A cri­se da lis­ta trí­pli­ce

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto - Mon­te Azul Pau­lis­ta

De­pois que o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro de­ci­diu ig­no­rar a lis­ta trí­pli­ce pa­ra a che­fia da Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca (PGR), es­se se tor­nou o prin­ci­pal as­sun­to no de­ba­te po­lí­ti­co. Em­bo­ra os úl­ti­mos pre­si­den­tes te­nham es­co­lhi­do no­mes su­ge­ri­dos na tal lis­ta, is­so não é obri­ga­tó­rio. Ra­quel Dod­ge, es­co­lha de Mi­chel Te­mer, não era o pri­mei­ro no­me, mas o se­gun­do. A lis­ta trí­pli­ce é um re­cur­so uti­li­za­do no tem­po do Im­pé­rio e que ser­ve ape­nas pa­ra re­du­zir o po­der do go­ver­nan­te, bai­xan­do pa­ra três o nú­me­ro de can­di­da­tos, que em con­di­ções nor­mais é mui­to mai­or. Não uti­li­zá-la é op­ção de um go­ver­no que veio pa­ra mu­dar e tam­bém não fez com­po­si­ção pa­ra no­me­ar seus mi­nis­tros. As lis­tas vol­ta­ram à ce­na quan­do, de­pois da saí­da dos mi­li­ta­res, os go­ver­nan­tes fa­zi­am ques­tão de se alar­de­ar de­mo­cra­tas. Mas em outros ca­sos, em es­pe­ci­al na área da edu­ca­ção, go­ver­na­do­res não abri­ram mão de no­me­ar seus pre­fe­ri­dos, e não os dos pro­fes­so­res, que se can­sa­ram de ela­bo­rar lis­tas inu­til­men­te. E is­so não trou­xe prejuízo al­gum ou di­mi­nuiu a de­mo­cra­cia, que se­guiu sen­do fes­te­ja­da. DIRCEU CAR­DO­SO GON­ÇAL­VES as­po­[email protected]­ra.com.br

São Pau­lo Uma to­li­ce ale­gar tra­di­ção pa­ra a no­me­a­ção de procurador-ge­ral a par­tir de lis­ta trí­pli­ce vo­ta­da pe­la ir­man­da­de. Sa­be­mos que mais do que a com­pe­tên­cia (to­dos es­tão no mes­mo pa­ta­mar) o que mo­ve as en­gre­na­gens elei­to­rais são os in­te­res­ses clas­sis­tas e a po­lí­ti­ca. Is­so es­tá à vis­ta de to­dos. Além do mais, o uni­ver­so dos vo­tan­tes é mui­to pe­que­no, qua­se co­mo se pa­ra o Su­pre­mo Tri­bu­nal vo­tas­sem seus pró­pri­os mi­nis­tros. A mes­ma dis­tor­ção de rei­to­res e di­re­to­res de es­co­la se­rem elei­tos pe­lo pró­prio co­le­gi­a­do. E quan­to à tra­di­ção... 16 anos não con­for­mam uma tra­di­ção, bo­las! RO­BER­TO MACIEL ro­vi­[email protected] Salvador

No­vo che­fe da PGR

Con­fes­so que fi­quei meio que pre­o­cu­pa­do com a in­di­ca­ção do sub­pro­cu­ra­dor Au­gus­to Aras pa­ra a Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca. Mas mi­nha pre­o­cu­pa­ção lo­go se des­fez. De­pu­ta­dos do PT, PSOL e PC­doB cri­ti­ca­ram du­ra­men­te a in­di­ca­ção. Mi­nha con­clu­são: se a es­quer­da é con­tra, é por­que Bol­so­na­ro es­tá cer­to e o in­di­ca­do é bom.

