran­sa­tlân­ti­co”, dis­se on­tem o pre­si­den­te. Na quar­ta-fei­ra, o por­ta­voz da Pre­si­dên­cia ha­via afir­ma­do que Bol­so­na­ro de­fen­dia o abran­da­men­to do te­to.

Em con­ver­sa com o pre­si­den­te, o mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gu­e­des, acer­tou que sua equi­pe vai ne­go­ci­ar com o Con­gres­so uma “ca­li­bra­gem” ape­nas nas nor­mas pa­ra o aci­o­na­men­to dos cha­ma­dos “ga­ti­lhos”. Previstos na re­gra do te­to, eles são me­ca­nis­mos que per­mi­tem ao go­ver­no re­du­zir des­pe­sas obri­ga­tó­ri­as, por meio de me­di­das co­mo a sus­pen­são de au­men­tos sa­la­ri­ais dos ser­vi­do­res, da con­ces­são de be­ne­fí­ci­os e de re­a­jus­tes de des­pe­sas aci­ma da in­fla­ção, in­clu­si­ve do sa­lá­rio mí­ni­mo.

Ho­je, do jei­to que a emen­da do te­to foi apro­va­da, o aci­o­na­men­to dos ga­ti­lhos não é tec­ni­ca­men­te viá­vel. Is­so por­que há uma con­tra­di­ção nas re­gras vi­gen­tes: pe­la nor­ma, um ga­ti­lho só po­de ser aci­o­na­do após es­tou­ro do te­to. Ao mes­mo tem­po, a lei de­fi­ne que o pre­si­den­te po­de ser res­pon­sa­bi­li­za­do cri­mi­nal­men­te ca­so o te­to de gas­tos se­ja des­cum­pri­do. Di­an­te dis­so, a equi­pe de Gu­e­des ten­ta­rá ga­ran­tir o aci­o­na­men­to an­te­ci­pa­do das me­di­das de ajus­te, sem que se­ja pre­ci­so es­tou­rar o li­mi­te de gas­tos.

Além de ten­tar des­tra­var o uso dos ga­ti­lhos, a equi­pe econô­mi­ca tra­ba­lha em ou­tras me­di­das pa­ra re­du­zir, em pe­lo me­nos R$ 10 bilhões, as des­pe­sas obri­ga­tó­ri­as, co­mo pes­so­al e Pre­vi­dên­cia, e abrir es­pa­ço no te­to de gas­tos. Es­sa aber­tu­ra per­mi­te au­men­tar a mar­gem pa­ra os cha­ma­dos gas­tos dis­cri­ci­o­ná­ri­os (não obri­ga­tó­ri­os, co­mo des­pe­sas com o cus­teio da má­qui­na e in­ves­ti­men­tos).

Em For­ta­le­za, o mi­nis­tro Pau­lo Gu­e­des ga­ran­tiu que o go­ver­no e o Con­gres­so es­tão pron­tos pa­ra “re­sol­ver o pro­ble­ma” fis­cal do País. Pa­ra o mi­nis­tro, os con­gres­sis­tas “en­ten­de­ram a ar­ma­di­lha em que caí­ram” e es­tão com um diá­lo­go ma­du­ro so­bre a ne­ces­si­da­de de re­for­mas fis­cais no País. “A ar­ma­di­lha do gas­to obri­ga­tó­rio en­cur­ra­lou a clas­se po­lí­ti­ca in­tei­ra”, dis­se.

Ele cri­ti­cou os al­tos sa­lá­ri­os de ser­vi­do­res e ci­tou o gas­to com pes­so­al co­mo um dos que pres­si­o­nam as des­pe­sas. “O te­to de gas­tos é um avi­so di­zen­do o se­guin­te: não po­de fu­rar o te­to mais. En­tão nós pre­fe­ri­mos pro­por no pac­to fe­de­ra­ti­vo o con­tro­le das des­pe­sas em vez de sim­ples­men­te fu­rar o te­to. Por­que fu­rar o te­to é o que fa­ze­mos há 40 anos, e não deu cer­to.”

O se­cre­tá­rio de Po­lí­ti­ca Econô­mi­ca do Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia, Adol­fo Sa­ch­si­da, con­fir­mou ao Es­ta­do que a área téc­ni­ca do go­ver­no es­tá pre­pa­ran­do me­di­das pa­ra re­du­zir as des­pe­sas obri­ga­tó­ri­as – que res­pon­dem por 96% do Or­ça­men­to – e ga­ran­tir o aci­o­na­men­to an­te­ci­pa­do das me­di­das de ajus­te. “A cau­sa do pro­ble­ma é o cres­ci­men­to das des­pe­sas obri­ga­tó­ri­as, que avan­ça­ram R$ 200 bilhões em três anos”. Se­gun­do ele, nes­se rit­mo, não vai ha­ver “es­pa­ço pa­ra mais na­da”.

DIDA SAM­PAIO/ESTADAO -11/3/2019

Fis­cal. Gu­e­des ga­ran­te que Con­gres­so es­tá pron­to a aju­dar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.