Ca­dê o em­pre­go?

O Estado de S. Paulo - - Economia - ADRI­A­NA FER­NAN­DES E-MAIL: ADRI­A­NA.FER­NAN­[email protected] ADRI­A­NA FER­NAN­DES ES­CRE­VE AOS SÁ­BA­DOS É JOR­NA­LIS­TA

Omi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Guedes, deu um ba­nho de água fria em quem es­pe­ra­va pa­ra lo­go o lan­ça­men­to do pa­co­te de me­di­das pa­ra com­ba­ter o de­sem­pre­go. No Rio de Ja­nei­ro, Guedes de­cla­rou on­tem que o pa­co­te de in­cen­ti­vos pa­ra o em­pre­go “é bem pa­ra fren­te”.

As me­di­das em es­tu­do já fo­ram apre­sen­ta­das pa­ra a Ca­sa Ci­vil e um gru­po de em­pre­sá­ri­os e ban­quei­ros. O que se con­ta­va ago­ra era que o mi­nis­tro des­se si­nal ver­de pa­ra aci­o­ná-las ime­di­a­ta­men­te di­an­te da cri­se es­tru­tu­ral de em­pre­go no Bra­sil.

Ain­da fal­ta tra­ba­lho no País pa­ra 28,10 mi­lhões de pes­so­as. O to­tal de tra­ba­lha­do­res in­for­mais al­can­çou o pa­ta­mar re­cor­de de 38,683 mi­lhões

em agos­to, o equi­va­len­te a mais de 40% da po­pu­la­ção ocu­pa­da.

Di­an­te da de­mo­ra anun­ci­a­da, fi­cam al­gu­mas per­gun­tas no ar: Guedes não gos­tou das pro­pos­tas que seus au­xi­li­a­res de­se­nha­ram? Tem dú­vi­da da ho­ra cer­ta de fa­zer o lan­ça­men­to? O mi­nis­tro es­tá ti­tu­be­an­do? Por que es­pe­rar mais pa­ra bo­tar o blo­co na rua?

Há um evi­den­te des­com­pas­so não re­sol­vi­do na ca­be­ça do mi­nis­tro so­bre o al­can­ce das me­di­das pa­ra o em­pre­go, al­gu­mas mais li­be­ra­li­zan­tes do que as ou­tras e de di­fí­cil im­ple­men­ta­ção.

Mas es­tá ca­da vez mais cla­ro que o que re­tar­da a de­ci­são do mi­nis­tro é a dú­vi­da so­bre co­mo fa­zer a de­so­ne­ra­ção da fo­lha de pa­ga­men­tos das em­pre­sas – pro­mes­sa da cam­pa­nha elei­to­ral.

O ca­mi­nho via com­pen­sa­ção da de­so­ne­ra­ção com a cri­a­ção de no­vo im­pos­to na re­for­ma tri­bu­tá­ria, nos mol­des da ex­tin­ta CPMF, traz ris­cos fis­cais e tem re­jei­ção do Con­gres­so e da so­ci­e­da­de. Ou­tro obs­tá­cu­lo a ser ven­ci­do é a re­jei­ção do pre­si­den­te Bolsonaro à re­cri­a­ção da CPMF.

Guedes não po­de po­li­ti­ca­men­te apre­sen­tar uma pro­pos­ta de re­for­ma tri­bu­tá­ria, com a no­va CPMF, que já che­ga­ria ao Con­gres­so der­ro­ta­da. Só vai le­var adi­an­te, se ti­ver chan­ce re­al de ser apro­va­da. Ain­da não tem. Por is­so, a de­mo­ra pa­ra en­vi­ar o pro­je­to de re­for­ma tri­bu­tá­ria.

