Mer­co­sul e a pro­mes­sa do li­vre-co­mér­cio

O Estado de S. Paulo - - Economia - Wel­ber Bar­ral É CON­SUL­TOR EM CO­MÉR­CIO IN­TER­NA­CI­O­NAL (BMJ CON­SUL­TO­RES)

Ano­tí­cia do Acor­do Au­to­mo­ti­vo en­tre Ar­gen­ti­na e Bra­sil, fir­ma­do es­ta se­ma­na, não che­ga a ser gran­de no­vi­da­de no his­tó­ri­co do Mer­co­sul. No no­vo tex­to, es­tá pre­vis­ta a li­be­ra­li­za­ção do co­mér­cio no se­tor em dez anos, man­ten­do-se o de­no­mi­na­do sis­te­ma flex, que re­ge o co­mér­cio ad­mi­nis­tra­do no se­tor au­to­mo­ti­vo.

En­ten­der es­sas re­gras pres­su­põe co­nhe­cer o his­tó­ri­co do co­mér­cio au­to­mo­ti­vo no Mer­co­sul, que sem­pre foi uma ex­ce­ção às re­gras ge­rais de ta­ri­fa ze­ro e ta­ri­fa ex­ter­na co­mum. Jun­to com o se­tor açu­ca­rei­ro, o se­tor au­to­mo­ti­vo é a gran­de ex­ce­ção no pro­ces­so de con­so­li­da­ção de um mer­ca­do co­mum. Tão ex­cep­ci­o­nal que nem se­quer há uma re­gra re­gi­o­nal, e a au­to­ri­za­ção de co­mér­cio – li­mi­ta­da por co­tas e nor­mas tem­po­rá­ri­as – é de­ter­mi­na­da por acor­dos bi­la­te­rais.

O his­tó­ri­co de ex­cep­ci­o­na­li­da­de re­fle­te tam­bém a re­le­vân­cia do se­tor pa­ra os paí­ses do Mer­co­sul. O se­tor au­to­mo­ti­vo re­pre­sen­ta tra­di­ci­o­nal­men­te mais de 40% do co­mér­cio bi­la­te­ral en­tre Ar­gen­ti­na e Bra­sil. Es­sa in­dús­tria tem tam­bém enor­me im­pac­to nas ca­dei­as in­dus­tri­ais dos dois paí­ses, o que aju­da a ex­pli­car por­que sua li­be­ra­li­za­ção é sem­pre pos­ter­ga­da, co­mo for­ma de pro­te­ger os in­ves­ti­men­tos re­a­li­za­dos lo­cal­men­te.

A ou­tra gran­de ex­ce­ção no Mer­co­sul é o se­tor açu­ca­rei­ro. É o re­sul­ta­do de pres­sões pro­te­ci­o­nis­tas de usi­nas ine­fi­ci­en­tes na Ar­gen­ti­na, sem a tec­no­lo­gia e as con­di­ções fa­vo­rá­veis do Bra­sil. Em con­sequên­cia, as­sis­te-se à ab­sur­da si­tu­a­ção em que o açú­car é li­be­ra­li­za­do no co­mér­cio com ter­cei­ros paí­ses (co­mo Is­ra­el), mas não no co­mér­cio in­traMer­co­sul.

Nos dois se­to­res, au­to­mo­ti­vo e açu­ca­rei­ro, o di­le­ma da li­be­ra­li­za­ção co­mer­ci­al per­ma­ne­ce: os se­to­res re­sis­tem a se adap­tar pa­ra en­fren­tar a cres­cen­te com­pe­ti­ção es­tran­gei­ra. No ca­so do Mer­co­sul, es­sa adap­ta­ção não se ma­te­ri­a­li­za em ra­zão das di­fe­ren­tes po­lí­ti­cas econô­mi­cas en­tre os dois prin­ci­pais parceiros econô­mi­cos. Di­fe­ren­ça que pro­va­vel­men­te se alar­ga­rá, di­an­te de um no­vo go­ver­no pe­ro­nis­ta na Ar­gen­ti­na.

O mai­or de­sa­fio pa­ra es­sa adap­ta­ção com­pe­ti­ti­va vi­rá, ine­vi­ta­vel­men­te, quan­do pas­sar a vi­go­rar o acor­do de li­vre-co­mér­cio com a União Eu­ro­peia. Es­se ca­len­dá­rio de­ve­ria in­di­car aos for­mu­la­do­res de po­lí­ti­ca econô­mi­ca a ur­gên­cia em pro­mo­ver competitiv­idade sis­tê­mi­ca no âm­bi­to do Mer­co­sul, im­pe­lin­do as re­for­mas econô­mi­cas e ins­ti­tu­ci­o­nais ne­ces­sá­ri­as pa­ra en­fren­tar a li­be­ra­li­za­ção co­mer­ci­al.

Sem es­se sen­so de ur­gên­cia, as­sis­ti­re­mos pas­si­va­men­te à de­ca­dên­cia da in­dús­tria re­gi­o­nal, que con­ti­nu­a­rá a so­nhar com re­gras ex­cep­ci­o­nais pa­ra ca­da se­tor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.