QUEM MU­DOU, AFI­NAL?

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - ROSELY SAYÃO

Que o mun­do mu­dou nas úl­ti­mas dé­ca­das, nin­guém tem dú­vi­das. Mu­da­ram as cri­an­ças, ou o mun­do e os adul­tos? Tal­vez o mais sen­sa­to se­ja: mu­da­ram to­dos.

Quan­do al­guém diz a fra­se “as cri­an­ças, ago­ra, já nas­cem com um chip a mais” pa­ra explicar as di­fi­cul­da­des que nos apre­sen­tam, vo­cê con­cor­da? E qual sua re­a­ção quan­do ou­ve fra­ses des­se ti­po, tan­to di­tas por fa­mí­li­as, re­fe­rin­do-se a fi­lhos, quan­to no ge­ral, que se tor­na­ram po­pu­la­res? Ve­ja­mos al­gu­mas: “As cri­an­ças já nas­cem sa­ben­do o que que­rem”, “elas são bem mais es­per­tas do que as cri­an­ças de an­tes”, “te­nho cer­te­za de que meu fi­lho é pre­co­ce”, etc.

A tendência das pes­so­as tem si­do a de con­cor­dar com es­se es­ti­lo de pen­sa­men­to a res­pei­to do com­por­ta­men­to das cri­an­ças. De­ve­ría­mos? Eu pre­fi­ro per­gun­tar: mas, afi­nal, mu­da­ram as cri­an­ças, ou o mun­do mu­dou e mu­da­mos tam­bém

nós, os adul­tos?

Que o mun­do mu­dou bas­tan­te nas úl­ti­mas dé­ca­das, e ra­pi­da­men­te, nin­guém tem dú­vi­das. Mas quais mu­dan­ças in­ter­fe­ri­ram tão in­ten­sa­men­te na re­la­ção dos adul­tos com os mais no­vos que jus­ti­fi­quem a cons­tru­ção das fra­ses aci­ma?

Pri­mei­ra­men­te, va­mos con­si­de­rar a ava­lan­che de in­for­ma­ções e de co­nhe­ci­men­to, tan­to pro­fis­si­o­nal quan­to lei­go, dis­po­ní­veis a qua­se to­dos. Sa­be­mos mui­to, por exem­plo, so­bre a ges­ta­ção, o nas­ci­men­to, o de­sen­vol­vi­men­to do be­bê e da cri­an­ça e os res­pec­ti­vos es­tí­mu­los pa­ra con­se­guir al­can­çar o má­xi­mo do po­ten­ci­al in­fan­til, não é ver­da­de?

Bas­tou jun­tar to­das as in­for­ma­ções aces­sí­veis des­sa área ao de­se­jo ar­den­te dos pais de ofe­re­cer aos fi­lhos as me­lho­res opor­tu­ni­da­des pos­sí­veis pa­ra um fu­tu­ro exi­to­so, pa­ra ter­mos exa­ta­men­te o que tes­te­mu­nha­mos ho­je: cri­an­ças hi­pe­res­ti­mu­la­das des­de o nas­ci­men­to e, em al­guns ca­sos, até an­tes de­le.

Cla­ro que as cri­an­ças re­a­gem, apa­ren­te­men­te, da me­lhor ma­nei­ra aos es­tí­mu­los que re­ce­bem. As­sim, na com­pa­ra­ção com as ge­ra­ções an­te­ri­o­res, mui­tas falam, sen­tam, an­dam e cor­rem bem an­tes.

Is­so me faz lem­brar uma fra­se que li em uma des­sas re­des so­ci­ais mui­to fre­quen­ta­das por mães e pais: “Pas­sa­mos os dois pri­mei­ros anos da vi­da de nos­sos fi­lhos for­ne­cen­do mui­tos es­tí­mu­los pa­ra que fa­lem e an­dem, e o res­tan­te da in­fân­cia de­les im­plo­ran­do pa­ra que fi­quem sen­ta­dos e ca­la­dos”. É ou não é?

