Ga­el e seus jo­vens sem fu­tu­ro da pe­ri­fe­ria me­xi­ca­na

O ator de gran­des di­re­to­res as­si­na ‘Chi­cu­a­ro­tes’, que di­a­lo­ga com o clás­si­co ’Los Ol­vi­da­dos’, de Buñu­el

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Luiz Car­los Mer­ten

Há al­go de pun­gen­te em Mo­lo­te­co, in­ter­pre­ta­do por Ga­bri­el Car­ba­jal em Chi­cu­a­ro­tes, o lon­ga di­ri­gi­do pe­lo ator Ga­el Gar­cia Ber­nal que es­tre­ou na quin­ta, 5, nos ci­ne­mas. Mo­lo­te­co for­ma du­pla com Ca­ga­le­ra/Benny Em­ma­nu­el. Ves­tem-se de pa­lha­ço e ten­tam le­van­tar di­nhei­ro fa­zen­do apre­sen­ta­ções na rua. Ca­ga­le­ra vem de uma fa­mí­lia dis­fun­ci­o­nal. O pai bê­ba­do ba­te na mu­lher e a po­bre des­do­bra-se tan­to no afã diá­rio de so­bre­vi­ver que não so­bra tem­po pa­ra dar o mí­ni­mo ca­ri­nho pa­ra os fi­lhos. É ca­da um por si.

Ca­ga­le­ra vai pa­ra o mun­do. Pa­ra ele, ser pa­lha­ço é só uma for­ma de bus­car, não ga­ran­tir, o pão nos­so de ca­da dia. Com Mo­lo­te­co é di­fe­ren­te. Sem fa­mí­lia, so­li­tá­rio, ele tem a al­ma de Pi­er­rô. Seu so­nho é o pi­ca­dei­ro. Seu man­tra, que ele re­pe­te pa­ra o com­pa­nhei­ro, é – “Can­tin­flas co­me­çou as­sim.”

Vo­cê não pre­ci­sa ser um pro­fun­do co­nhe­ce­dor de ci­ne­ma – e de ci­ne­ma la­ti­no – pa­ra sa­ber que Ma­rio Mo­re­no, o Can­tin­flas, foi um cô­mi­co me­xi­ca­no pro­fun­da­men­te en­rai­za­do no po­pu­lar. Co­mo Totò na Itá­lia, Os­ca­ri­to e Gran­de Ote­lo no Bra­sil, Fer­nan­del na Fran­ça. Es­que­ça a una­ni­mi­da­de crí­ti­ca, que ne­nhum de­les te­ve – e mes­mo que o gran­de Or­son Wel­les con­si­de­ras­se Gran­de Ote­lo o mai­or ator que co­nhe­ceu. O im­por­tan­te, em Chi­cu­a­ro­tes ,é que, pa­ra emu­lar o es­pí­ri­to de Can­tin­flas – seu jo­go cê­ni­co –, o jo­vem ator Car­ba­jal faz um bri­lhan­te tra­ba­lho com o cor­po. Só por is­so já va­le­ria ver o fil­me di­ri­gi­do por Ga­el. De um ator pa­ra o ou­tro, eles se en­ten­dem. Per­fei­ta­men­te. É ex­ten­sa a fil­mo­gra­fia in­ter­na­ci­o­nal de Ga­el Gar­cía Ber­nal.

Nas­ci­do em Gu­a­da­la­ja­ra, em Ja­lis­co, no Mé­xi­co, há 40 anos – fa­rá 41 em 30 de no­vem­bro –, ele co­me­çou na TV. No ci­ne­ma, te­ve o pri­vi­lé­gio de in­te­grar o elen­co de um fil­me que, em 2000, pro­vo­cou for­te im­pac­to. Aliás, Amo­res Per­ros, de Ale­jan­do Gon­zá­lez Iñár­ri­tu, co­me­ça­va com um im­pac­to, li­te­ral­men­te – um cho­que de car­ros. Ra­pi­da­men­te, Ga­el co­me­çou a fil­mar na Eu­ro­pa, em to­da a Amé­ri­ca La­ti­na, in­cluin­do o Bra­sil, nos EUA.

