Pla­ta­for­ma traz ino­va­ções aos ce­lu­la­res bá­si­cos

Já dis­po­ní­vel no País, sis­te­ma KaiOS põe as­sis­ten­te de voz, You­Tu­be e WhatsApp em apa­re­lho sim­ples; me­ta de star­tup é co­nec­tar bi­lhões

O Estado de S. Paulo - - Economia - Bru­no Ca­pe­las

Um smartphone com 4G, WhatsApp, Wi-Fi, Blu­e­to­oth e até as­sis­ten­te de voz já faz par­te do co­ti­di­a­no de mui­ta gen­te. Há, po­rém, mi­lhões de bra­si­lei­ros que ain­da de­pen­dem de ce­lu­la­res bá­si­cos, com te­cla­do al­fa­nu­mé­ri­co e ca­pa­zes ape­nas de fa­zer cha­ma­das de voz e en­vi­ar men­sa­gens de texto. São apa­re­lhos com pou­co ou ne­nhum aces­so à internet. É de olho nes­se pú­bli­co que co­me­çam a che­gar ao País mo­de­los com o sis­te­ma ope­ra­ci­o­nal KaiOS. Fei­to pe­la star­tup ame­ri­ca­na homô­ni­ma, a pla­ta­for­ma per­mi­te que apa­re­lhos sim­ples – da­que­les que só ser­vi­am pa­ra o jo­go da co­bri­nha – pos­sam es­tar co­nec­ta­dos e usar re­cur­sos co­mo re­des so­ci­ais, men­sa­gens ins­tan­tâ­ne­as e uma lo­ja de apli­ca­ti­vos pró­pria.

“Nos­sa me­ta é co­nec­tar os 3 bi­lhões de pes­so­as no mun­do que ho­je não têm aces­so à internet”, diz Da­vid Bang, vi­ce-pre­si­den­te da KaiOS Te­ch pa­ra as Amé­ri­cas. Pa­ra cum­prir es­sa mis­são, a star­tup fun­da­da em 2016, na Ca­li­fór­nia, apos­ta em um sis­te­ma leve, cu­jos apli­ca­ti­vos são ba­se­a­dos na lin­gua­gem HTML5 – a mes­ma usa­da pe­las pá­gi­nas de internet mais mo­der­nas. É des­sa for­ma que mes­mo apa­re­lhos sim­ples, com me­mó­ria e ar­ma­ze­na­men­to abai­xo de 1 GB (gi­gaby­te) con­se­guem ro­dar apps co­mo WhatsApp, Fa­ce­bo­ok e You­Tu­be.

À disposição dos usuá­ri­os, há ain­da uma lo­ja com cer­ca de 70 apli­ca­ti­vos e jo­gos. Pen­sa­do pa­ra as ne­ces­si­da­des atu­ais do usuá­rio – ao con­trá­rio de sis­te­mas an­ti­gos ain­da usa­dos pe­las fa­bri­can­tes de ce­lu­la­res nos “ba­si­cões” –, o KaiOS tem fun­ci­o­na­li­da­des co­mo Wi-Fi, Blu­e­to­oth e com­pa­ti­bi­li­da­de com chips 3G e 4G.

A re­cei­ta po­de pa­re­cer pre­ten­si­o­sa, mas mais de 100 mi­lhões de ce­lu­la­res com o sis­te­ma já fun­ci­o­nam em to­do o mun­do. Na Ín­dia, um dos mer­ca­dos-al­vo da star­tup, o KaiOS tem 3,1% do mer­ca­do. É o se­gun­do sis­te­ma ope­ra­ci­o­nal mó­vel mais po­pu­lar por lá, à fren­te do iOS da Apple (2,65%), se­gun­do a con­sul­to­ria StatCoun­ter. “Na Ín­dia, o mer­ca­do de ce­lu­la­res sim­ples gi­ra em tor­no de 30%, é bem gran­de. Os ce­lu­la­res com KaiOS cus­tam em tor­no de US$ 50, são al­ter­na­ti­va barata pa­ra quem pre­ci­sa se co­nec­tar”, diz Anshul Gup­ta, di­re­tor de aná­li­ses da con­sul­to­ria Gart­ner.

Uma das in­ves­ti­do­ras da KaiOS Te­ch é a ope­ra­do­ra in­di­a­na Re­li­an­ce Jio. Ou­tra é o Go­o­gle, que co­lo­cou US$ 22 mi­lhões na em­pre­sa em 2018, a des­pei­to de com­pe­tir com ela com seu An­droid em apa­re­lhos de en­tra­da. “O KaiOS tem pa­pel im­por­tan­te em dar aces­so à internet pa­ra mi­lhões de no­vos usuá­ri­os, por um bai­xo cus­to – es­pe­ci­al­men­te em paí­ses nos quais ain­da há um mer­ca­do pa­ra ce­lu­la­res bá­si­cos, co­mo no Bra­sil”, dis­se o Go­o­gle ao Es­ta­do.

As­sim co­mo o An­droid, o KaiOS po­de ser usa­do por qual­quer fa­bri­can­te, por ter li­cen­ça li­vre – a em­pre­sa ain­da não tem fa­tu­ra­men­to, mas es­tu­da mo­de­los co­mo pu­bli­ci­da­de e co­mis­são por down­lo­ads fei­tos na lo­ja de apli­ca­ti­vos.

Ho­ri­zon­te.

