Bra­des­co re­duz pro­je­ção do PIB pa­ra 1,9% em 2020

Pa­ra eco­no­mis­ta-che­fe do ban­co, re­vi­são da ati­vi­da­de econô­mi­ca tem ‘100% a ver’ com ce­ná­rio ex­ter­no: ins­ti­tui­ção corta pre­vi­são pa­ra Se­lic

O Estado de S. Paulo - - Economia - Fran­cis­co Car­los de As­sis Al­ta­mi­ro Sil­va Junior

O Bra­des­co man­te­ve a pro­je­ção de cres­ci­men­to do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) do Bra­sil em 0,8% es­te ano e re­du­ziu a es­ti­ma­ti­va pa­ra 2020, de 2,2% pa­ra 1,9%. A re­vi­são do PIB tem “100% a ver” com o ce­ná­rio ex­ter­no, que es­tá fi­can­do mais de­sa­fi­a­dor, afir­mou o eco­no­mis­ta-che­fe do Bra­des­co, Fer­nan­do Ho­no­ra­to Barbosa.

Barbosa ava­lia que a Ar­gen­ti­na vai se­guir com a eco­no­mia com­pli­ca­da e se­rá um fa­tor ne­ga­ti­vo pa­ra a ati­vi­da­de do Bra­sil nos pró­xi­mos dois anos. “A Ar­gen­ti­na não vai aju­dar o Bra­sil a cres­cer.”

A pre­vi­são do ban­co é de con­tra­ção de 1% do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) do país vi­zi­nho, an­te cres­ci­men­to es­tá­vel pre­vis­to an­te­ri­or­men­te. A vol­ta ao cres­ci­men­to po­si­ti­vo vai de­pen­der da agen­da de me­di­das do pró­xi­mo pre­si­den­te, dis­se on­tem o eco­no­mis­ta a jor­na­lis­tas.

Pa­ra a re­la­ção en­tre Es­ta­dos Uni­dos e Chi­na, a ava­li­a­ção do Bra­des­co é que o qua­dro de mai­or ten­são po­de ser mais per­ma­nen­te do que tem­po­rá­rio, pois não se li­mi­ta à ques­tão co­mer­ci­al. “A Chi­na es­tá dis­pos­ta a re­pen­sar seu mo­de­lo, mas no rit­mo de­la”, dis­se a eco­no­mis­ta do Bra­des­co, Fa­bi­a­na D’Atri. “A guer­ra co­mer­ci­al en­tre EUA e Chi­na vai mui­to além de discussão so­bre ta­ri­fas.”

“A Chi­na vai se man­ter for­te nas ne­go­ci­a­ções”, afir­mou ela, des­ta­can­do que Pe­quim con­cor­dou em se reu­nir com os EUA em ou­tu­bro, mas ao mes­mo tem­po re­cor­reu à Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Co­mér­cio (OMC). “A Chi­na tem em men­te que a discussão com os EUA é de lon­ga da­ta e en­vol­ve trans­fe­rên­cia tec­no­ló­gi­ca.”

A pre­vi­são do Bra­des­co é de de­sa­ce­le­ra­ção da eco­no­mia chi­ne­sa, que de­ve cres­cer 5,8% em 2020 e há ce­ná­ri­os de que es­se nú­me­ro po­de con­ver­gir pa­ra per­to de 5% mais à fren­te. Uma de­sa­ce­le­ra­ção da ex­pan­são chi­ne­sa tem im­pac­to im­por­tan­te pa­ra to­da a eco­no­mia mun­di­al, dis­se ela.

O Bra­des­co re­du­ziu tam­bém a pre­vi­são pa­ra a ta­xa bá­si­ca de ju­ros, a Se­lic, de 5% pa­ra 4,75% es­te ano, ní­vel que de­ve ser man­ti­do até o fim de 2020. “Se a eco­no­mia não cres­ce e com in­fla­ção es­tan­do abai­xo da me­ta, não há por que não re­du­zir ju­ro, dis­se Barbosa.

No câm­bio, a ex­pec­ta­ti­va é de dó­lar mais for­te es­te ano, com es­ti­ma­ti­va su­bin­do de R$ 3,80 pa­ra R$ 4,00. Pa­ra 2020, a es­ti­ma­ti­va foi man­ti­da em R$ 3,80.

In­ves­ti­men­tos. Barbosa dis­se que a va­riá­vel que fal­ta pa­ra in­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros en­tra­rem no País é um mai­or cres­ci­men­to da eco­no­mia. “O Bra­sil não tem PIB pa­ra mos­trar ao in­ves­ti­dor es­tran­gei­ro”, afir­mou. O eco­no­mis­ta ex­pli­cou que o Bra­sil per­deu ao re­dor de US$ 50 bi­lhões nos úl­ti­mos me­ses de re­cur­sos ex­ter­nos. Uma das ex­pli­ca­ções é que mui­tas em­pre­sas pas­sa­ram a tro­car dí­vi­da ex­ter­na por dí­vi­da em re­al, por con­ta dos cus­tos atra­ti­vos de cap­tar re­cur­sos no mer­ca­do de ca­pi­tais bra­si­lei­ro. Ou­tro fa­tor é a re­du­ção do di­fe­ren­ci­al de ju­ros en­tre o Bra­sil e os mer­ca­dos de­sen­vol­vi­dos. Um ter­cei­ro fa­tor que ain­da pe­sa é o fa­to de o Bra­sil não ser mais clas­si­fi­ca­do co­mo grau de in­ves­ti­men­to.

Per­gun­ta­do so­bre os ju­ros al­tos no cré­di­to ban­cá­rio, o eco­no­mis­ta dis­se que mo­da­li­da­des co­mo car­tão de cré­di­to e che­que es­pe­ci­al têm ta­xas ele­va­das por­que são mo­da­li­da­des sem ga­ran­tia. “Quem re­cor­re ao car­tão e ao che­que es­pe­ci­al é por­que te­ve pro­ble­mas fi­nan­cei­ros”, dis­se.

Ho­no­ra­to res­sal­tou que não há bar­rei­ra de en­tra­da a ban­cos es­tran­gei­ros no País, em­bo­ra a le­gis­la­ção do se­tor se­ja com­ple­xa. Uma das evi­dên­ci­as de que não é que o Bra­sil já atraiu uma sé­rie de ban­cos de fo­ra, que fi­ca­ram ou não no País de­pen­den­do de su­as es­tra­té­gi­as. “Não se­rá a mai­or con­cen­tra­ção ban­cá­ria que vai im­pe­dir os ju­ros de caí­rem”, afir­mou.

“O po­ten­ci­al pa­ra cres­cer cré­di­to no Bra­sil nos pró­xi­mos anos é enor­me se man­ti­ver­mos os ju­ros bai­xos”, dis­se, res­sal­tan­do que o País pas­sa por uma tran­si­ção de po­lí­ti­ca econô­mi­ca, com ajus­te fis­cal e se­tor pri­va­do ga­nhan­do mai­or pro­ta­go­nis­mo.

JF DIORIO/ESTADÃO-14/5/2019

PIB. Barbosa vê vol­ta do in­ves­ti­dor só com cres­ci­men­to

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.