‘NOS­SA VI­DA CON­TI­NUA A MES­MA’

Um ano de­pois, mé­di­co que ope­rou Bol­so­na­ro ain­da tem de res­pon­der às ‘te­o­ri­as cons­pi­ra­tó­ri­as’

O Estado de S. Paulo - - Política - Matheus An­dra­de ES­PE­CI­AL PA­RA O ES­TA­DO JUIZ DE FO­RA (MG)

En­quan­to boa par­te do Bra­sil se pre­pa­ra­va pa­ra o fe­ri­a­do de 7 de se­tem­bro de 2018, um trau­ma no abdô­men na re­gião cen­tral de Juiz de Fo­ra mu­da­ria a vi­da de mui­tos. No ca­so de Luiz Hen­ri­que Bor­sa­to, ci­rur­gião da San­ta Ca­sa de Mi­se­ri­cór­dia de plan­tão na­que­la tar­de, se­ria tra­va­da uma cor­ri­da con­tra o tem­po.

Re­co­nhe­ci­do co­mo o “mé­di­co que sal­vou Jair Bol­so­na­ro” da fa­ca­da des­fe­ri­da por Adé­lio Bis­po – que es­tá pre­so des­de en­tão –, Bor­sa­to des­ta­ca que a ra­pi­dez e a efi­ci­ên­cia no aten­di­men­to be­ne­fi­ci­a­ram o en­tão can­di­da­to. “A pri­mei­ra ho­ra após o aci­den­te é mui­to im­por­tan­te. A me­di­da em que o tem­po vai pas­san­do, o pa­ci­en­te vai se tor­nan­do ca­da vez mais gra­ve”, dis­se ao Es­ta­do. O aten­ta­do a Bol­so­na­ro com­ple­ta um ano ho­je.

O tra­je­to en­tre a Rua Hal­feld, lo­cal do aten­ta­do, e a San­ta Ca­sa foi per­cor­ri­do em cer­ca de dez mi­nu­tos. Bol­so­na­ro já re­ce­bia os pri­mei­ros pro­ce­di­men­tos que lhe sal­va­ram a vi­da. “Es­tá­va­mos no cen­tro ci­rúr­gi­co na ho­ra, e já ha­vía­mos re­a­li­za­dos ou­tras ci­rur­gi­as no dia. Ele foi le­va­do pa­ra a equi­pe de mé­di­cos emer­gen­cis­tas, que re­a­li­za­ram o pri­mei­ro so­cor­ro rá­pi­do, e fi­ze­ram a to­mo­gra­fia”, diz o ci­rur­gião, que faz ques­tão de res­sal­tar o tra­ba­lho de to­dos os en­vol­vi­dos.

A he­mor­ra­gia era um ris­co re­al pa­ra Bol­so­na­ro, que per­deu qua­se um ter­ço do vo­lu­me co­mum de san­gue, ne­ces­si­tan­do de qua­tro bol­sas de re­po­si­ção. “Ele per­deu en­tre 1,5L e 2L de san­gue, is­so por­que con­se­gui­mos in­ter­vir e pa­rar o san­gra­men­to”.

No pri­mei­ro con­ta­to com o pa­ci­en­te, Bor­sa­to des­cre­ve que “ele es­ta­va con­fu­so e se quei­xa­va de dor, não fa­lou mais na­da”. No dia se­guin­te, an­tes de ser trans­fe­ri­do pa­ra o hos­pi­tal Al­bert Eins­tein, em São Pau­lo, Bol­so­na­ro agra­de­ceu ao ci­rur­gião por tu­do o que ha­via si­do fei­to.

Ques­ti­o­na­men­to co­mum é o fa­to de não ter ha­vi­do san­gue apa­ren­te após a fa­ca­da. O ci­rur­gião dis­se es­tar acos­tu­ma­do a res­pon­der so­bre o te­ma, e não se in­co­mo­da com as te­o­ri­as cons­pi­ra­tó­ri­as que en­vol­vem seu tra­ba­lho. “Se não fos­se uma fi­gu­ra pú­bli­ca, nin­guém fa­la­ria is­so.”

Se­pa­ran­do o que con­si­de­ra “ato po­lí­ti­co” do “la­do mé­di­co”, Bor­sa­to não acre­di­ta que as de­sin­for­ma­ções te­nham efei­tos ne­ga­ti­vos, e des­ta­ca que “nos­sa vi­da co­ti­di­a­na, no úl­ti­mo ano, con­ti­nua a mes­ma”. Pa­ra ele, tu­do faz par­te do cam­po po­lí­ti­co, não so­bre sua atu­a­ção téc­ni­ca. “As pes­so­as são li­vres pa­ra te­rem su­as opi­niões”.

No ca­so da ci­rur­gia de hér­nia, que se­rá re­a­li­za­da do­min­go, a quar­ta no abdô­men de Bol­so­na­ro, Bor­sa­to afir­ma que, em al­gum mo­men­to, a mes­ma in­ter­ven­ção pro­va­vel­men­te se­ria re­a­li­za­da. “To­do pa­ci­en­te sub­me­ti­do a uma ci­rur­gia ab­do­mi­nal tem o ris­co de de­sen­vol­ver hér­nia.”

FER­NAN­DO PRIAMO/ESTADÃO

Mé­di­co. Luiz Bor­sa­to ope­rou Bol­so­na­ro após a fa­ca­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.