Olha co­mo sou fe­liz...

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - BLOG: HTTP://BLOGESTADA­O.COM/BLOG/ MARCELORUB­ENSPAIVA E-MAIL: MARCELORUB­[email protected] MAR­CE­LO RUBENS PAI­VA ES­CRE­VE AOS SÁ­BA­DOS

Ca­mi­la, que não usa maiús­cu­las e ra­ra­men­te acen­tua, pos­tou no Twit­ter: “E eu que ta­va cho­ran­do, me olhei no es­pe­lho, me achei gos­to­sa e ti­rei uma fo­to”. Fi­quei uma se­ma­na in­tri­ga­do em bus­ca do sig­ni­fi­ca­do do desabafo.

Na fo­to, fa­zia po­se e bi­qui­nho. Bi­co de sel­fie. Cos­tu­ma pos­tar tri­vi­a­li­da­des: “Es­tou com so­no”; “que­ria es­tar com o me­ni­no q eu gos­to to­man­do uma cer­ve­ji­nha na pis­ci­na nes­se ca­lor”; “to so exis­tin­do ho­je”. Ho­ras an­tes, tui­ta­ra: “A par­tir de ho­je nao fa­lo mais NA­DA da mi­nha vi­da”. Con­ti­nu­ou o dia fa­lan­do de si.

Tem 2.500 se­gui­do­res. É são-pau­li­na de Bra­sí­lia. Seu co­di­no­me: “Prin­ce­sa”. Não sei pre­ci­sar a ida­de. Tem mais de 20 anos. Fi­quei em dú­vi­da se po­de­ria ci­tar o no­me com­ple­to. Ou se se­ria me­lhor pre­ser­vá­la. Mas o quê...

Sua con­ta é aber­ta, su­as fo­tos ago­ra se tor­nam vi­sí­veis no mun­do to­do, seus pen­sa­men­tos são com­par­ti­lha­dos,

ela acei­ta que se­jam re­par­ti­dos; a mai­o­ria de­les, com pa­la­vrões. Fa­la mui­to em bri­gar e fa­zer as pa­zes com ami­gas, em bri­gar e fa­zer as pa­zes com na­mo­ra­dos.

Na fra­se in­tri­gan­te, há qua­tro ações: cho­rar, olhar-se no es­pe­lho, con­si­de­rar-se gos­to­sa e ti­rar fo­to. Ti­rar uma fo­to fez bem? Ou se con­si­de­rar gos­to­sa? Pa­rou de cho­rar? Con­si­de­rou-se gos­to­sa pois cho­ra­ra? Ou mos­trar aos 500 mi­lhões de usuá­ri­os do Twit­ter uma fo­to de­la se olhan­do no es­pe­lho de­pois de cho­rar é que a fez fi­car bem?

No per­fil, in­for­ma seu en­de­re­ço do Ins­ta­gram. É tam­bém aber­to. Ne­le, 7.800 se­gui­do­res. Nu­ma por­cen­ta­gem gran­de de fo­tos, es­tá de biquí­ni. Se­cu­ra do Pla­nal­to Cen­tral. Qua­se sem­pre so­zi­nha, se­du­zin­do com um olhar di­re­to pa­ra a câ­me­ra. Acha-se lin­da, com cer­te­za. E é.

Sem ter o que fa­zer, in­ves­ti­guei-a. Em cin­co mi­nu­tos, des­co­bri seu no­me e so­bre­no­me, e que é re­cep­ci­o­nis­ta de uma aca­de­mia de TopFit do Dis­tri­to Fe­de­ral, que co­bra de R$ 129 (Pla­no Ba­sic) a R$ 169 (Gold). Aca­ba­ra de che­gar ao Pla­no Youth, pa­ra jo­vens de 18 a 24 anos, a R$ 109. Ca­mi­la os re­cep­ci­o­na com um “may I help you”?

Char­les é o “fun­da­dor” da mo­da­li­da­de, da aca­de­mia, pro­fes­sor, e ma­dru­ga: co­me­ça a aten­der às 6h30. Na fan­pa­ge do Fa­ce, tem to­dos os da­dos. As­sim co­mo na pá­gi­na de Ca­mi­la, tam­bém aber­ta, que con­tém mui­tos de­ta­lhes do tra­ba­lho e vi­da pes­so­al.

Ela es­tá sol­tei­ra. Tra­ba­lha des­de 2013 na aca­de­mia. Em 2005, apren­deu a na­dar. Fre­quen­tou as ma­ti­nês do Sev7Te­en. Cur­te o res­tau­ran­te Co­co Bam­bu Bra­sí­lia, de fru­tos do mar. Gos­tou do fil­me A Cul­pa É das Es­tre­las e dos pro­gra­mas de TV So­bre­na­tu­ral, Su­pers­tar, en­tre ou­tros. Não in­di­ca ne­nhum li­vro. Não há si­nais de que os lê.

