‘Es­tou ve­lha de­mais pa­ra ter me­do’, diz Atwo­od

Au­to­ra fa­la so­bre a sequên­cia de ‘O Con­to da Aia’, o li­vro ‘The Tes­ta­ments’

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - / TRA­DU­ÇÃO DE TEREZINHA MAR­TI­NO

Mar­ga­ret Atwo­od não es­ta­va cer­ta da con­ti­nu­a­ção de O Con­to da Aia, mes­mo com os fãs cla­man­do por ela. “O que eles es­ta­vam im­plo­ran­do era por uma con­ti­nu­a­ção na voz de Of­fred, que eu não con­se­guia fa­zer”, dis­se ela to­man­do chá e su­co nu­ma ca­fe­te­ria per­to de sua ca­sa. “Vo­cê con­se­gue es­ca­lar o Em­pi­re Sta­te Buil­ding de mãos va­zi­as uma vez. Quan­do ten­ta no­va­men­te, vo­cê cai. Era al­go ex­tre­ma­men­te im­pro­vá­vel, pa­ra co­me­çar. Ela dis­se o que ti­nha de di­zer. Não ha­via na­da que pu­des­se de fa­to adi­ci­o­nar.”

Mas há al­guns anos Mar­ga­ret co­me­çou a ima­gi­nar a con­ti­nu­a­ção de seu clás­si­co dis­tó­pi­co de 1985 so­bre as mu­lhe­res de Gi­le­ad, uma au­to­cra­cia re­li­gi­o­sa que te­ria si­do an­te­ri­or­men­te os Es­ta­dos Uni­dos, on­de mu­lhe­res fér­teis são su­jei­tas a es­tu­pros ri­tu­a­li­za­dos e for­ça­das a dar à luz fi­lhos pa­ra ci­da­dãos da clas­se al­ta.

En­tre aque­la épo­ca e ho­je, O Con­to da Aia se tor­nou um fenô­me­no da cul­tu­ra pop, um gri­to de guer­ra po­lí­ti­co e uma sé­rie de TV do Hu­lu es­tre­la­da por Eli­za­beth Moss no pa­pel de Of­fred, a nar­ra­do­ra. A edi­ção em lín­gua in­gle­sa do ro­man­ce ven­deu mais de oi­to mi­lhões de exem­pla­res no mun­do to­do. Mu­lhe­res ves­ti­das co­mo ai­as inun­da­ram o Con­gres­so e par­la­men­tos es­ta­du­ais pa­ra pro­tes­tar con­tra no­vas res­tri­ções aos seus di­rei­tos de re­pro­du­ção. As ex­pec­ta­ti­vas de uma con­ti­nu­a­ção do ro­man­ce, que es­te mês já foi in­cluí­da na pri­mei­ra lis­ta de in­di­ca­dos pa­ra o Bo­o­ker Pri­ze an­tes do lan­ça­men­to do li­vro na ter­ça, 3, eram es­tra­tos­fé­ri­cas.

Além des­sas pres­sões, o fa­to é que uma sequên­cia de O Con­to da Aia já exis­te. A adap­ta­ção pa­ra a TV, cri­a­da por Bru­ce Mil­ler, es­ten­deu a sa­ga de Of­fred pa­ra além do ro­man­ce. As­sim, Atwo­od e Mil­ler ti­ve­ram de ca­li­brar a tra­ma e o de­sen­vol­vi­men­to da per­so­na­gem na sé­rie, pa­ra que ela não fi­cas­se em de­sa­cor­do com a con­ti­nu­a­ção es­cri­ta por Atwo­od, ou vi­ce-ver­sa. “Ti­ve de ser cui­da­do­so quan­to à di­re­ção que es­ta­va se­guin­do. Ela con­tro­la o mun­do”, dis­se Mil­ler.