Po­de­mos con­cluir, por­tan­to, que as cri­an­ças vi­vem um con­tex­to fa­mi­li­ar e so­ci­al bem di­fe­ren­te no que diz res­pei­to aos es­tí­mu­los ofer­ta­dos, o que con­tri­buiu mui­to pa­ra que pa­re­çam – ape­nas pa­re­çam – ser mais es­per­tas, in­te­li­gen­tes e an­te­na­das do que eram os seus pa­res dé­ca­das atrás.

O que mais mu­dou? Va­le a pe­na pen­sar no me­do de ser te­mi­do pe­los fi­lhos.

É tam­bém mui­to fre­quen­te vo­cê ou­vir mães e pais di­ze­rem que ti­ve­ram, em sua pró­pria in­fân­cia, me­do dos pais, ou de um de­les, e que não que­rem pro­vo­car is­so nos fi­lhos. Que­rem ser res­pei­ta­dos pe­los fi­lhos, mas te­mi­dos, ja­mais!

Pre­pa­re-se pa­ra sa­ber que é o me­do da cri­an­ça que ori­gi­na a pos­si­bi­li­da­de de ela ser edu­ca­da por seus pais. Cla­ro que não se tra­ta de ter me­do de apa­nhar ou de ser cas­ti­ga­do, mas sim o me­do de per­der o amor dos pais.

E, an­tes do que pos­sa­mos ima­gi­nar, a cri­an­ça já co­me­ça a de­ci­frar a gra­má­ti­ca de sua re­la­ção com seus pais: o que ela faz e os dei­xa ale­gres ou sa­tis­fei­tos, e o que faz que pro­vo­ca apre­en­são, de­sa­pro­va­ção, etc. As­sim, co­mo ela se sa­be to­tal­men­te de­pen­den­te de­les, te­me per­der o amor de­les e, por is­so, per­mi­te que eles a gui­em, pe­lo me­nos nos anos ini­ci­ais da vi­da.

E pre­ci­sa­mos con­si­de­rar mais um as­pec­to im­por­tan­te de mu­dan­ças no mun­do e, con­se­quen­te­men­te, de nos­sa re­la­ção com os mais no­vos: a per­da, va­ga­ro­sa mas efe­ti­va, do con­cei­to de in­fân­cia exis­ten­te até en­tão. As­sis­tir ao cur­ta-me­tra­gem A In­ven­ção da In­fân­cia (dis­po­ní­vel em http://por­ta­cur­tas.org.br/fil­me/?na­me=a_in­ven­ca­o_­da_in­fan­cia) nos aju­da a com­pre­en­der co­mo te­mos “de­sin­ven­ta­do” tal con­cei­to no mun­do con­tem­po­râ­neo.

Con­sequên­cia? Não sa­be­mos mais o que é ser cri­an­ça co­mo sa­bía­mos até en­tão, tam­pou­co sa­be­mos co­mo nos re­la­ci­o­nar com ela. Exem­plo co­mum: uma cri­an­ça de me­nos de 3 anos faz birra, e os adul­tos ten­tam con­tê-la ex­pli­can­do a ela por que não de­ve se com­por­tar des­se mo­do. Pois é!

En­tão: mu­da­ram as cri­an­ças, ou o mun­do e os adul­tos? Tal­vez o mais sen­sa­to se­ja re­co­nhe­cer que mu­da­ram to­dos os três. Quem sa­be, as­sim, te­nha­mos mais li­ber­da­de pa­ra bus­car no­vas ma­nei­ras de afe­tar fa­vo­ra­vel­men­te nos­sos fi­lhos, res­pei­tan­do a eta­pa ini­ci­al de su­as vi­das.

✽ É PSI­CÓ­LO­GA

Tal­vez o mais sen­sa­to se­ja re­co­nhe­cer que mu­da­ram cri­an­ças, adul­tos e o mun­do

ROSELY SAYÃO [email protected]

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.