Mor­rer de amor

O Estado de S. Paulo - - Metrópole - E-MAIL: fer­nan­[email protected] É BIÓLOGO

Mor­rer de amor não é uma ex­pe­ri­ên­cia to­tal­men­te es­tra­nha ao ser hu­ma­no. Quem foi in­fec­ta­do por uma gran­de pai­xão sa­be. São noi­tes in­ter­mi­ná­veis de se­xo inin­ter­rup­to, in­ti­mi­da­des, lon­gas con­ver­sas en­tre­me­a­das por so­ne­cas pro­fun­das e pou­co de ali­men­to. Ge­ral­men­te re­sul­tam em per­da de pe­so, uma pros­tra­ção de­li­ci­o­sa e um des­li­ga­men­to da re­a­li­da­de que po­de du­rar se­ma­nas.

A bi­o­lo­gia por trás des­se es­ta­do fí­si­co e men­tal é pou­co co­nhe­ci­da, mas sua fun­ção é cla­ra: ga­ran­tir o nas­ci­men­to da pró­xi­ma ge­ra­ção e a for­ma­ção de um la­ço afe­ti­vo ca­paz de au­men­tar as chan­ces de so­bre­vi­vên­cia da pro­le. A lua-de-mel é o es­pa­ço cri­a­do há sé­cu­los pa­ra per­mi­tir

que es­se es­ta­do fí­si­co e men­tal pu­des­se ser vi­vi­do sem as in­ter­fe­rên­ci­as do co­ti­di­a­no. Cla­ro que tu­do is­so mui­tas ve­zes da­va er­ra­do, co­mo con­ti­nua a dar até ho­je. Mas es­sa é uma par­te im­por­tan­te de nos­so ci­clo re­pro­du­ti­vo.

O in­te­res­san­te é que exis­tem ma­mí­fe­ros em que es­se com­por­ta­men­to é le­va­do ao ex­tre­mo, e os ani­mais sim­ples­men­te mor­rem ao fim da pai­xão. É o ca­so de um mar­su­pi­al que vi­ve nos de­ser­tos do no­ro­es­te da Aus­trá­lia, cha­ma­do Dasy­ka­lu­ta ro­sa­mon­dae. Os ma­chos vi­vem um ano. Após sair da bol­sa da mãe, ra­pi­da­men­te atin­gem seu ta­ma­nho fi­nal e, a par­tir des­se mo­men­to, seus tes­tí­cu­los cres­cem e a pro­du­ção de es­per­ma­to­zoi­des é al­tís­si­ma. Es­ses es­per­ma­to­zoi­des são es­to­ca­dos, uma vez que ele não tem re­la­ções se­xu­ais. Após al­guns me­ses, uma al­te­ra­ção hor­mo­nal pro­vo­ca in­ter­rup­ção da pro­du­ção e o ani­mal, que era dó­cil, se tor­na aris­co por du­as se­ma­nas.

Aí che­ga a úl­ti­ma se­ma­na do in­ver­no e a pri­mei­ra da pri­ma­ve­ra. To­das as fê­me­as en­tram no cio si­mul­ta­ne­a­men­te e se ini­cia uma fa­se de in­ten­sa ati­vi­da­de se­xu­al. Os ma­chos pas­sam du­as se­ma­nas co­pu­lan­do até 14 ho­ras por dia. Múl­ti­plos ma­chos co­pu­lam com ca­da fê­mea e ca­da ma­cho co­pu­la com inú­me­ras fê­me­as. Nes­se pe­río­do, os ani­mais não se ali­men­tam e se de­di­cam ape­nas ao se­xo. Or­gia de­sen­fre­a­da.