A sequên­cia, The Tes­ta­ments, tem lu­gar 15 anos de­pois do fim de O Con­to da Aia, quan­do Of­fred é le­va­da nu­ma van pre­ta. A con­ti­nu­a­ção tem du­as no­vas nar­ra­do­ras: uma jo­vem que cres­ceu em Gi­le­ad e uma ado­les­cen­te ca­na­den­se que es­ca­pou do re­gi­me ain­da cri­an­ça – e uma ter­cei­ra que é fa­mi­li­ar pa­ra os fãs, pois apa­re­ceu no ro­man­ce e na sé­rie: Tia Ly­dia, a ater­ro­ri­zan­te ar­qui­te­ta do sis­te­ma de Gi­le­ad, que trei­na as mu­lhe­res pa­ra sua ser­vi­dão re­pro­du­ti­va.

À me­di­da que su­as his­tó­ri­as en­tre­la­ça­das se so­bre­põem, Atwo­od re­ve­la no­vas fa­ce­tas de co­mo a es­tru­tu­ra de po­der de Gi­le­ad se cons­ti­tuiu e co­mo ela fi­nal­men­te des­mo­ro­na. (A adap­ta­ção de The Tes­ta­ments pa­ra a TV es­tá em cur­so.)

Mar­ga­ret Atwo­od, que com­ple­ta­rá 80 anos em 18 de no­vem­bro, fa­lou da sua obra, de mor­ta­li­da­de e da sur­pre­en­den­te pre­mo­ni­ção de O Con­to da Aia. Abai­xo tre­chos da en­tre­vis­ta.

Quan­do a se­nho­ra anun­ci­ou a con­ti­nu­a­ção do ro­man­ce dis­se que sua me­ta era res­pon­der a per­gun­tas dos lei­to­res so­bre Gi­le­ad. Co­mo eram as per­gun­tas? To­das elas co­me­ça­vam com “e se?”. E uma de­las era: quan­do os sis­te­mas to­ta­li­tá­ri­os des­mo­ro­nam, qual é a cau­sa? Bem, há mui­tos ce­ná­ri­os di­fe­ren­tes. Eles en­tram em co­lap­so in­ter­na­men­te, com a cor­rup­ção e o ex­pur­go en­tre as eli­tes; ata­ques de fo­ra, su­ces­são ge­ra­ci­o­nal. A pri­mei­ra ge­ra­ção, no ge­ral, tem um fer­vor to­tal, a se­gun­da es­tá fo­ca­da na ad­mi­nis­tra­ção e a ter­cei­ra ge­ra­ção co­me­ça a pen­sar: o que es­ta­mos fa­zen­do?

Após a elei­ção de Trump as ven­das de O Con­to da Aia dis­pa­ra­ram. Os lei­to­res no­ta­ram co­mo ele ti­nha ele­men­tos ali­nha­dos com even­tos atu­ais, co­mo a se­pa­ra­ção de pais dos seus fi­lhos na fron­tei­ra e ata­ques con­tra mi­no­ri­as por su­pre­ma­cis­tas bran­cos. Es­cre­veu a con­ti­nu­a­ção que­ren­do tra­çar es­ses no­vos pa­ra­le­los? Não. Is­so es­tá sem­pre em fer­men­ta­ção em qual­quer país. Os su­pre­ma­cis­tas bran­cos sem­pre es­tão por aí e eles se re­ve­lam quan­do as con­di­ções são fa­vo­rá­veis, quan­do es­tão na di­rei­ta nos Es­ta­dos Uni­dos ago­ra.

The Tes­ta­ments co­me­ça 15 anos de­pois, mas ele tem ele­men­tos da tra­ma da sé­rie de TV. Ten­tei evi­tar in­con­sis­tên­ci­as fla­gran­tes. A li­nha do tem­po foi atu­a­li­za­da e dei­xa­mos mui­tas coi­sas em aber­to.

Na 2ª tem­po­ra­da, a be­bê de Of­fred, Ni­co­le, é le­va­da ile­gal­men­te pa­ra fo­ra do país. Ni­co­le é cen­tral no seu no­vo li­vro. Te­ve a ideia da per­so­na­gem a par­tir da sé­rie e de­ci­diu ex­pan­di-la na sequên­cia?

Não. Dei­xei mui­ta coi­sa em bran­co pa­ra ser desenvolvi­da nos bas­ti­do­res.

A se­nho­ra se en­vol­veu bas­tan­te na sé­rie que con­ti­nua a his­tó­ria de Of­fred além do es­co­po do seu pri­mei­ro ro­man­ce.

