As es­co­las cí­vi­co-mi­li­ta­res

O Estado de S. Paulo - - Notas e informaçõe­s -

Ao as­si­nar o de­cre­to que re­gu­la­men­ta a ade­são ao Pro­gra­ma Na­ci­o­nal das Es­co­las Cí­vi­co-Mi­li­ta­res, o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro de­fla­grou um acir­ra­do de­ba­te po­lí­ti­co so­bre o ti­po de en­si­no bá­si­co que seu go­ver­no pre­ten­de de­sen­vol­ver. Com re­ceio das im­pli­ca­ções ide­o­ló­gi­cas des­sa ini­ci­a­ti­va, as au­to­ri­da­des edu­ca­ci­o­nais do Es­ta­do do Es­pí­ri­to San­to, cu­ja re­de pú­bli­ca te­ve o me­lhor re­sul­ta­do do País nas ava­li­a­ções do Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção em ma­te­má­ti­ca e lín­gua por­tu­gue­sa, já in­for­ma­ram que não vão ade­rir. Por seu la­do, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral da Bahia clas­si­fi­cou es­sas es­co­las co­mo “au­to­ri­tá­ri­as”. Mas ou­tras uni­da­des da Fe­de­ra­ção, co­mo Mi­nas Ge­rais, Bahia e Ama­zo­nas, já ado­tam o mo­de­lo pro­pos­to e es­tão dis­pos­tas a am­pliá-lo.

Pe­la im­por­tân­cia da ini­ci­a­ti­va do go­ver­no, a dis­cus­são so­bre as Es­co­las Cí­vi­co-Mi­li­ta­res – cu­ja qua­li­da­de de en­si­no é ates­ta­da pe­lo Ín­di­ce de De­sen­vol­vi­men­to da Edu­ca­ção Bá­si­ca (Ideb) – só se­rá inú­til e pre­ju­di­ci­al se for con­du­zi­da em ter­mos ide­o­ló­gi­cos, e não téc­ni­cos. Ori­gi­na­ri­a­men­te, es­sas es­co­las fo­ram cri­a­das pa­ra ofe­re­cer edu­ca­ção bá­si­ca aos de­pen­den­tes de mi­li­ta­res. Com o tem­po, pas­sa­ram a acei­tar es­tu­dan­tes que não es­tão nes­sa con­di­ção, por meio de con­cur­sos pú­bli­cos al­ta­men­te exi­gen­tes. O pro­gra­ma anun­ci­a­do por Bol­so­na­ro e pe­lo ministro da Edu­ca­ção, Abraham

Wein­traub, man­tém es­sa di­re­triz.

As es­co­las que ade­ri­rem ao pro­gra­ma pas­sa­rão a ter uma ges­tão com­par­ti­lha­da. Atu­al­men­te, há 203 es­co­las da re­de pú­bli­ca com ges­tão com­par­ti­lha­da. A ideia é que, até o fi­nal do go­ver­no, 10% das es­co­las des­sa re­de es­te­jam sob es­se ti­po de ges­tão. Pa­ra tan­to, o pro­gra­ma pre­vê que os Es­ta­dos e o Dis­tri­to Fe­de­ral in­di­quem até o fi­nal de se­tem­bro du­as es­co­las da re­de pú­bli­ca de en­si­no bá­si­co pa­ra se in­se­rir no pro­je­to já no pri­mei­ro se­mes­tre le­ti­vo de 2020. A con­di­ção é que cur­sem nes­sas es­co­las de 500 a mil alu­nos do 6.º ao 9.º ano do en­si­no fun­da­men­tal ou do en­si­no mé­dio. A ade­são é vo­lun­tá­ria e o go­ver­no pre­ten­de con­tra­tar ofi­ci­ais mi­li­ta­res da re­ser­va pa­ra que atu­em na tu­to­ria e na área ad­mi­nis­tra­ti­va des­sas es­co­las. Já a par­te pe­da­gó­gi­ca é de res­pon­sa­bi­li­da­de das Se­cre­ta­ri­as da Edu­ca­ção.

O pro­ble­ma des­se mo­de­lo de es­co­la é que ele não é o mais ade­qua­do pa­ra aten­der um uni­ver­so de 50 mi­lhões de alu­nos que es­tu­dam em 150 mil co­lé­gi­os de en­si­no bá­si­co. Di­an­te des­ses nú­me­ros, o ca­mi­nho mais sen­sa­to pa­ra au­men­tar a qua­li­da­de da re­de pú­bli­ca de en­si­no bá­si­co é mo­der­ni­zar os cur­rí­cu­los sem con­ces­sões a mo­dis­mos pe­da­gó­gi­cos, au­men­tar o in­ves­ti­men­to por alu­no, de­fi­nir um nú­me­ro ade­qua­do de es­tu­dan­tes por sa­la de au­la, in­ves­tir nos re­gi­mes de de­di­ca­ção do­cen­te exclusiva e aper­fei­ço­ar a for­ma­ção de ges­to­res es­co­la­res, co­mo re­co­men­dam os es­pe­ci­a­lis­tas.

Nas ve­zes em que tra­tou do te­ma, du­ran­te a cam­pa­nha elei­to­ral, Bol­so­na­ro cha­mou a aten­ção pa­ra o ní­vel de disciplina e o am­bi­en­te de se­gu­ran­ça rei­nan­tes nas es­co­las cí­vi­co-mi­li­ta­res e cri­ti­cou a in­dis­ci­pli­na e a vi­o­lên­cia nas es­co­las pú­bli­cas. Con­tu­do, não se po­de es­que­cer que, ape­sar de seus pro­ble­mas crô­ni­cos, a re­de pú­bli­ca de en­si­no bá­si­co tem mui­tas es­co­las bem ge­ri­das, com mui­ta disciplina e se­gu­ran­ça, e que tam­bém ado­tam pro­je­tos pe­da­gó­gi­cos mais co­la­bo­ra­ti­vos e sin­to­ni­za­dos com as com­pe­tên­ci­as pa­ra o sé­cu­lo 21.

Por is­so, em hi­pó­te­se al­gu­ma se po­de opor o en­si­no cí­vi­co-mi­li­tar ao en­si­no tra­di­ci­o­nal, co­mo se o pri­mei­ro fos­se óti­mo por prin­cí­pio e o se­gun­do fos­se sinô­ni­mo de ruim. Na re­a­li­da­de, os dois mo­de­los de en­si­no cum­prem pa­péis dis­tin­tos no sis­te­ma edu­ca­ci­o­nal. Por sua pró­pria na­tu­re­za, as es­co­las cí­vi­co-mi­li­ta­res são pa­ra pou­cos es­co­lhi­dos, ao pas­so que o en­si­no tra­di­ci­o­nal se des­ti­na à mai­o­ria das cri­an­ças e jo­vens. Eles não são ex­clu­den­tes e me­re­cem tra­ta­men­tos di­fe­ren­ci­a­dos. Co­mo lem­brou a pre­si­den­te do To­dos pe­la Edu­ca­ção, Pris­ci­la Cruz, em en­tre­vis­ta ao Es­ta­do, se in­sis­tir em am­pli­ar de mo­do in­dis­cri­mi­na­do o nú­me­ro de es­co­las cí­vi­co-mi­li­ta­res, o go­ver­no só des­per­di­ça­rá re­cur­sos es­cas­sos, quan­do de­ve­ria se con­cen­trar na for­ma­ção de pro­fes­so­res e im­ple­men­tar o pro­gra­ma de ado­ção de tem­po in­te­gral nos co­lé­gi­os. No que tem to­da a ra­zão.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.