Pal­mei­ras te­rá jo­go ‘le­gal’, diz Ma­no

Con­tes­ta­do por par­te da tor­ci­da, téc­ni­co pro­me­te tor­nar ti­me mais ofen­si­vo e atu­an­do de ma­nei­ra mais bo­ni­ta

O Estado de S. Paulo - - Esportes - Ci­ro Cam­pos

Ma­no Me­ne­zes es­pe­ra con­quis­tar a tor­ci­da do Pal­mei­ras com um fu­te­bol mais ofen­si­vo e um jo­go bo­ni­to. Pe­lo me­nos foi is­so que o trei­na­dor, que sem­pre se ca­rac­te­ri­zou pe­la pru­dên­cia ao mon­tar su­as equi­pes, e que não vai abrir mão da se­gu­ran­ça, ga­ran­tiu on­tem ao ser apre­sen­ta­do. Ele mi­ni­mi­zou a re­jei­ção da tor­ci­da e pro­me­teu achar uma “ma­nei­ra le­gal” pa­ra a equi­pe atu­ar.

Com con­tra­to até de­zem­bro de 2021, o subs­ti­tu­to de Fe­li­pão es­treia ama­nhã, con­tra o Goiás, em Goi­â­nia, pe­lo Bra­si­lei­ro. Ma­no de­fi­niu a che­ga­da ao Pal­mei­ras co­mo mais um “ca­pí­tu­lo im­por­tan­tís­si­mo” de seus 20 e pou­cos anos de car­rei­ra. O trei­na­dor as­su­me em um mo­men­to de mui­ta pres­são, com pro­tes­tos da tor­ci­da con­tra o di­re­tor de fu­te­bol Ale­xan­dre Mat­tos e o ti­me sem ven­cer há se­te ro­da­das, e ex­pli­cou co­mo pre­ten­de re­co­lo­car a equi­pe nos tri­lhos:

Che­ga­da ao Pal­mei­ras. O Pal­mei­ras, dos úl­ti­mos Cam­pe­o­na­tos Bra­si­lei­ros, ga­nhou dois e fi­cou em se­gun­do em um. Não po­de dei­xar que se des­trua is­so do dia pa­ra a noi­te. O Pal­mei­ras vai se de­di­car na sua to­ta­li­da­de pa­ra dis­pu­tar o tí­tu­lo bra­si­lei­ro. Es­ta­mos as­su­min­do o co­man­do téc­ni­co com es­sa con­vic­ção.

Ten­são no clu­be. Quan­do re­ce­bi o con­vi­te, le­vei em con­si­de­ra­ção to­dos os as­pec­tos. Vo­cê não vi­ve nu­ma bo­lha, o fu­te­bol não vi­ve nu­ma bo­lha, mas não po­de­mos fa­zer aqui­lo que não é da nos­sa al­ça­da. Só po­de­mos mo­di­fi­car es­sa si­tu­a­ção de den­tro pa­ra fo­ra, den­tro do cam­po. O ob­je­ti­vo do tor­ce­dor é o mes­mo que o nos­so. Va­mos tra­ba­lhar, fa­zer nos­sa par­te. O Pal­mei­ras é mui­to mai­or do que to­das es­sas ques­tões seg­men­ta­das.

His­tó­ria no Co­rinthi­ans. Eu gos­ta­ria de lem­brar que es­ta­mos em 2019. Cer­tas dis­cus­sões e ques­tões fa­zem par­te do pas­sa­do. O mun­do es­tá um pou­qui­nho mais glo­ba­li­za­do. Mui­tos pro­fis­si­o­nais já fi­ze­ram es­se ca­mi­nho e que­ro fa­zer o ca­mi­nho de quem veio ao Pal­mei­ras com su­ces­so. Pro­cu­ro res­pei­tar a fi­lo­so­fia de ca­da clu­be. Va­mos cons­truir um tra­ba­lho jun­tos.

Semelhança­s com Fe­li­pão. Se­ria bem fá­cil pa­ra mim di­zer que jo­go di­fe­ren­te. Se­ria um des­res­pei­to. Ele es­co­lheu uma for­ma de jo­gar que vi­nha dan­do cer­to até a Co­pa Amé­ri­ca, os re­sul­ta­dos eram bons. Mas o fu­te­bol é ines­pe­ra­do. Vo­cês vão ver lo­go a ma­nei­ra co­mo a equi­pe vai jo­gar. Lo­go após fa­zer a es­co­lha, vo­cê apre­sen­ta evo­lu­ções.

