Eli­a­ne Can­ta­nhê­de

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - ELI­A­NE CAN­TA­NHÊ­DE E-MAIL: ELI­A­[email protected] TWIT­TER: @ECANTANHED­E ELI­A­NE CAN­TA­NHÊ­DE ESCREVE ÀS TERÇAS E SEX­TAS-FEI­RAS E AOS DO­MIN­GOS

A era Bol­so­na­ro vin­ga o PT e Lu­la. Se o “la­va­ja­tis­mo” der­ru­bou o pe­tis­mo, o bol­so­na­ris­mo es­tá der­ru­ban­do o “la­va­ja­tis­mo”.

Opre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro cri­ou e ali­men­tou de­li­be­ra­da­men­te uma teia de ini­mi­gos e crí­ti­cos, até atrair pa­ra ela os pró­pri­os bol­so­na­ris­tas ra­di­cais e iras­cí­veis de internet. Na re­a­ção à in­di­ca­ção de Au­gus­to Aras pa­ra a Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca, a gri­ta­ria mais es­tri­den­te não é dos ad­ver­sá­ri­os, mas dos ali­a­dos de Bol­so­na­ro.

Ele acu­sou o gol­pe. A lá­gri­ma por um ano da fa­ca­da re­ve­lou tam­bém es­tres­se e as in­ten­sas pres­sões que pre­si­den­tes já so­frem na­tu­ral­men­te, mas o atu­al atrai de­sa­fi­a­do­ra e ar­ro­gan­te­men­te. Num ra­ro rom­pan­te

de hu­mil­da­de e de con­ta­to com a re­a­li­da­de, ele de­cla­rou: “Re­co­nhe­ço as mi­nhas li­mi­ta­ções, as mi­nhas fra­gi­li­da­des, a mi­nha in­com­pe­tên­cia em al­guns mo­men­tos”.

E ten­tou dar uma or­dem de co­man­do que já de­ve­ria ter da­do há mui­to tem­po. Pe­diu, ou or­de­nou, aos ar­ti­lhei­ros da internet que apa­gas­sem “co­men­tá­ri­os pe­sa­dos” atin­gin­do o procurador Aras. Con­tra pre­si­den­tes de outros paí­ses, pri­mei­ras-da­mas, co­mis­sá­ri­as da ONU, am­bi­en­ta­lis­tas, jor­na­lis­tas, de­fen­so­res dos direitos humanos, ONGs, pro­fes­so­res, es­tu­dan­tes e qual­quer um que pen­se di­fe­ren­te, po­de. Mas con­tra in­di­ca­do seu não po­de.

A es­co­lha de Aras apro­fun­da a guer­ra no Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e a per­cep­ção de um for­te re­cuo no com­ba­te aos cri­mes de co­la­ri­nho bran­co, por­que ele já se ma­ni­fes­tou con­trá­rio aos mé­to­dos de juí­zes, pro­cu­ra­do­res e de­le­ga­dos da La­va Ja­to. Mas is­so é de­ta­lhe, o que agi­ta os bol­so­na­ris­tas é a sus­pei­ta de que o no­vo PGR, ora, ora, se­ja um bai­ta de um es­quer­dis­ta.

Aras po­de ser tu­do, me­nos es­quer­dis­ta, co­mu­nis­ta ou al­go do gê­ne­ro. Fa­lan­te co­mo bom bai­a­no, ele con­ver­sa com to­dos os la­dos, mas é con­ser­va­dor e crí­ti­co, por exem­plo, dos ex­ces­sos da era Ro­dri­go Ja­not, acu­sa­do no am­bi­en­te ju­rí­di­co e po­lí­ti­co de pro­te­ger o PT e per­se­guir Mi­chel Te­mer. Se Aras co­me­teu um “er­ro”, foi o de fa­zer o que can­di­da­tos cos­tu­mam fa­zer e se tor­nou ques­tão de vi­da ou mor­te com Bol­so­na­ro: fa­lar o que o pre­si­den­te que­ria ou­vir.

Co­mo ele se­ria “es­quer­dis­ta” com um pa­dri­nho co­mo o ex-de­pu­ta­do Al­ber­to Fra­ga, que é lí­der da ban­ca­da da ba­la e tem mais in­fluên­cia so­bre o pre­si­den­te do que mui­to ge­ne­ral? E seu ava­lis­ta é o ministro da Infraestru­tura, Tar­cí­sio Frei­tas, uma es­tre­la do go­ver­no, já que Aras as­su­me o com­pro­mis­so de não pres­ti­gi­ar o meio am­bi­en­te em de­tri­men­to do “pro­gres­so”.

Tam­bém não vai se me­ter com direitos humanos, mi­no­ri­as, ques­tões com­por­ta­men­tais. E de­ve ti­rar da fren­te os pro­cu­ra­do­res iden­ti­fi­ca­dos com Ja­not e os re­cém re­ma­ne­ja­dos por Ra­quel Dod­ge, que sai no dia 17. Mais ou me­nos co­mo o em­bai­xa­dor jú­ni­or Er­nes­to Araú­jo foi pau­ta­do pa­ra fa­zer com os em­bai­xa­do­res se­ni­o­res do Ita­ma­raty.

Se o MP já an­da bem agi­ta­do, vai pi­o­rar mui­to ago­ra, mas is­so ocor­re­ria fos­se quem fos­se fo­ra da lis­ta, ou até da pró­pria lis­ta, e a ex­pec­ta­ti­va é que Aras pas­se no Se­na­do. Uma vez na PGR, não vai to­mar de­ci­sões ab­sur­das, nem atu­ar em per­ma­nen­te con­fron­to – co­mo Bol­so­na­ro faz. As coi­sas vão de­can­tar.

O no­vo front de Bol­so­na­ro no Con­gres­so é ou­tro: os ve­tos à Lei de Abu­so de Au­to­ri­da­de cor­rem sé­rio ris­co de se­rem der­ru­ba­dos, ser­vin­do de ensaio pa­ra a vo­ta­ção de Edu­ar­do Bol­so­na­ro co­mo em­bai­xa­dor em Washing­ton. Se já pe­diu aos bol­so­na­ris­tas de internet pa­ra pa­ra­rem de ba­ter no no­vo PGR, o pre­si­den­te vai ter de con­ven­cer os bol­so­na­ris­tas do Con­gres­so a não fa­zê-lo pas­sar ve­xa­me com ve­tos e fi­lho.

É as­sim, com um PGR da­qui, lei con­tra au­to­ri­da­des da­li, Moro de es­can­teio, em­pur­rão no Co­af, na Re­cei­ta e na PF que a era Bol­so­na­ro vai, na prá­ti­ca, vin­gan­do o PT e Lu­la. Se o “la­va­ja­tis­mo” (co­mo diz Gil­mar Mendes) der­ru­bou o pe­tis­mo, o bol­so­na­ris­mo es­tá der­ru­ban­do o “la­va­ja­tis­mo”. Os “he­róis de Cu­ri­ti­ba” fi­ca­ram fa­lan­do so­zi­nhos. Ou nem tan­to?

O ‘la­va­ja­tis­mo’ der­ru­bou o pe­tis­mo, o bol­so­na­ris­mo es­tá der­ru­ban­do o ‘la­va­ja­tis­mo’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.