Te­nho in­fluên­cia, mas não po­der. É uma gran­de di­fe­ren­ça, Não sou a pes­soa que vai apro­var no fi­nal. Es­tou em co­mu­ni­ca­ção com Bru­ce e fa­ço su­ges­tões co­mo “vo­cê não po­de ma­tar es­sa pes­soa”. E ele não a ma­tou. Mas, de qual­quer ma­nei­ra, ele não a ma­ta­ria. Ela é mui­to boa pa­ra mor­rer.

Qual é a per­so­na­gem? Tia Ly­dia.

Os pro­du­to­res já qui­se­ram le­var a tra­ma nu­ma di­re­ção que a se­nho­ra não que­ria?

Há al­gu­mas coi­sas no li­vro que eles não ab­sor­ve­ram in­tei­ra­men­te, mas é pos­sí­vel ver a ra­zão – é uma sé­rie de TV. No li­vro há mui­to de su­pre­ma­cia ra­ci­al. Dei a eles uma saí­da pa­ra a sé­rie. Es­ca­la­ram um elen­co mul­tir­ra­ci­al por al­gu­mas ra­zões: eles a adap­ta­ram pa­ra o mo­men­to atu­al e o Hu­lu tem uma cláu­su­la de diversidad­e.

Al­go na tra­ma a de­sa­gra­dou? Dei al­guns gri­tos, mas não adi­an­tou. É um pro­ble­ma pa­ra as pes­so­as que co­nhe­cem o ver­da­dei­ro to­ta­li­ta­ris­mo o fa­to de al­guns dos per­so­na­gens te­rem so­bre­vi­vi­do tan­to quan­to eles. Se­gu­ra­men­te eles te­ri­am si­do mor­tos a ti­ros.

Em The Tes­ta­ments, Tia Ly­dia é uma fi­gu­ra mais com­ple­xa, tão ví­ti­ma quan­to de­lin­quen­te. Por que ela é a per­so­na­gem cen­tral na con­ti­nu­a­ção?

Co­mo se che­ga ao al­to es­ca­lão em uma di­ta­du­ra to­ta­li­tá­ria? Ou vo­cê é fi­el des­de o iní­cio, a pon­to de ser pro­va­vel­men­te eli­mi­na­da mais tar­de, ou opor­tu­nis­ta. Ou po­de ser me­do, ou en­tão uma com­bi­na­ção de tu­do is­so. Eu co­lo­ca­ria o me­do co­mo hi­pó­te­se nú­me­ro um: se não fi­zer is­so se­rei mor­ta. Tia Ly­dia sem­pre foi uma car­rei­ris­ta, ela não se per­tur­ba fa­cil­men­te, mas não é uma cren­te ver­da­dei­ra co­mo ou­tros. Co­mo J. Ed­gar Ho­o­ver, ela se dá con­ta do po­der de co­nhe­cer o la­do su­jo das pes­so­as que vo­cê não re­ve­la pu­bli­ca­men­te.

O que mais a as­sus­ta ho­je? Sou mui­to ve­lha pa­ra me as­sus­tar mui­to. Vo­cê se ater­ro­ri­za quan­do é jo­vem e não co­nhe­ce a tra­ma. Vo­cê não re­a­li­zou mui­ta coi­sa quan­do tem 20 anos, de mo­do que fi­ca com me­do do fu­tu­ro. Es­tá oti­mis­ta, se em­pol­ga, mas tam­bém tem me­do. Por­tan­to, o que me dei­xa oti­mis­ta, não com me­do, são os jo­vens. Eles es­tão mu­dan­do o dis­cur­so po­lí­ti­co.

ARDEN WRAY/THE NEW YORK TI­MES

Mar­ga­ret Atwo­od. ‘O que me dei­xa oti­mis­ta são os jo­vens. Eles es­tão mu­dan­do o dis­cur­so po­lí­ti­co’, afir­ma a es­cri­to­ra que vai fa­zer 80 anos em no­vem­bro

HU­LU

Em Gi­le­ad. ‘The Hand­maid’s Ta­le’ se tor­nou fenô­me­no pop

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.