Irã vol­ta a am­pli­ar en­ri­que­ci­men­to de urâ­nio

No­vas cen­trí­fu­gas que vi­o­lam pac­to nu­cle­ar de 2015 es­tão em an­da­men­to e Teerã pe­de pres­sa a europeus pa­ra so­lu­ção de im­pas­se

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal -

O Irã afir­mou on­tem ter re­to­ma­do a ca­pa­ci­da­de de au­men­tar o en­ri­que­ci­men­to de urâ­nio pa­ra além do ní­vel de 20% – ní­vel usa­do pa­ra isó­to­pos apli­ca­dos em tra­ta­men­tos mé­di­cos e na ro­ta pa­ra pro­du­zir armas nu­cle­a­res, cu­jo en­ri­que­ci­men­to é aci­ma de 95%. Ain­da se­gun­do o re­gi­me dos ai­a­to­lás, no­vas cen­trí­fu­gas que vi­o­lam o acor­do de 2015 es­tão em ação.

“Co­me­ça­mos a sus­pen­der li­mi­ta­ções em nos­sa pes­qui­sa e de­sen­vol­vi­men­to im­pos­tas pe­lo acor­do. Is­so irá in­cluir de­sen­vol­vi­men­to de cen­trí­fu­gas mais rá­pi­das e avan­ça­das”, afir­mou o por­ta-voz da agên­cia nu­cle­ar ira­ni­a­na, Beh­rouz Ka­mal­van­di, em en­tre­vis­ta co­le­ti­va trans­mi­ti­da em re­de de rá­dio e TV no Irã.

O pac­to de 2015 con­te­ve o pro­gra­ma nu­cle­ar ira­ni­a­no em tro­ca de alí­vio de san­ções, mas fi­cou aba­la­do des­de que os Es­ta­dos Uni­dos se re­ti­ra­ram do acor­do no ano pas­sa­do e agi­ram pa­ra su­fo­car o co­mér­cio de pe­tró­leo do Irã, com o ar­gu­men­to de que is­so iria em­pur­rar o país pa­ra con­ces­sões de se­gu­ran­ça mais am­plas.

Des­de maio, em re­ta­li­a­ção, o Irã co­me­çou a ex­ce­der os li­mi­tes de sua ca­pa­ci­da­de nu­cle­ar es­ta­be­le­ci­dos no pac­to. Teerã afir­ma que su­as me­di­das são re­ver­sí­veis caso sig­na­tá­ri­os europeus do acor­do con­si­gam res­tau­rar seu aces­so ao co­mér­cio es­tran­gei­ro, pro­me­ti­do sob o acor­do nu­cle­ar, mas blo­que­a­do pe­la no­va po­lí­ti­ca ame­ri­ca­na sob o pre­si­den­te Do­nald Trump.

O acor­do li­mi­tou o ní­vel de pu­re­za que o Irã po­de en­ri­que­cer seu urâ­nio a 3,67% – ade­qua­do pa­ra ge­rar ener­gia ci­vil e bem abai­xo da mar­ca de 95% ne­ces­sá­ri­os pa­ra pro­du­zir armas atô­mi­cas.

Ins­pe­to­res nu­cle­a­res da ONU re­la­ta­ram em ju­lho que o Irã ha­via au­men­ta­do o en­ri­que­ci­men­to pa­ra 4,5% de pu­re­za. Ka­mal­van­di afir­mou que Teerã ago­ra po­de ex­ce­der o ní­vel de 20%, um sal­to sig­ni­fi­ca­ti­vo em di­re­ção aos crí­ti­cos 90%. Se­gun­do ele, no en­tan­to, “não há ne­ces­si­da­de pa­ra is­so ago­ra”.

“As par­tes eu­ro­pei­as do acor­do de­vem sa­ber que não há mui­to tem­po res­tan­te, e que se houver al­gu­ma ação a ser to­ma­da (pa­ra res­ga­tar o pac­to), ela de­ve ser to­ma­da ra­pi­da­men­te”, acres­cen­tou. Na reu­nião do G-7 na Fran­ça, o Irã e EUA ace­na­ram com uma apro­xi­ma­ção.

AFP

Ameaça. Roha­ni tem vi­o­la­do tre­chos de acor­do nu­cle­ar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.