Após aqui­si­ção nos EUA, MRV po­de ace­le­rar in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção

Ape­sar de com­pra ter ge­ra­do te­mor de con­fli­to de in­te­res­ses, Me­nin diz que acor­do de­ve ini­ci­ar uma ‘plataforma mun­di­al’

O Estado de S. Paulo - - Economia - Cir­ce Bo­na­tel­li

A com­pra da cons­tru­to­ra AHS Re­si­den­ti­al, nos Es­ta­dos Uni­dos, po­de ser o pri­mei­ro pas­so pa­ra uma atu­a­ção glo­bal da MRV En­ge­nha­ria. “Pre­ten­de­mos ser uma plataforma mun­di­al de cons­tru­ção”, afir­mou o controlado­r do gru­po, Ru­bens Me­nin, em en­tre­vis­ta ao Estadão/Bro­ad­cast.

A MRV vai in­ves­tir US$ 236 mi­lhões (cer­ca de R$ 1 bi­lhão) pa­ra fi­car com 51% na AHS, em­pre­sa fun­da­da e con­tro­la­da por Me­nin. A me­di­da cau­sou des­con­fi­an­ça de aci­o­nis­tas, que vi­ram pos­sí­vel con­fli­to de in­te­res­ses. A ação fe­chou em que­da de mais de 6% no pre­gão de quar­ta-fei­ra, mas se re­cu­pe­rou on­tem, com al­ta de 0,79%.

On­tem, Me­nin con­vo­cou reu­nião com ana­lis­tas e in­ves­ti­do­res pa­ra ex­pli­car que a ope­ra­ção foi en­dos­sa­da por um co­mi­tê in­de­pen­den­te com qua­tro mem­bros e pe­lo con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção. Fal­ta ago­ra a apro­va­ção dos aci­o­nis­tas na as­sem­bleia mar­ca­da pa­ra 4 de ou­tu­bro. Qu­es­ti­o­na­do se vai vo­tar na as­sem­bleia, não quis co­men­tar. Me­nin de­tém 32,6% da MRV. É, por­tan­to, de­ci­si­vo em qual­quer de­li­be­ra­ção.

O exe­cu­ti­vo tam­bém res­sal­tou que to­dos os re­cur­sos in­ves­ti­dos na AHS vão pa­ra pro­je­tos. “Não es­tou bo­tan­do ne­nhum di­nhei­ro no bol­so. Tu­do es­tá en­tran­do na em­pre­sa”, dis­se.

Os atu­ais aci­o­nis­tas da AHS – Ru­bens Me­nin (95%) e o fun­do Sil­ver­pe­ak (5%) – não ven­de­rão ações, sen­do di­luí­das pa­ra 46,3% e 2,7%, res­pec­ti­va­men­te.

Os re­sul­ta­dos da AHS apa­re­ce­rão no ba­lan­ço da MRV já no quar­to tri­mes­tre. O in­ves­ti­men­to vi­rá de re­cur­sos pró­pri­os da MRV, que ti­nha R$ 2,5 bilhões em cai­xa no fim de ju­nho.

Apos­ta. Com a AHS, fun­da­da em 2012, Me­nin acre­di­ta que po­de ser com­pe­ti­ti­vo em um seg­men­to on­de diz ha­ver pou­ca con­cor­rên­cia: a cons­tru­ção de mo­ra­di­as pa­ra pes­so­as de clas­se mé­dia bai­xa nos EUA. Es­se seg­men­to, dis­se ele, é ho­je aten­di­do ape­nas por em­pre­sas re­gi­o­nais, sem es­ca­la.

Ao con­trá­rio da MRV, a AHS alu­ga os apar­ta­men­tos, em vez de ven­dê-los. A com­pa­nhia atua em to­do o ci­clo: com­pra de ter­re­nos, de­sen­vol­vi­men­to de pro­je­tos, cons­tru­ção, lo­ca­ção, ad­mi­nis­tra­ção dos pré­di­os e ven­da a fun­dos de in­ves­ti­men­to.

O pla­no pa­ra a AHS é am­pli­ar o port­fó­lio de apar­ta­men­tos sob ges­tão de 700 uni­da­des, em 2019, pa­ra 5 mil, em 2023, quan­do se con­cre­ti­za o no­vo ci­clo de in­ves­ti­men­tos. Além de Mi­a­mi, a pre­vi­são é ir pa­ra Atlan­ta, Dal­las, Hous­ton e Den­ver.

A ocu­pa­ção dos imó­veis, se­gun­do a AHS, é ho­je de 97% dos imó­veis e a ina­dim­plên­cia es­tá abai­xo de 1%. A re­cei­ta da com­pa­nhia com lo­ca­ções é de US$ 20 mi­lhões. A pre­vi­são é de fe­char o ano com lu­cro lí­qui­do de US$ 6 mi­lhões – re­sul­ta­do au­xi­li­a­do pe­la ven­da de um pré­dio a um fun­do de in­ves­ti­men­to.

Ape­sar do oti­mis­mo do em­pre­sá­rio, ana­lis­tas ain­da en­ten­dem que a em­prei­ta­da em­bu­te ris­cos. “Se o mer­ca­do lá é tão lu­cra­ti­vo, por que nin­guém fez is­so até ago­ra?”, ques­ti­o­nou um pro­fis­si­o­nal. Ou­tro ana­lis­ta te­me que a MRV pos­sa per­der o fo­co das ope­ra­ções na­ci­o­nais. “O mer­ca­do aqui es­tá cheio. Se de al­gu­ma for­ma per­de­rem o fo­co vão ser ul­tra­pas­sa­dos.”

WERTHER SAN­TA­NA/ESTADÃO - 5/11/2015

Fo­co. Me­nin, da MRV: ca­sas de clas­se mé­dia bai­xa nos EUA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.