‘Que­re­mos ter apli­ca­ti­vos bra­si­lei­ros no nos­so sis­te­ma’

O Estado de S. Paulo - - Economia - / B.C.

Fun­da­da no fim de 2016, a KaiOS Te­ch é uma em­pre­sa mo­des­ta pa­ra os padrões do Va­le do Si­lí­cio: ho­je, cer­ca de 270 fun­ci­o­ná­ri­os tra­ba­lham pa­ra de­sen­vol­ver o sis­te­ma que quer co­nec­tar 3 bi­lhões de pes­so­as no mun­do que ho­je não têm aces­so à internet. Um de­les é Da­vid Bang, res­pon­sá­vel por fa­zer a pla­ta­for­ma des­lan­char nas Amé­ri­cas – não só atrain­do usuá­ri­os, mas tam­bém fa­bri­can­tes, ope­ra­do­ras e de­sen­vol­ve­do­res pa­ra seu ecos­sis­te­ma.

“É im­por­tan­te ter­mos con­teú­do lo­cal. Que­re­mos que os apps bra­si­lei­ros po­pu­la­res es­te­jam nos ce­lu­la­res com KaiOS”, diz. Ao Es­ta­do, o exe­cu­ti­vo ex­pli­ca que sua pla­ta­for­ma ain­da não fa­tu­ra, re­ve­la os pla­nos pa­ra a ope­ra­ção bra­si­lei­ra e apos­ta no as­sis­ten­te de voz co­mo di­fe­ren­ci­al. “É das tec­no­lo­gi­as mais fá­ceis de se­rem usa­das.”

Qual é o di­fe­ren­ci­al do ce­lu­lar com o sis­te­ma KaiOS?

É fá­cil en­ten­der: ele per­mi­te dei­xar pa­ra trás um mun­do em que só há cha­ma­das de voz e men­sa­gens de texto pa­ra o da internet. Ho­je, há 3 bi­lhões de pes­so­as des­co­nec­ta­das. Pre­ci­sa­mos dar a elas aces­so a fer­ra­men­tas co­mo ma­pas, You­Tu­be e WhatsApp, que ho­je só es­tão dis­po­ní­veis num smartphone, a cus­to bem bai­xo.

Co­mo a KaiOS Te­ch fa­tu­ra?

Ho­je, não fa­tu­ra­mos: nos­so fo­co é cres­cer e al­can­çar bi­lhões de pes­so­as. Não so­mos mui­to di­fe­ren­tes do que era o An­droid no iní­cio: pro­vi­den­ci­a­mos li­cen­ças do sis­te­ma pa­ra ope­ra­do­ras, fa­bri­can­tes e de­sen­vol­ve­do­res de for­ma gra­tui­ta. No fu­tu­ro, va­mos des­co­brir co­mo fa­tu­rar, tal­vez via pu­bli­ci­da­de ou co­bran­do co­mis­são pe­lo down­lo­ad de apps.

Por que o Bra­sil im­por­ta?

É o mer­ca­do nas Amé­ri­cas, o mais im­por­tan­te que te­mos de­pois dos EUA. Os bra­si­lei­ros são afi­ci­o­na­dos por internet e mui­tos de­les já têm um smartphone na mão. Mas a ex­pe­ri­ên­cia que um usuá­rio tem com um ce­lu­lar An­droid de bai­xo cus­to é bem ruim: são apa­re­lhos len­tos e as ba­te­ri­as aca­bam rá­pi­do. O KaiOS po­de ser útil pa­ra quem tem pou­co di­nhei­ro e não po­de gas­tar mui­to pa­ra es­tar co­nec­ta­do.

• Além de Po­si­ti­vo e Mul­ti­la­ser, já há par­ce­ri­as com ou­tras em­pre­sas bra­si­lei­ras?

Por en­quan­to, só as du­as, mas não va­mos nos limitar a elas. Que­re­mos ex­pan­dir nos­so al­can­ce, com ope­ra­do­ras e va­re­jis­tas. Tam­bém é im­por­tan­te ter­mos con­teú­do lo­cal. Que­re­mos que os apps bra­si­lei­ros po­pu­la­res es­te­jam nos ce­lu­la­res com o nos­so sis­te­ma. No fu­tu­ro, de­ve­mos ter exe­cu­ti­vos lo­cais e até um es­cri­tó­rio por aí.

No Bra­sil, a di­fe­ren­ça de pre­ço en­tre um ce­lu­lar com KaiOS e um smartphone de en­tra­da é de me­nos de R$ 100. Co­mo con­ven­cer o consumidor? Apos­ta­mos na ex­pe­ri­ên­cia. O An­droid é um sis­te­ma pe­sa­do pa­ra um ce­lu­lar com con­fi­gu­ra­ções mí­ni­mas, os apli­ca­ti­vos tam­bém. Já os apps do KaiOS são ba­se­a­dos em HTML5, que é uma lin­gua­gem leve. Nos­sa ex­pe­ri­ên­cia é mais flui­da, agra­dá­vel. Além dis­so, va­mos além de ce­lu­la­res sim­ples. Na Eu­ro­pa, por exem­plo, já há apa­re­lhos do ti­po “flip”, com de­sign re­fi­na­do.

• Al­gu­mas fun­ções do KaiOS, co­mo as­sis­ten­te de voz, são bem avan­ça­das. É um con­tras­sen­so?

Não, pe­lo con­trá­rio. O as­sis­ten­te do voz do Go­o­gle tem uma tec­no­lo­gia so­fis­ti­ca­da pa­ra per­ce­ber o usuá­rio es­tá fa­lan­do. Por ou­tro la­do, é uma das tec­no­lo­gi­as mais fá­ceis de se­rem usa­das, por­que requer ape­nas a voz. Pa­ra usuá­ri­os co­mo eu, que fo­ram trei­na­dos a di­gi­tar nos úl­ti­mos dez anos, tal­vez se­ja mais fá­cil usar a te­la sen­sí­vel a to­que do que só aper­tar um bo­tão e fa­lar. Mas, em um dis­po­si­ti­vo com te­cla­do al­fa­nu­mé­ri­co, é di­fí­cil di­gi­tar, de ma­nei­ra que usar a voz faz sen­ti­do e é mais con­for­tá­vel.

• Há quem ve­ja os ce­lu­la­res bá­si­cos co­mo for­ma de se man­ter co­nec­ta­do com o es­sen­ci­al – evi­tan­do a hi­per­co­ne­xão dos smartpho­nes. O que o sr. acha dis­so?

Nos EUA, na Eu­ro­pa e no Bra­sil, vejo pes­so­as bus­can­do um es­ti­lo de vi­da mais mi­ni­ma­lis­ta, sem pre­ci­sar in­te­ra­gir tan­to com tec­no­lo­gia. A hi­per­co­ne­xão é um pro­ble­ma sim, mas nos­so fo­co é ofe­re­cer co­nec­ti­vi­da­de pa­ra quem não es­tá on­li­ne. É um equi­lí­brio fi­no.

KAIOS TE­CH.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.