CEO do Gru­po Ita­pe­mi­rim vi­ra al­vo de in­ves­ti­ga­ção

O Estado de S. Paulo - - Economia - COM IANDER PORCELLA

Opre­si­den­te da Vi­a­ção Ita­pe­mi­rim, Hé­lio Si­quei­ra, es­tá pres­tes a vi­rar al­vo de in­ves­ti­ga­ção por con­ta de um con­tra­to de se­gu­ro, que o co­lo­ca­rá di­an­te de ques­ti­o­na­men­to en­vol­ven­do con­fli­to de in­te­res­se. Is­so por­que, em abril des­te ano, o exe­cu­ti­vo as­si­nou um con­tra­to de se­gu­ro de vi­da em gru­po com a Metli­fe pa­ra as em­pre­sas da Ita­pe­mi­rim, uti­li­zan­do co­mo in­ter­me­diá­ria pa­ra a con­tra­ta­ção a pró­pria cor­re­to­ra de se­gu­ro, a Via União Con­sul­to­ria e Cor­re­to­ra de Se­gu­ros. Mem­bros da di­re­to­ria da em­pre­sa já es­ta­ri­am in­ves­ti­gan­do o as­sun­to. O exe­cu­ti­vo es­tá à fren­te da com­pa­nhia, que se en­con­tra em pro­ces­so de re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al, des­de ou­tu­bro do ano pas­sa­do.

» No pa­pel. Con­for­me cer­ti­dão da Jun­ta Co­mer­ci­al do Es­ta­do de São Pau­lo (Ju­cesp) ob­ti­da pe­la Co­lu­na, Si­quei­ra foi ad­mi­ti­do co­mo só­cio em tal cor­re­to­ra di­as an­tes de ser em­pos­sa­do pre­si­den­te da Vi­a­ção Ita­pe­mi­rim, mas se re­ti­rou da so­ci­e­da­de em ju­lho des­te ano, ou se­ja, de­pois de as­si­nar o con­tra­to com o Gru­po Ita­pe­mi­rim. O exe­cu­ti­vo já ha­via si­do al­vo de re­cla­ma­ções por par­te de cre­do­res. Pro­cu­ra­do, o Gru­po Ita­pe­mi­rim não co­men­tou.

» To­dos jun­tos. O ban­co gaú­cho Agi­bank, que se­gue com pla­nos de lis­tar ações na Bol­sa, es­tá à pro­cu­ra de um no­vo só­cio em se­gu­ros. Atu­al­men­te, quem res­pon­de pe­lo ca­nal é a Too Se­gu­ros, do Ban­co Pan (ex-Pa­na­me­ri­ca­no), con­tro­la­do pe­lo BTG Pac­tu­al e a Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral. O ob­je­ti­vo do ban­co, que nas­ceu co­mo uma financeira em 1999, no Rio Gran­de do Sul, é ven­der o balcão pa­ra um no­vo player pa­ra ex­plo­rar as mais di­ver­sas áre­as de se­gu­ros co­mo au­to­mó­vel, vi­da, re­si­den­ci­al, en­tre ou­tros. Ao fim de ju­nho, o Agi­bank so­ma­va 1,2 mi­lhão de cli­en­tes. A es­tra­té­gia vai em li­nha com a de ou­tros ban­cos de ren­ta­bi­li­zar o balcão de se­gu­ros e, de que­bra, tur­bi­nar as re­cei­tas da sua cor­re­to­ra de se­gu­ros pró­pria. Pro­cu­ra­do, o Agi­bank con­fir­mou que es­tá à pro­cu­ra de no­vo só­cio.

» Tro­ca-tro­ca. Va­le lem­brar que a Cai­xa tam­bém es­tá ne­go­ci­an­do seu balcão de se­gu­ros, que tem a fran­ce­sa CNP As­su­ran­ces co­mo só­cia ex­clu­si­va. A CNP fi­ca­rá com os ra­mos de se­gu­ro de vi­da, pres­ta­mis­ta (atre­la­do a fi­nan­ci­a­men­tos) e pre­vi­dên­cia e ten­ta mais al­gum, mas te­rá de su­pe­rar a con­cor­rên­cia do mer­ca­do. As con­ver­sas en­tre os só­ci­os, aba­la­das pe­la mai­or cri­se di­plo­má­ti­ca que o Bra­sil já te­ve com a Fran­ça, co­me­çam a an­dar.

