Pe­ça mos­tra co­mo rir da fal­ta de afe­to

Te­a­tro. ‘Sim­ples As­sim’ re­fle­te, em dez ce­nas, o co­ti­di­a­no re­tra­ta­do com bom hu­mor e ter­nu­ra pe­la es­cri­to­ra Martha Me­dei­ros

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Ubi­ra­tan Bra­sil

O ân­co­ra de um te­le­jor­nal co­me­ça a ler as prin­ci­pais no­tí­ci­as do dia: mi­li­ta­res do Exér­ci­to dis­pa­ram mais de 80 ti­ros con­tra um car­ro, que le­va­va uma fa­mí­lia; se­gu­ran­ça ateia fo­go em cri­an­ças de cre­che – à me­di­da em que nar­ra uma quan­ti­da­de ab­sur­da de no­tí­ci­as ter­rí­veis, o apre­sen­ta­dor vai es­mo­re­cen­do, até de­sa­ba­far: “Che­guei no meu li­mi­te”. Nem mes­mo a in­ter­ven­ção de uma pro­du­to­ra o con­ven­ce a re­to­mar a obri­ga­ção. Epi­só­di­os co­mo es­se, de uma apa­ren­te ba­na­li­da­de, mas car­re­ga­dos de sim­bo­lis­mo, mar­cam o es­pe­tá­cu­lo Sim­ples As­sim, que es­treia ho­je, no Te­a­tro Frei Ca­ne­ca.

Tra­ta-se de um con­jun­to de dez ce­nas, ins­pi­ra­das na obra da cro­nis­ta Martha Me­dei­ros, que se en­car­re­gou de se­le­ci­o­nar os ca­sos e de adap­tá-los pa­ra o te­a­tro – ape­nas uma his­tó­ria foi cri­a­da por Ro­sa­ne Li­ma. “É jus­ta­men­te meu mo­men­to mais di­fí­cil no es­pe­tá­cu­lo: quan­do des­ço pa­ra a pla­teia e me re­la­ci­o­no com o pú­bli­co”, con­ta Ju­lia Lem­mertz, que di­vi­de o elen­co com Ge­or­gi­a­na Góes e Pe­dro­ca Mon­tei­ro. Ali, em meio aos es­pec­ta­do­res, ela vi­ve a mo­ça que so­fre de no­mo­fo­bia, ou se­ja, a cri­se pro­vo­ca­da pe­lo me­do ir­ra­ci­o­nal de fi­car sem o te­le­fo­ne ce­lu­lar. “Ela se­gue a ori­en­ta­ção do mé­di­co que, pa­ra com­pen­sar a au­sên­cia do apa­re­lho, acon­se­lhou que com­par­ti­lhas­se seus pro­ble­mas em pú­bli­co.”

A ce­na foi cri­a­da pa­ra dar tem­po e fa­ci­li­tar uma tro­ca de fi­gu­ri­no dos ou­tros dois ato­res. Is­so por­que, com ex­ce­ção de ape­nas um mo­men­to em que o trio se reú­ne, to­das os de­mais são sem­pre re­pre­sen­ta­dos em du­plas. “Martha se­le­ci­o­nou his­tó­ri­as

que, ape­sar de in­de­pen­den­tes, per­mi­ti­am a cri­a­ção de um la­ço en­tre elas, com um per­so­na­gem sem­pre se repetindo no qu­a­dro se­guin­te”, con­ta Ju­lia. “O que une as crô­ni­cas é um as­sun­to: fa­lar des­se mun­do tec­no­ló­gi­co que não in­cen­ti­va o con­ta­to pre­sen­ci­al.” De fa­to, os en­re­dos re­fle­tem so­bre o co­ti­di­a­no, co­mo sem­pre acon­te­ce com a es­cri­ta de Martha Me­dei­ros, que pro­vo­ca uma im­pres­si­o­nan­te iden­ti­da­de com seus lei­to­res.

