A Amazô­nia não é só nos­sa...

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto - •✽ FLÁ­VIO TA­VA­RES

Asé­rie de ab­sur­dos do dia a dia mul­ti­pli­ca-se tão ace­le­ra­da­men­te nes­te 2019 que o Bra­sil já não se vê a si mes­mo. Sem es­tar ce­gos, dei­xa­mos de en­xer­gar aqui­lo que os olhos po­dem ver pa­ra que o ra­ci­o­cí­nio en­ten­da e dê so­lu­ção.

A Amazô­nia é o exem­plo des­sa mi­o­pia trans­for­ma­da em ce­guei­ra. Pas­sa­mos a nos pre­o­cu­par com a de­gra­da­ção da flo­res­ta so­men­te de­pois que lá da Eu­ro­pa nos fi­ze­ram ver as la­ba­re­das. Mes­mo as­sim, não apren­de­mos o sig­ni­fi­ca­do dos gri­tos de lon­ge.

Gri­tos? Sim, gri­tos de aler­ta, co­mo aque­les de quem vê fo­go na ca­sa do vi­zi­nho (na ma­dru­ga­da) e ber­ra pa­ra des­per­tar quem es­ti­ver dor­min­do. Pri­mei­ro, Em­ma­nu­el Ma­cron, na Fran­ça, lo­go An­ge­la Mer­kel, na Ale­ma­nha, vi­ram o pe­ri­go con­cre­to que não no­ta­mos aqui. En­xer­ga­ram o sig­ni­fi­ca­do e de­ram o aler­ta, num ges­to de co­o­pe­ra­ção. To­ma­mos a co­o­pe­ra­ção, po­rém, co­mo “in­tro­mis­são” ou “afron­ta” à nos­sa so­be­ra­nia.

Com des­pre­zo, nos­so pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca cha­mou de “es­mo­la” os mi­lhões que os eu­ro­peus doam aos pro­gra­mas de con­ser­va­ção da Amazô­nia bra­si­lei­ra. E com des­dém irô­ni­co apli­cá­vel só a “país ini­mi­go”, nos­so pre­si­den­te su­ge­riu que An­ge­la Mer­kel re­flo­res­tas­se a Ale­ma­nha, al­go já fei­to des­de o fim da de­vas­ta­do­ra 2.ª Gu­er­ra Mun­di­al, em 1945…

Tão ame­a­ça­do­ra quan­to os in­cên­di­os na Amazô­nia nos oi­to me­ses do atu­al go­ver­no, po­rém, é a fal­sa vi­são de pa­tri­o­tis­mo trans­mi­ti­do a al­guns se­to­res, que veem os aler­tas co­mo “ata­ques ao Bra­sil”. Mas se­rão “ata­ques ao Bra­sil” ou se­rão ob­ser­va­ções so­bre o des­dém do Bra­sil, do seu go­ver­no e até de seu po­vo pe­la Amazô­nia?

Ma­cron e An­ge­la Mer­kel nos ata­cam? Ou nos pre­ser­vam?

O fo­co con­cre­to é a pre­ser­va­ção da vi­da amazô­ni­ca, da po­pu­la­ção, das flo­res­tas e de seus ri­cos bi­o­mas uti­li­za­dos na pes­qui­sa mé­di­ca, da fau­na e da flo­ra. Num fre­ne­si bri­guen­to, po­rém, in­ven­ta­mos um “pa­tri­o­te­ris­mo” fal­so subs­ti­tuin­do o pa­tri­o­tis­mo.

Há um de­ta­lhe: a Amazô­nia não é só nos­sa. Em seus 5,5 mi­lhões de quilô­me­tros qua­dra­dos en­vol­ve no­ve paí­ses. A exu­be­rân­cia

da flo­res­ta co­me­ça com o de­ge­lo nos An­des, lá lon­ge, em pi­cos de mon­ta­nhas que não te­mos e não nos per­ten­cem na ge­o­gra­fia; mas que nem por is­so va­mos re­cu­sar co­mo água de nos­sos ri­os por­que pro­vêm de “neve es­tran­gei­ra”.

Os na­ci­o­na­lis­mos pos­ti­ços são du­pla­men­te bas­tar­dos, sem pai nem mãe ou qual­quer ou­tra ori­gem, in­ven­ta­dos pe­la fan­ta­sia de ver ini­mi­gos em to­da par­te pa­ra ex­ter­mi­ná-los à ba­la. Lem­bram-se de quan­do Bol­so­na­ro dis­se que as ONGs pre­ser­va­ci­o­nis­tas in­cen­di­a­vam a flo­res­ta?

Nos­sas quei­ma­das se acen­tu­a­ram e vi­ra­ram gi­gan­tes­cos in­cên­di­os a par­tir do mo­men­to em que o en­tão can­di­da­to pre­si­den­ci­al aci­o­nou o “fa­rol ver­de” pa­ra o que ele cha­ma de “ex­pan­são do agro­ne­gó­cio” na Amazô­nia. A ri­que­za da re­gião atraiu, en­tão, co­bi­ço­sos aven­tu­rei­ros que des­ma­tam a flo­res­ta pa­ra ven­der ma­dei­ra e, de­pois, “plan­tar”.

Ig­no­ran­tes, não sa­bem que o so­lo amazô­ni­co é po­bre, sem nu­tri­en­tes. A que­da das fo­lhas das ár­vo­res for­ma uma fi­na ca­ma­da de so­lo su­per­fi­ci­al, que sus­ten­ta a flo­res­ta e a faz exu­be­ran­te pe­lo vo­lu­me d’água dos ri­os e pe­la con­ti­nui­da­de das chu­vas. Mas lá não há ter­ras pró­pri­as pa­ra pas­ta­gem ou la­vou­ra. Sem a gu­ar­da e a pro­te­ção da flo­res­ta den­sa, tu­do se tor­na es­té­ril.