Ao fim, os ma­chos es­tão exaus­tos, lar­ga­dos por to­dos os la­dos, sub­nu­tri­dos. O es­tres­se cau­sa­do por es­sa ati­vi­da­de fre­né­ti­ca e pe­los al­tos ní­veis de cor­ti­sol no san­gue faz com que eles co­me­cem a ter he­mor­ra­gi­as no estô­ma­go (al­go se­me­lhan­te a úl­ce­ras) e no in­tes­ti­no, que aca­bam le­van­do to­dos – sim, to­dos – os ma­chos à mor­te em al­guns di­as. Uma se­ma­na de­pois, to­da a po­pu­la­ção é cons­ti­tuí­da por fê­me­as.

Tes­tes de pa­ter­ni­da­de mos­tram que em pra­ti­ca­men­te to­das as fê­me­as os 4 a 8 fi­lho­tes são de di­fe­ren­tes pais. Du­ran­te as du­as se­ma­nas de pai­xão de­sen­fre­a­da, as fê­me­as es­to­cam o sê­men dos di­fe­ren­tes ma­chos em uma es­pé­cie de sa­qui­nho on­de os es­per­ma­to­zoi­des se mis­tu­ram e são usa­dos pa­ra fe­cun­dar os óvu­los. En­quan­to os ma­chos du­ram só um ano e um ci­clo re­pro­du­ti­vo, as fê­me­as vi­vem al­guns anos des­fru­tan­do de uma no­va ge­ra­ção de ma­chos lou­ca e mor­tal­men­te apai­xo­na­da.

Ci­en­tis­tas acre­di­tam que es­se com­por­ta­men­to sur­giu pe­las con­di­ções cli­má­ti­cas no de­ser­to. Nes­se am­bi­en­te há um pe­río­do mui­to cur­to (al­gu­mas se­ma­nas) em que o ali­men­to é su­fi­ci­en­te­men­te abun­dan­te. Is­so le­vou as fê­me­as a en­trar no cio e ovu­lar ao mes­mo tem­po. Pa­ra elas é es­sen­ci­al que fi­quem pre­nhes quan­do o ali­men­to es­tá dis­po­ní­vel e a es­tra­té­gia é co­pu­lar com mui­tos ma­chos. Pa­ra os ma­chos a úni­ca chan­ce de pas­sar adi­an­te seus ge­nes é co­pu­lar nes­sas du­as se­ma­nas. É tu­do ou na­da! Co­mo is­so va­le pa­ra to­dos, sur­ge a com­pe­ti­ção lou­ca en­tre eles, to­dos ten­tan­do es­pa­lhar pe­lo mai­or nú­me­ro de va­gi­nas a enor­me quan­ti­da­de de es­per­ma­to­zoi­des que pro­du­zi­ram. A ne­ces­si­da­de de re­pro­du­zir é tão for­te que va­le a pe­na gas­tar to­das as ener­gi­as nas du­as se­ma­nas e de­pois mor­rer de exaus­tão.

Es­se com­por­ta­men­to de­mons­tra co­mo o ins­tin­to re­pro­du­ti­vo é for­te. No nos­so ca­so é tão for­te quan­to, mas as fê­me­as “es­con­dem” seu pe­río­do fér­til (pra­ti­ca­men­te não exis­te cio). Co­mo as fê­me­as hu­ma­nas pos­su­em 12 pe­río­dos fér­teis ao lon­go do ano, e acei­tam co­pu­lar mes­mo fo­ra do pe­río­do fér­til, a es­tra­té­gia dos ma­chos é di­fe­ren­te. Ima­gi­ne se to­das as mu­lhe­res do pla­ne­ta só co­pu­las­sem du­ran­te uma se­ma­na por ano. Se­ria uma se­ma­na de lou­cu­ra que dei­xa­ria o car­na­val no chi­ne­lo.

Mar­su­pi­al da Aus­trá­lia não so­bre­vi­ve após du­as se­ma­nas de or­gia de­sen­fre­a­da

MAIS IN­FOR­MA­ÇÕES: MALE SEMELPARIT­Y AND MULTIPLE PATERNITY CONFIRMED IN AN ARID-ZONE DASYURID. JOUR­NAL OF ZOOLOGY HTTPS://DOI.ORG/10.1111/JZO.12672 2019

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.