As fo­tos de­la no Fa­ce são mais “com­por­ta­das” do que as do Ins­ta. Mas tam­bém na gran­de mai­o­ria é ela so­zi­nha, se­du­zin­do as len­tes. Des­cu­bro por ela que Char­les vi­rou Co­ro­nel Char­les nas elei­ções de 2018, foi can­di­da­to a de­pu­ta­do fe­de­ral pe­lo Pros, apoi­ou Bolsonaro, te­ve 11.114 vo­tos, mas não foi elei­to. Ela apoi­ou o che­fi­nho.

Por que de­ci­di stal­keá-la? Foi uma es­co­lha ale­a­tó­ria, que me lem­brou um con­to do li­vro O Sol na Ca­be­ça, de Ge­o­va­ni Mar­tins, em que um es­tu­dan­te da Ro­ci­nha pas­sa a se­guir por di­as sem mo­ti­vo apa­ren­te um exe­cu­ti­vo do Le­blon, ape­nas pa­ra se­guir ou ame­dron­tar al­guém; ou ver co­mo vi­via e en­ten­der os mo­ti­vos de tan­ta de­si­gual­da­de en­tre vi­zi­nhos.

Já fi­cou ní­ti­do que Ca­mi­la mes­cla pe­ri­go­sa­men­te mo­men­tos de eu­fo­ria e de­pres­são. Por­que tal­vez nun­ca che­gue à fo­to per­fei­ta, ao mo­men­to per­fei­to, à cal­ma de uma re­la­ção es­tá­vel, ou nun­ca ga­nha­rá li­kes su­fi­ci­en­tes. A ne­ces­si­da­de dos li­kes, da apro­va­ção, é uma epi­de­mia mun­di­al, pre­o­cu­pan­te, e si­nal de so­li­dão e bai­xa au­to­es­ti­ma. Não se vê fo­tos da fa­mí­lia ou de ri­tu­ais fa­mi­li­a­res. Vir­tu­al­men­te es­tá cer­ca­da de gen­te, mas na re­al não tem nin­guém.

Ob­ser­vei co­mo, nu­ma in­ge­nui­da­de con­tem­po­râ­nea, ela se ex­põe e en­tre­ga da­dos so­bre si mes­ma. Não a hac­ke­ei cri­mi­no­sa­men­te. Ape­nas com o mou­se vi em meia ho­ra o que qual­quer um po­de ver: sua in­ti­mi­da­de.

Me ben­zo por ter saí­do do Fa­ce, Ins­ta­gram e ser va­go nas in­for­ma­ções que pas­so em ca­das­tros on­li­ne, às ve­zes men­ti­ro­so. Pri­mei­ro efei­to: des­pen­cou a ne­ces­si­da­de de me fo­to­gra­far ou fo­to­gra­far aqui­lo que vi­vo, co­mo es­tou, on­de es­tou, com quem e por quê. Ape­nas es­tou.

Es­que­ço que ce­lu­lar é tam­bém uma câ­me­ra. Por si­nal, me ve­jo em even­tos sem ti­rar uma fo­to se­quer. Co­mo ba­na­li­za­mos a fo­to­gra­fia... Co­mo era bom quan­do no Bra­sil era ca­ro. Tí­nha­mos que jun­tar to­da a fa­mí­lia pa­ra a fo­to do Na­tal.

Na meia ho­ra em que a ob­ser­vei, meu fi­lho de 3 anos via Pep­pa Pig ao la­do. No uni­ver­so da por­qui­nha ro­sa, uma ci­da­de­zi­nha de cam­po in­gle­sa, qua­se não se usa ce­lu­lar. As pes­so­as são bo­as, aju­dam-se, to­dos tra­ba­lham e vi­vem dig­na­men­te, o tra­ba­lho é hon­ra­do, nin­guém tem mais que ou­trem ou é ex­plo­ra­do. To­dos vi­vem em fa­mí­lia e têm ami­gos. Olho meu fi­lho e me per­gun­to o que se­rá de­le no fu­tu­ro.

In­ven­ta­mos a in­ter­net pa­ra co­nec­tar pes­so­as, de­mo­cra­ti­zar a in­for­ma­ção, di­mi­nuir dis­tân­ci­as, fa­ci­li­tar a co­mu­ni­ca­ção e os ser­vi­ços. Ste­ve Job pen­sou num ce­lu­lar que trou­xes­se o bem, a ale­gria, a união, que mu­das­se o mun­do pa­ra me­lhor. O pro­ble­ma é que, ope­ran­do-os, es­ta­mos nós, com nos­sos se­te pe­ca­dos.

Te­nho dó de quem não vi­veu num mun­do sem in­ter­net e ce­lu­lar, não vi­veu a ex­pe­ri­ên­cia de não es­tar plu­ga­do nu­ma re­de sem li­mi­tes, de man­dar te­le­gra­mas, car­tas, ter tem­po pa­ra con­tem­plar o na­da, de ter ami­gos que não se­jam al­go­rit­mos, bi­ná­ri­os, fan­ta­si­o­sos. Tem vol­ta?

Me ben­zo por ter saí­do do Fa­ce, Ins­ta­gram e ser va­go nas in­for­ma­ções pa­ra ca­das­tros

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.