» Ti­me of Chan­ge. Os em­pre­gos no se­tor fi­nan­cei­ro po­dem ser os mais afe­ta­dos no cur­to pra­zo com a au­to­ma­ção, se­gun­do es­tu­do re­a­li­za­do pe­la PwC. O le­van­ta­men­to apon­ta que 30% das va­gas des­se se­tor po­dem es­tar em ris­co até o fim da dé­ca­da de 2020. Já no lon­go pra­zo, o se­tor de trans­por­te é o que de­ve so­frer os efei­tos. Nes­se ca­so, o es­tu­do glo­bal apon­ta que 50% dos pos­tos de tra­ba­lho po­dem ser au­to­ma­ti­za­dos até o meio da dé­ca­da de 2030.

» Con­tras­sen­so. Em­bo­ra exis­ta uma per­cep­ção ge­ne­ra­li­za­da de que es­tar em tí­tu­los pú­bli­cos é um mal ne­gó­cio atu­al­men­te, com a ta­xa Se­lic em fran­co mo­vi­men­to de que­da, os nú­me­ros têm mos­tra­do o con­trá­rio. No acu­mu­la­do de 2019 até agos­to, a ren­ta­bi­li­da­de do IMA-B, car­tei­ra teó­ri­ca com­pos­ta por NTN-B e tí­tu­los do Te­sou­ro re­mu­ne­ra­dos pe­lo IPCA, foi de 16,22%, su­pe­ran­do os 15% do Ibo­ves­pa, con­for­me es­tu­do da No­va Fu­tu­ra. Se o ce­ná­rio econô­mi­co bra­si­lei­ro con­ti­nu­ar sus­ten­tan­do a ten­dên­cia de Se­lic em bai­xa, é pro­vá­vel que es­se com­por­ta­men­to po­si­ti­vo dos tí­tu­los pú­bli­cos se man­te­nha. Os mai­o­res ris­cos vêm do ex­te­ri­or, já que a gu­er­ra co­mer­ci­al en­tre Es­ta­dos Uni­dos e Chi­na e pos­sí­vel re­du­ção do ju­ro ame­ri­ca­no afe­tam as ex­pec­ta­ti­vas pa­ra a Se­lic no Bra­sil.

» Lí­qui­do e cer­to. A B3 aca­ba de abrir um no­vo pro­gra­ma pa­ra se­le­ção de for­ma­dor de mer­ca­do, co­mo é cha­ma­do o agen­te que ga­ran­te li­qui­dez de ati­vos ne­go­ci­a­dos na Bol­sa. Mai­or do que a edi­ção do ano pas­sa­do, des­ta vez 89 ações, 15 fun­dos de ín­di­ce (ETFs, na si­gla em in­glês) e to­dos os BDRs, os re­ci­bos de ações de em­pre­sas es­tran­gei­ras ne­go­ci­a­dos no mer­ca­do bra­si­lei­ro (200), con­ta­rão com a pre­sen­ça do for­ma­dor de mer­ca­do.

» Pe­tit co­mi­té. Re­pre­sen­tan­tes dos ban­cos de fo­men­to da Amé­ri­ca La­ti­na se reu­ni­rão, pe­la pri­mei­ra vez, em en­con­tro mar­ca­do na se­de do Ban­co de De­sen­vol­vi­men­to de Mi­nas Ge­rais (BDMG), em Be­lo Ho­ri­zon­te, da­qui a du­as se­ma­nas. O ob­je­ti­vo do en­con­tro, que con­ta­rá com a pre­sen­ça de eco­no­mis­tas-che­fes das ins­ti­tui­ções, é a tro­ca de ex­pe­ri­ên­cia so­bre no­vas for­mas de cap­ta­ção des­ses ban­cos, em um mo­men­to em que os re­cur­sos vin­dos dos go­ver­nos es­tão a ca­da dia mais min­gua­dos.

TIAGO QU­EI­ROZ/ESTADÃO - 9/12/2010

FER­NAN­DA GUIMARAES/ESTADÃO

GA­BRI­E­LA BILO / ESTADAO-6/2/2018

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.