SÉRGIO DAFRÉ ser­gi­o_­da­[email protected] Jun­di­aí

Com­ba­te à cor­rup­ção

Com re­la­ção à polêmica in­di­ca­ção de Au­gus­to Aras pa­ra a PGR, o pre­si­den­te Bol­so­na­ro que nun­ca se es­que­ça: Ser­gio Moro e a La­va Ja­to con­ti­nu­am sen­do o nos­so fa­rol.

BE­A­TRIZ CAM­POS be­a­triz.cam­[email protected]

São Pau­lo

Olho vi­vo

En­ga­na-se o pre­si­den­te se ava­lia co­mo prer­ro­ga­ti­va par­ti­cu­lar fri­tar o ministro Ser­gio Moro quan­do lhe der na te­lha. E não bas­ta vir a pú­bli­co re­co­nhe­cer o ób­vio – que se tra­ta de pa­trimô­nio na­ci­o­nal. É pre­ci­so dar-lhe li­ber­da­de de ação e es­co­lha pa­ra ele con­ti­nu­ar seu fun­da­men­tal tra­ba­lho. Des­pres­ti­gi­ar Moro equi­va­le a jo­gar no li­xo o me­lhor qua­dro do go­ver­no, não se es­pe­ra ta­ma­nha es­tul­ti­ce de quem pre­ten­de dar no­vos ru­mos ao Bra­sil. Ade­mais, tu­do o que a ca­ter­va mais de­se­ja é ti­rar do seu ca­mi­nho quem des­ven­da seus rou­bos e cri­mes con­tra a Na­ção. Bol­so­na­ro tem de es­tar de olho vi­vo nes­sa hi­pó­te­se trá­gi­ca. DO­CA RA­MOS MEL­LO ddra­mos­mel­[email protected]

São Sebastião

Pés pe­las mãos

O pre­si­den­te a ca­da dia se en­ro­la mais em su­as pró­pri­as pa­la­vras. Vo­tei em Bol­so­na­ro e, em­bo­ra não con­cor­de com tu­do o que ele faz, ain­da es­tou con­ven­ci­do de que es­ta­mos me­lhor do que se o pes­so­al do PT ti­ves­se ga­nho. Al­guém pró­xi­mo do pre­si­den­te tem de in­fun­dir-lhe na men­te que go­ver­nar não é dar en­tre­vis­ta. Es­sa mu­dan­ça na Po­lí­cia Fe­de­ral, por exem­plo, é mui­to es­tra­nha, pa­re­ce à opi­nião pú­bli­ca que es­tá fa­zen­do de tu­do pa­ra li­vrar o fi­lho. Elei­to­res co­mo eu ob­ser­vam as me­di­das ado­ta­das e pro­cu­ram co­e­rên­cia. Es­sas pro­vo­ca­ções ao ministro Ser­gio Moro po­dem ser o prin­cí­pio de seu fim se a po­pu­la­ção des­con­fi­ar que ha­ja al­go por trás. Os bra­si­lei­ros fo­ram en­ga­na­dos pe­lo PT. Bol­so­na­ro foi es­co­lhi­do co­mo a me­lhor al­ter­na­ti­va com ba­se no que pre­ga­va. Se es­sa li­nha for mu­da­da, o po­vo ho­je é mui­to mais rá­pi­do pa­ra ado­tar so­lu­ções de cor­re­ção de ru­mo. O pre­si­den­te es­tá me­ten­do os pés pe­las mãos. Sa­be­mos que é di­fí­cil go­ver­nar com par­te da po­pu­la­ção re­man­do con­tra. Mas a Pre­si­dên­cia é is­so: exi­ge pa­ci­ên­cia, dis­cer­ni­men­to, co­e­rên­cia e, prin­ci­pal­men­te, fo­co nas pri­o­ri­da­des. Es­pe­ra­mos que Bol­so­na­ro não fa­ça a Na­ção ter mais uma de­cep­ção quan­to ao ru­mo do nos­so fu­tu­ro. Não te­mos mais tem­po a per­der. OLAVO BRUSCHINI [email protected]­ra.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.