Re­jei­ção da tor­ci­da. Sem­pre pen­so que o tra­ba­lho é mais im­por­tan­te do que tu­do. O Pal­mei­ras de­ve es­tar en­tre os pri­mei­ros, ser pro­ta­go­nis­ta. Não te­mos ga­ran­tia so­bre um téc­ni­co que che­ga com una­ni­mi­da­de.

O que lhe atraiu. Quan­do saí do Cru­zei­ro, mi­nha ideia era não di­ri­gir clu­be al­gum até o fim do ano. Mas tem si­tu­a­ções que são es­pe­ci­ais. E es­sa si­tu­a­ção com o Pal­mei­ras é es­pe­ci­al. Nós já ha­vía­mos ma­ni­fes­ta­do a in­ten­ção de re­a­li­zar es­se tra­ba­lho dois anos atrás, mas, por ques­tões de es­co­lha, de en­ten­di­men­to, de car­rei­ra, de con­ti­nui­da­de no Cru­zei­ro, en­ten­di que de­ve­ria dar con­ti­nui­da­de lá. Já exis­tia con­vic­ção de que um dia iría­mos tra­ba­lhar jun­tos. En­ten­di que o mo­men­to é es­se.

Ti­me se­rá mais ofen­si­vo? Vai jo­gar mais. Eu pe­di a ca­mi­sa 9 na apre­sen­ta­ção pa­ra os jo­ga­do­res não fi­ca­rem mais pre­o­cu­pa­dos com con­cor­rên­cia. Acre­di­to mui­to nos jo­ga­do­res que di­ri­jo, a gen­te ana­li­sa bem, cons­truí­mos equi­pes. Te­mos jo­ga­do­res pa­ra to­das as po­si­ções, te­mos um ní­vel al­to.

Crí­ti­cas an­tes da es­treia. São no­vos tem­pos. An­ti­ga­men­te a gen­te dei­xa­va ao me­nos tra­ba­lhar pa­ra de­pois ava­li­ar. Eu en­ten­do que de­va ser o ca­mi­nho da re­to­ma­da. O tor­ce­dor tem o di­rei­to de se ma­ni­fes­tar. Va­mos tra­ba­lhar pa­ra ele ser fe­liz e ter or­gu­lho do ti­me.

Pri­mei­ra me­ta. So­li­dez de­fen­si­va não quer di­zer ti­me re­a­ti­vo, quer di­zer que o ad­ver­sá­rio tem di­fi­cul­da­de pa­ra en­trar na sua de­fe­sa. Te­mos jo­ga­do­res com ca­pa­ci­da­de pa­ra pro­por mais o jo­go. Às ve­zes is­so não se con­se­gue de um jo­go pa­ra o ou­tro. Va­mos fa­zer is­so de for­ma se­gu­ra, com cal­ma. Acho im­por­tan­te a am­bi­ção dos jo­ga­do­res com re­la­ção ao que se quer cons­truir.

De­sa­fio ou opor­tu­ni­da­de. É uma gran­de opor­tu­ni­da­de. Elas apa­re­cem e vo­cê de­ci­de se as quer ou não. De­pois que de­ci­di vir, pre­ci­so sa­ber o que sig­ni­fi­ca es­sa res­pon­sa­bi­li­da­de. Não bas­ta só acei­tar. A gran­de di­fe­ren­ça é a ma­nei­ra co­mo vo­cê cons­trói e se de­di­ca. A ma­nei­ra co­mo vo­cê se de­fen­de den­tro do cam­po é o que faz di­fe­ren­ça.

Ma­no Me­ne­zes TÉC­NI­CO DO PAL­MEI­RAS ‘Te­mos jo­ga­do­res com ca­pa­ci­da­de pa­ra pro­por mais o jo­go. É im­por­tan­te a am­bi­ção de­les com re­la­ção ao que se quer cons­truir’

HÉLVIO RO­ME­RO/ESTADÃO

No­vo ci­clo. Ma­no é apre­sen­ta­do pe­lo pre­si­den­te Mau­ri­cio Ga­li­ot­te: téc­ni­co pe­diu a ca­mi­sa 9 pa­ra mar­car sua che­ga­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.