Sim­ples As­sim se con­cen­tra nas re­la­ções in­ter­pes­so­ais que mar­cam o mun­do con­tem­po­râ­neo, mar­ca­do por um tem­po ace­le­ra­do e me­di­a­do por uma tec­no­lo­gia in­va­si­va e in­con­tor­ná­vel. No pal­co, des­pon­tam um ca­sal que ape­nas in­te­ra­ge pe­lo ce­lu­lar, uma mu­lher que con­tra­ta uma du­blê de si mes­ma e uma jo­vem que de­ci­de vi­a­jar pa­ra Mar­te e aban­do­nar o aman­te

“Tra­ze­mos o es­pí­ri­to meio es­qui­zo­frê­ni­co des­ta épo­ca. A vi­da é di­fí­cil, mas a sim­pli­ci­da­de sal­va. Cor­rup­tos exis­tem, mas eles na­da po­dem con­tra a mor­te. A tec­no­lo­gia nos do­mi­na, mas o amor se­gue im­pe­ri­o­so. Tu­do se en­tre­la­ça”, co­men­ta a es­cri­to­ra, no material de di­vul­ga­ção. “As ce­nas ex­plo­ram de­ta­lhes des­sas re­la­ções no co­ti­di­a­no, pro­cu­ran­do o que per­ma­ne­ce de hu­ma­no nos per­so­na­gens em meio a tan­tas trans­for­ma­ções.”

A for­ma de cons­tru­ção do tex­to cê­ni­co se ins­pi­rou em um li­vro clás­si­co, A Ron­da, do aus­tría­co Arthur Sch­nitz­ler – a par­tir de ce­nas apa­ren­te­men­te in­de­pen­den­tes, um per­so­na­gem é o elo ao sem­pre apa­re­cer no qu­a­dro se­guin­te. Tal es­tru­tu­ra mo­ti­vou Ro­sa­ne Li­ma, que co­la­bo­rou na adap­ta­ção dos tex­tos de Martha – o pon­to de par­ti­da da se­le­ção, aliás, fo­ram cer­ca de 200 crô­ni­cas. “A Ron­da foi es­cri­ta na vi­ra­da do sé­cu­lo 20, um pe­río­do de gran­des trans­for­ma­ções so­ci­ais, mo­rais, etc., pos­si­bi­li­tan­do uma ana­lo­gia atra­en­te com o mo­men­to atu­al. Na ci­ran­da de Sim­ples As­sim não sur­gem ape­nas ca­sais, co­mo na pe­ça de Sch­nitz­ler, mas tam­bém re­la­ções de ir­mãs, ami­gos, em­pre­ga­dos, o que, além de am­pli­ar o es­pec­tro de vi­são da pe­ça, con­tem­pla a va­ri­e­da­de e o al­can­ce das crô­ni­cas da Martha.”

O hu­mor foi o tom es­co­lhi­do pe­lo di­re­tor Er­nes­to Pic­co­lo na con­cep­ção do es­pe­tá­cu­lo. Pa­ra is­so, co­la­bo­ra o ta­len­to do elen­co, obri­ga­do a mu­dar de per­so­na­gem em se­gun­dos, ou se­ja, cri­an­do um no­vo ti­po to­tal­men­te di­fe­ren­te. “Em de­ter­mi­na­do mo­men­to, te­nho de fa­zer uma tro­ca de rou­pa em 50 se­gun­dos”, di­ver­te-se Ju­lia, aven­tu­ran­do-se pe­la pri­mei­ra vez em uma pe­ça no­ta­da­men­te hu­mo­rís­ti­ca.

“Fiz al­gu­mas par­ti­ci­pa­ções nos se­ri­a­do Os Nor­mais, mas não te­nho mui­tos tra­ba­lhos pau­ta­dos pe­lo hu­mor co­mo a Ge­or­gi­a­na e o Pe­dro­ca”, re­co­nhe­ce a atriz. “Mas, pa­ra fa­zer, eu me des­pi de um pu­dor e, ao en­ten­der a me­câ­ni­ca, per­mi­ti me sol­tar, usan­do, cla­ro, to­do meu re­per­tó­rio.”

VIC­TOR HU­GO

Ge­or­gi­a­na Góes e Ju­lia Lem­mertz. Elen­co re­tra­ta o des­con­for­to pro­vo­ca­do pe­la tec­no­lo­gia na re­la­ção en­tre as pes­so­as

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.