‘The Eco­no­mist’

Ro­bert Mu­ga­be, di­ta­dor do Zim­bá­bue, mor­re aos 95.

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal - TRA­DU­ÇÃO DE RO­BER­TO MUNIZ

Ele ti­nha sem­pre um li­vro na mão. Na­que­les pri­mei­ros e fe­li­zes anos co­mo lí­der do Zim­bá­bue, vol­ta­va pa­ra ca­sa às 17h30, ba­ten­do à por­ta pa­ra que sua ado­ra­da Sally sou­bes­se que ele ha­via che­ga­do. Os dois se sen­ta­vam abra­ça­dos nu­ma pol­tro­na bai­xa, ela co­men­do pu­dim de cre­me e ele be­be­ri­can­do chá. Com um bra­ço nos om­bros de­la, com a mão li­vre, ele vi­ra­va as pá­gi­nas de um ro­man­ce, ge­ral­men­te in­glês, fre­quen­te­men­te de Graham Gre­e­ne.

Ro­bert Mu­ga­be se da­va bem com as pa­la­vras es­cri­tas. Com as pes­so­as, me­nos. Ga­ro­to tí­mi­do e ar­re­dio, ele não ti­nha ami­gos em Ku­ta­ma, sua ci­da­de­zi­nha. Mais tar­de, ad­mi­ti­ria: “Eu vi­via fe­cha­do em mim mes­mo. Gos­ta­va de fa­lar so­zi­nho, ler em voz al­ta, re­ci­tar pe­que­nos po­e­mas, coi­sas as­sim”. So­li­tá­rio, de­tes­ta­va as rui­do­sas brin­ca­dei­ras com ami­gos e a vi­da co­mu­ni­tá­ria em ge­ral. Um ir­mão, Do­na­to, acha­va-o “um pre­gui­ço­so que só lia o tem­po to­do”. Até na po­ei­ra, reu­nin­do o ga­do, ele lia. “Le­va­va o li­vro em uma mão e o chi­co­te na ou­tra. To­dos nós o achá­va­mos es­tra­nho”, re­lem­brou Do­na­to.

O pa­dre ir­lan­dês da mis­são ca­tó­li­ca de São Fran­cis­co Xa­vi­er, em Ku­ta­ma, dis­se à mãe de Ro­bert que ele ti­nha “um sen­so de res­pon­sa­bi­li­da­de incomum” e um dia se­ria “al­guém im­por­tan­te”. Ro­bert ia à mis­sa di­a­ri­a­men­te, prin­ci­pal­men­te após seu ir­mão mais ve­lho, Mi­cha­el, mor­rer en­ve­ne­na­do por ami­do de mi­lho. Ele se tor­nou pro­fes­sor. Pri­mei­ro na Ro­dé­sia do Sul (colô­nia bri­tâ­ni­ca que deu ori­gem ao atu­al Zim­bá­bue), de­pois em Fort Ha­re, Áfri­ca do Sul (um ce­lei­ro de lí­de­res na­ci­o­na­lis­tas afri­ca­nos), e por úl­ti­mo em Ga­na, on­de co­nhe­ceu Sally.

Co­mo na­ci­o­na­lis­ta afri­ca­no na Ro­dé­sia, go­ver­na­da por Ian Smith em no­me dos su­pre­ma­cis­tas bran­cos, a pri­são tor­nou-se ine­vi­tá­vel. Pas­sou 11 anos atrás das gra­des por se opor ao do­mí­nio da mi­no­ria bran­ca – “um pe­da­ço de mi­nha vi­da rou­ba­do”. Na ca­deia, bus­cou for­ça nos li­vros. Es­tu­dou. A pri­são, co­mo fez com Man­de­la, Nkru­mah e Kenyat­ta, con­fe­riu­lhe cre­di­bi­li­da­de po­lí­ti­ca. Em Moçambique,

após sua li­ber­ta­ção, en­quan­to os com­pa­nhei­ros de lu­ta pe­la li­ber­da­de usa­vam rou­pas de ca­mu­fla­gem, ele su­a­va den­tro de um ter­no.

Atra­vés da vi­da, seus ri­vais às ve­zes ti­nham mor­te sú­bi­ta. Car­ros eram es­ma­ga­dos por ca­mi­nhões em es­tra­das de­ser­tas; ca­sas de fa­zen­da eram de­vo­ra­das pe­las cha­mas; opo­nen­tes pas­sa­ram a te­mer ja­ne­las al­tas. Pou­cos gos­ta­vam de­le. Os bri­tâ­ni­cos o es­no­ba­vam. Em Lan­cas­ter Hou­se, Lon­dres, em meio a dis­cus­sões so­bre in­de­pen­dên­cia e elei­ções, o se­cre­tá­rio do Ex­te­ri­or bri­tâ­ni­co o des­cre­veu co­mo “rep­ti­li­a­no, não hu­ma­no”.

Vi­tó­ria. Já seus elei­to­res pen­sa­vam de mo­do di­fe­ren­te. Ele te­ve uma vi­tó­ria le­gí­ti­ma e ar­ra­sa­do­ra nas pri­mei­ras elei­ções li­vres do país, em 1980. Pa­ra es­pan­to e alí­vio de Smith e dos fa­zen­dei­ros bran­cos, Mu­ga­be os dei­xou fi­car e man­ter su­as ter­ras, des­de que se abs­ti­ves­sem de fa­zer po­lí­ti­ca.