Os des­ma­ta­men­tos e as “quei­ma­das” fa­rão da Amazô­nia um imen­so De­ser­to do Sa­a­ra. E vai se abrir, en­tão, ou­tra por­ta pa­ra o hor­ror do aque­ci­men­to glo­bal e das mu­dan­ças cli­má­ti­cas, já ace­le­ra­dos pe­la ex­tra­ção e pe­lo uso de car­vão mi­ne­ral e de pe­tró­leo. Tam­bém aí o absurdo ten­ta se im­por. No Con­gres­so, a “ban­ca­da do car­vão” pres­si­o­na pa­ra que o BNDES mu­de a po­lí­ti­ca de não fi­nan­ci­ar no­vas mi­nas nem ter­mo­e­lé­tri­cas. Quer que se­ja­mos um dos gran­des vi­o­lões da de­gra­da­ção, jo­gan­do no li­xo os com­pro­mis­sos de pre­ser­va­ção do pla­ne­ta, co­mo o Acor­do de Pa­ris?

Se­ría­mos, ain­da, cúm­pli­ces ab­so­lu­tos de um cri­me anun­ci­a­do pe­la ci­ên­cia, de­nun­ci­a­do pe­la ONU e so­bre o qual o pa­pa Fran­cis­co ad­ver­te de for­ma di­re­ta. Não per­ce­be­mos que o pla­ne­ta Ter­ra é úni­co e que o sen­ti­do de so­be­ra­nia é po­lí­ti­co e ter­ri­to­ri­al, uma con­ven­ção his­tó­ri­ca des­ti­na­da à ad­mi­nis­tra­ção e ao mo­do de vi­da da po­pu­la­ção, con­for­me as leis. Ou al­guém pen­sa num “ar bra­si­lei­ro” e que, pas­san­do a fron­tei­ra, o ar se­ja ar­gen­ti­no ou ve­ne­zu­e­la­no?

Com a vi­são am­pla e mo­der­na de pre­ser­va­ção da vi­da em si, em 1946, em Pa­ris, o bi­oquí­mi­co Pau­lo Car­nei­ro, em­bai­xa­dor do Bra­sil na Unes­co (ra­mo ci­en­tí­fi­co da ONU) propôs a cri­a­ção do Ins­ti­tu­to In­ter­na­ci­o­nal da Hi­leia Amazô­ni­ca, pa­ra trans­for­mar a re­gião dos no­ve paí­ses em área de pes­qui­sa ci­en­tí­fi­ca “em prol da hu­ma­ni­da­de” e, as­sim, im­pe­dir even­tu­al de­gra­da­ção. A so­be­ra­nia po­lí­ti­ca e ter­ri­to­ri­al con­ti­nu­a­ria com ca­da um dos paí­ses da flo­res­ta. Mas a pes­qui­sa e a uti­li­za­ção nos cam­pos da bo­tâ­ni­ca, zo­o­lo­gia, fi­si­o­gra­fia, me­te­o­ro­lo­gia, ar­que­o­lo­gia, agri­cul­tu­ra e afins se­ria gui­a­da por cri­té­ri­os ci­en­tí­fi­cos co­muns es­ta­be­le­ci­dos pe­lo Ins­ti­tu­to da Hi­leia.

No Bra­sil, po­rém, hou­ve pro­tes­tos si­mi­la­res às to­li­ces de ago­ra, in­ven­tan­do que in­ter­na­ci­o­na­li­zar a pes­qui­sa “que­bra­ria” nos­sa so­be­ra­nia. E a pro­pos­ta fe­ne­ceu. Na­que­les anos da gu­er­ra fria, o en­tão in­flu­en­te Par­ti­do Co­mu­nis­ta (mes­mo quan­do ile­gal) co­man­dou a cam­pa­nha con­tra a trans­for­ma­ção da hi­leia em área de pre­ser­va­ção, ven­do ne­la “um ca­va­lo de Troia es­tran­gei­ro”. Os opo­si­to­res de ho­je, reu­ni­dos em tor­no de Bol­so­na­ro, pro­cla­mam os mes­mos lu­ga­res-co­muns...

O vi­si­o­ná­rio e pro­fe­ta Pau­lo Car­nei­ro mor­reu em 1982, com Ma­naus (na Amazô­nia) já “in­ter­na­ci­o­na­li­za­da” no sen­ti­do in­ver­so do que ele ten­tou. Vi­rou “zo­na fran­ca”, on­de gran­des em­pre­sas de fo­ra usam a mão de obra ba­ra­ta da Amazô­nia e pi­so­tei­am a ri­que­za ci­en­tí­fi­ca da hi­leia.

Em su­ma: nos­sa Amazô­nia é nos­sa, mas não é só nos­sa!

Se­re­mos cúm­pli­ces de um cri­me anun­ci­a­do pe­la ci­ên­cia e de­nun­ci­a­do pe­la ONU

JOR­NA­LIS­TA E ES­CRI­TOR, PRÊ­MIO JABUTI DE LI­TE­RA­TU­RA EM 2000 E 2005, PRÊ­MIO APCA EM 2004, É PRO­FES­SOR APO­SEN­TA­DO DA UNI­VER­SI­DA­DE DE BRA­SÍ­LIA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.