O mi­nis­tro, que tem me­do de per­der ar­re­ca­da­ção com a de­so­ne­ra­ção, po­de op­tar an­tes em abrir o ca­mi­nho de for­ma mais gra­du­al. Uma das pro­pos­tas apre­sen­ta­das a ele é de­so­bri­gar as em­pre­sas de pa­ga­rem im­pos­tos so­bre a fo­lha de pa­ga­men­to na con­tra­ta­ção de jo­vens e pes­so­as que es­tão sem car­tei­ra as­si­na­da há mais de dois anos. A pro­pos­ta é que a de­so­ne­ra­ção se­ja ban­ca­da com re­cur­sos do Sis­te­ma S. Um pas­so ini­ci­al que es­tá no le­que de me­di­das pa­ra es­ti­mu­lar o em­pre­go.

Da tran­si­ção de go­ver­no até ago­ra, já se pas­sa­ram mais de dez me­ses. Já deu tem­po pa­ra o go­ver­no ela­bo­rar um pla­no de ação. Na­da nes­se mo­men­to po­de ser mais im­por­tan­te e ur­gen­te do que o en­fren­ta­men­to do que o pon­tu­al do pro­ble­ma do de­sem­pre­go.

A re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, apon­ta­da co­mo es­sen­ci­al pa­ra a re­cu­pe­ra­ção da eco­no­mia, já es­tá pró­xi­ma de ser apro­va­da. A pro­mes­sa da equi­pe econô­mi­ca era de que lo­go após a apro­va­ção na Câ­ma­ra as me­di­das pa­ra es­ti­mu­lar re­to­ma­da se­ri­am aci­o­na­das. O que se viu até ago­ra é a área econô­mi­ca en­ro­la­da até o pes­co­ço com os pro­ble­mas de ges­tão do Or­ça­men­to e a ne­go­ci­a­ção das mu­dan­ças das re­gras fis­cais.

Os ga­ti­lhos são os me­ca­nis­mos que per­mi­tem ao go­ver­no re­du­zir des­pe­sas obri­ga­tó­ri­as, en­tre os quais suspender au­men­tos sa­la­ri­ais dos ser­vi­do­res, con­ce­der be­ne­fí­ci­os e dar re­a­jus­tes de des­pe­sas aci­ma da in­fla­ção, in­clu­si­ve do sa­lá­rio mí­ni­mo.

A co­lu­na já ha­via apon­ta­do que boa par­te da agen­da econô­mi­ca do se­gun­do se­mes­tre se­ria vol­ta­da a ar­ru­mar so­lu­ções pa­ra blo­queio for­te de qua­se R$ 34 bi­lhões es­se ano, que pro­mo­ve um qua­se “apa­gão” da má­qui­na es­se ano.

Pa­ra 2020, o pro­ble­ma é mai­or ain­da com pro­je­to de Or­ça­men­to aper­ta­do por con­ta das res­tri­ções im­pos­tas do te­to de gas­to. Ele po­de não ser cum­pri­do no ano que vem e abriu uma pres­são den­tro do go­ver­no pa­ra sua fle­xi­bi­li­za­ção.

Bolsonaro apoi­ou ini­ci­al­men­te a mu­dan­ça do te­to, po­si­ção que foi re­vis­ta após con­ver­sa com Guedes. De­pois do vai­vém, o que se viu de ver­da­de são os si­nais de im­pa­ci­ên­cia do pre­si­den­te com a fal­ta de re­cur­sos e a de­mo­ra da equi­pe econô­mi­ca em apre­sen­tar so­lu­ções.

O pre­si­den­te e seus ali­a­dos mais pró­xi­mos es­tão an­gus­ti­a­dos com a de­mo­ra da re­to­ma­da do em­pre­go. Os des­do­bra­men­tos des­sa an­gús­tia cres­cen­te na agen­da da equi­pe econô­mi­ca, por ora, são uma in­cóg­ni­ta.

Há um des­com­pas­so na ca­be­ça de Guedes so­bre o al­can­ce das me­di­das pa­ra o em­pre­go

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.