Sua for­ma­ção de pro­fes­sor veio à to­na. Os zim­ba­bu­a­nos es­ta­vam en­tre os po­vos mais edu­ca­dos da Áfri­ca e, nas noi­tes na Sta­te Hou­se (re­si­dên­cia ofi­ci­al do go­ver­nan­te), via-se Mu­ga­be dan­do pes­so­al­men­te au­las aos em­pre­ga­dos.

Ele res­pon­sa­bi­li­zou o Rei­no Uni­do por to­dos seus in­for­tú­ni­os, in­cluin­do o com­ple­to co­lap­so econô­mi­co a que ele le­vou o país na pri­mei­ra dé­ca­da des­te sé­cu­lo. A in­fla­ção foi a 500 tri­lhões%. Uma ge­ra­ção de zim­ba­bu­a­nos fu­giu do país. Se­gun­do ele, os bri­tâ­ni­cos não cum­pri­ram a pa­la­vra de pa­gar pe­la re­for­ma agrá­ria. Mes­mo as­sim, Mu­ga­be era fas­ci­na­do pe­la In­gla­ter­ra – com­pras na Sa­vi­le Row, crí­que­te, chás com “Johnny” Ma­jor, elo­gi­os à rai­nha.

Mas, ape­sar de to­dos os li­vros li­dos, ele nun­ca dei­xou de es­ta­lar o chi­co­te. No iní­cio dos anos 80, re­cor­reu à Co­reia do Nor­te pa­ra trei­nar sol­da­dos pa­ra es­ma­gar a prin­ci­pal mi­no­ria tri­bal do país, os nde­be­les. Ele ad­mi­tiu que su­as for­ças co­me­te­ram “al­guns ex­ces­sos” quan­do po­vo­a­dos in­tei­ros fo­ram quei­ma­dos. Mas dis­se que era um ho­mem do per­dão – “do con­trá­rio, te­ria es­quar­te­ja­do mui­ta gen­te”. Mas o me­do de ser pro­ces­sa­do por cri­mes con­tra a hu­ma­ni­da­de po­de tê-lo en­co­ra­ja­do a se agar­rar ao po­der.

Seu go­ver­no se tor­nou mais vi­sa­do, pos­si­vel­men­te por­que Sally ha­via mor­ri­do e si­do subs­ti­tuí­da por Gra­ce, uma ex-se­cre­tá­ria ain­da mais ávi­da por com­pras e pe­lo po­der po­lí­ti­co. Os opo­nen­tes, an­tes co­op­ta­dos, pas­sa­ram a ser es­ma­ga­dos. Jo­vens ca­pan­gas in­fer­ni­za­vam fa­zen­dei­ros bran­cos to­man­do su­as ter­ras. Co­mo eco­no­mia agrí­co­la, o Zim­bá­bue de­sa­bou.

Mu­ga­be nun­ca con­si­de­rou que o ca­os de seu país hou­ves­se vi­ra­do tragédia. Pa­ra ele, tu­do se de­via a in­tro­mis­sões ex­ter­nas ou a trai­ço­ei­ras ame­a­ças de ri­vais. O Exér­ci­to e uma Or­ga­ni­za­ção Cen­tral de In­te­li­gên­cia ga­ran­ti­am sua per­ma­nên­cia no po­der – frau­dan­do elei­ções, ma­tan­do opo­si­to­res, fe­chan­do jor­nais e apa­vo­ran­do uma ge­ra­ção de zim­ba­bu­a­nos bri­lhan­tes e to­le­ran­tes que po­de­ri­am ter se tor­na­do lí­de­res afri­ca­nos. O po­vo mor­ria de fo­me, aids, có­le­ra e de­ses­pe­ro. Mas to­do ano Mu­ga­be da­va uma ge­ne­ro­sa fes­ta pú­bli­ca pa­ra co­me­mo­rar seu ani­ver­sá­rio, mos­tran­do-se ra­di­an­te co­mo um ga­ro­to en­quan­to cor­ta­va um enor­me bo­lo.

No fim, foi a de­mis­são e a fu­ga do lu­gar-te­nen­te em que mais con­fi­a­va, Em­mer­son Mnan­gagwa, que le­vou a sua que­da, em 2017. O Exér­ci­to con­cen­trou-se em Ha­ra­re. Os ge­ne­rais in­sis­ti­am em que não se tra­ta­va de um gol­pe, pre­fe­rin­do di­zer que es­ta­vam li­dan­do com “trai­do­res”. No de­vi­do tem­po, pu­se­ram Mnan­gagwa co­mo pre­si­den­te.

Quan­do lhe per­gun­ta­vam por que as pes­so­as o te­mi­am, Mu­ga­be di­zia que tal­vez fos­se por ser “qui­e­to e acre­di­tar no que di­go”. Já bem en­tra­do nos 80, quan­do The Eco­no­mist lhe per­gun­tou quan­do se apo­sen­ta­ria, ele riu e res­pon­deu que go­ver­na­ria “até che­gar aos 100 anos”. Pa­ra o Zim­bá­bue, a tragédia foi o quão per­to ele che­gou de cum­prir a pro­mes­sa.

ALE­XAN­DER JOE / 29/6/2008

Ex­ces­sos. Mu­ga­be se afer­rou à pre­si­dên­cia e a seus be­ne­fí­ci­os, co­mo o de co­nhe­cer pes­so­as im­por­tan­tes co­mo Lady Di, Man­de­la e Bill Clin­ton, en­quan­to seu po­vo mor­ria de fo­me

GREG GIBSON/AP - 18/5/1995

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.