Fez fil­mes di­ri­gi­dos por Al­fon­so Cu­a­rón, Iñár­ri­tu (de no­vo), Pe­dro Al­mo­dó­var, Wal­ter Sal­les, Hec­tor Ba­ben­co, Pa­blo Lar­raín. Com o ami­go Di­e­go Lu­na, com quem di­vi­diu a ce­na em Y Tu Ma­má Tam­bién, fun­dou a Ca­na­na Fil­mes, que a par de pro­du­zir fil­mes pro­mo­veu um fes­ti­val de ci­ne­ma iti­ne­ran­te – o Am­bu­lan­te – que se tor­nou fa­mo­so no Mé­xi­co.

Com a Gol­den Pho­e­nix, pro­pri­e­da­de do Discovery Chan­nel, a Ca­na­na pro­du­ziu do­cu­men­tá­ri­os so­bre as­sas­si­na­tos de mu­lhe­res na re­gião fron­tei­ri­ça de Ciu­dad Juá­rez, um gran­de cen­tro do trá­fi­co. Re­a­li­zou cur­tas e, em 2007, o pri­mei­ro lon­ga – Dé­fi­cit, so­bre uma reu­nião fa­mi­li­ar que con­gre­ga mem­bros de vá­ri­as clas­ses so­ci­ais.

Com Dé­fi­cit, Ga­el já se­la­ra seu com­pro­mis­so de co­lo­car o Mé­xi­co (re­al) na te­la. Pas­sa­ram-se mais de dez anos – 12 – an­tes que ele apre­sen­tas­se Chi­cu­a­ro­tes fo­ra de com­pe­ti­ção, em Can­nes, em maio. O fil­me tam­bém foi exi­bi­do na se­ção Con­tem­po­rary World Ci­ne­ma, em To­ron­to. Chi­cu­a­ro­tes de­co­la for­te. Ves­ti­dos de pa­lha­ços, Mo­lo­te­co e Ca­ga­le­ra en­tram num ôni­bus e fa­zem sua apre­sen­ta­ção. Ten­tam an­ga­ri­ar fun­dos, mas nin­guém co­la­bo­ra com eles. Se não for por bem, se­rá por mal. A per­for­man­ce vi­ra um as­sal­to – bem-su­ce­di­do – e, ao di­vi­dir o que con­se­gui­ram com vi­o­lên­cia, não com ar­te, os dois dis­cu­tem o que fa­rão, a se­guir. Pla­ne­jam um se­ques­tro, mas aí a coi­sa é mais ar­ris­ca­da. Po­de, e ter­mi­na mal.

Em Can­nes, en­quan­to Ga­el mos­tra­va seu lon­ga, ou­tra se­ção do fes­ti­val – Clas­sics – res­ga­ta­va um dos mai­o­res fil­mes do ci­ne­ma me­xi­ca­no, do ci­ne­ma la­ti­no e mun­di­al. Los Ol­vi­da­dos, de Luís Buñu­el. Jus­ta­men­te Can­nes fo­ra o pal­co do lan­ça­men­to de Os Es­que­ci­dos, no co­me­ço dos anos 1950. O fil­me foi pre­mi­a­do e re­co­lo­cou Buñu­el no pó­dio co­mo gran­de ci­ne­as­ta, após um pe­río­do de tra­ba­lhos mo­des­tos e, pa­ra mui­tos crí­ti­cos, in­dig­nos de seu ta­len­to.

Los Ol­vi­da­dos re­tra­ta o co­ti­di­a­no de um gru­po de jo­vens de­lin­quen­tes. Ou­tra du­pla – Jai­bo, que fu­giu do re­for­ma­tó­rio, e Pe­dro, re­jei­ta­do pe­la mãe (e que se en­vol­ve num as­sas­si­na­to). O diá­lo­go en­tre os fil­mes não é me­ra coin­ci­dên­cia. Am­bos têm tu­do a ver. Ga­el ado­ta um re­a­lis­mo se­co e se be­ne­fi­cia do com­pro­me­ti­men­to de seus ato­res. O ro­tei­ro é um tan­to epi­só­di­co, e o di­re­tor não evi­ta cer­tas fa­ci­li­da­des poé­ti­cas. Mas o cli­ma é den­so e o cli­ma de pe­sa­de­lo pro­vo­ca o mal-es­tar di­an­te da re­a­li­da­de hu­ma­na e so­ci­al. É uma crô­ni­ca do­lo­ro­sa so­bre a vi­o­lên­cia que des­tro­ça os sonhos de Mo­lo­te­co.

SUPO MUNGAM FILMS

Es­que­ci­dos. Du­pla se ves­te de pa­lha­ço e faz shows nas ru­as pa­ra so­bre­vi­ver

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.