No Bra­sil, há ape­nas um mo­de­lo com o sis­te­ma dis­po­ní­vel nas lo­jas: é o Po­si­ti­vo P70S, com pre­ço su­ge­ri­do de R$ 280. “Quem com­pra ho­je um ce­lu­lar sim­ples (ou fe­a­tu­re pho­ne, no­me da­do à ca­te­go­ria pe­la in­dús­tria) tem re­cur­sos mui­to li­mi­ta­dos. O KaiOS vem pa­ra mu­dar is­so”, diz Nor­ber­to Ma­ras­chin, vi­ce-pre­si­den­te de mobilidade da fa­bri­can­te pa­ra­na­en­se Po­si­ti­vo (leia ao la­do)

Até o fim do mês, che­ga ao va­re­jo o Zapp, da Mul­ti­la­ser, com pre­ço su­ge­ri­do de R$ 259. Os dois mo­de­los têm ape­nas co­nec­ti­vi­da­de 3G, mas de­vem ga­nhar em bre­ve ver­sões 4G – se­gun­do os exe­cu­ti­vos, fal­ta a ho­mo­lo­ga­ção da Agên­cia Na­ci­o­nal de Te­le­co­mu­ni­ca­ções (Ana­tel).

Pa­ra Ma­ras­chin, da Po­si­ti­vo, a che­ga­da ao 4G po­de atrair um no­vo ali­a­do do sis­te­ma KaiOS: as ope­ra­do­ras que que­rem de­so­cu­par as fai­xas de frequên­cia ho­je usa­das pe­lo 2G. “Pa­ra elas, man­ter es­sas re­des ati­vas não é um bom ne­gó­cio, por­que são usa­das por um pú­bli­co que gas­ta pou­co”, diz. No mo­men­to, a KaiOS não tem ne­nhu­ma par­ce­ria com as ope­ra­do­ras lo­cais – em­bo­ra Bang di­ga es­tar em con­ta­to com as em­pre­sas.

Os dois apa­re­lhos bra­si­lei­ros com o KaiOS tra­zem ain­da dois bo­tões es­pe­ci­ais: um de­les ati­va co­man­dos de voz pe­lo Go­o­gle As­sis­tant, as­sis­ten­te pes­so­al da gi­gan­te ame­ri­ca­na. Ou­tro co­me­ça a gra­var uma men­sa­gem de áu­dio no WhatsApp ao ser aper­ta­do. “São re­cur­sos que com­pen­sam a di­fi­cul­da­de de se di­gi­tar em um te­cla­do al­fa­nu­mé­ri­co”, afir­ma Bang. “Ao mes­mo tem­po, tam­bém é uma tec­no­lo­gia fá­cil de ser usa­da.”

Na ba­la­da. Jun­tas, Po­si­ti­vo e Mul­ti­la­ser pre­ten­dem ata­car um mer­ca­do com po­ten­ci­al de cres­ci­men­to. Se­gun­do da­dos da Ana­tel, ho­je há mais de 20 mi­lhões de li­nhas ati­vas no Bra­sil ain­da com co­ne­xão 2G. Além dis­so, 2,5 mi­lhões de ce­lu­la­res bá­si­cos fo­ram ven­di­dos no País em 2018, de acor­do com a con­sul­to­ria IDC Bra­sil. Pa­ra 2019, a pre­vi­são é de que as ven­das gi­rem em tor­no de 3 mi­lhões de uni­da­des.

“São pro­du­tos ba­ra­tos, em tor­no de R$ 200. É um mer­ca­do que não é des­pre­zí­vel”, diz Re­na­to Mei­re­les, ana­lis­ta da IDC Bra­sil. “E o pú­bli­co é fi­el: a mai­o­ria dos usuá­ri­os é de bai­xa ren­da ou ido­sos que não se adap­ta­ram bem aos smartpho­nes e pre­fe­rem o te­cla­do an­ti­go.”

A apos­ta, com os no­vos re­cur­sos do KaiOS, é que os ce­lu­la­res bá­si­cos sir­vam tam­bém co­mo “se­gun­da op­ção” pa­ra um pú­bli­co mais exi­gen­te. “Com WhatsApp e re­des so­ci­ais, es­se apa­re­lho po­de vi­rar o ce­lu­lar pa­ra le­var pa­ra a ba­la­da, o jo­go de fu­te­bol ou o blo­qui­nho de car­na­val”, diz Fa­bi­a­no Fa­ve­ro, ge­ren­te de pro­du­to da Mul­ti­la­ser.

De­sa­fio. O de­sa­fio da KaiOS se­rá provar que sua pro­pos­ta va­le mais a pe­na do que um pro­du­to que, à pri­mei­ra vis­ta, é su­pe­ri­or tec­no­lo­gi­ca­men­te: o smartphone de en­tra­da, que usa o sis­te­ma An­droid, com uma lo­ja com mi­lhões de apli­ca­ti­vos e fun­ci­o­na­li­da­des co­mo te­la sen­sí­vel a to­que. Se­gun­do Mei­re­les, da IDC, apa­re­lhos des­se ti­po po­dem cus­tar cer­ca de R$ 400. A di­fe­ren­ça de va­lor po­de pa­re­cer pe­que­na, mas é con­si­de­rá­vel pa­ra o pú­bli­co de bai­xa ren­da.

“Con­se­guir um pre­ço com­pe­ti­ti­vo pa­ra o Zapp é al­go que ti­rou nos­so so­no”, diz Fa­ve­ro, da Mul­ti­la­ser. “Por ou­tro la­do, creio que o soft­ware do KaiOS traz uma ex­pe­ri­ên­cia mais flui­da que a de um smartphone de en­tra­da.” É no que apos­ta Da­vid Bang. “Ho­je, um An­droid ba­ra­to é um ce­lu­lar len­to, que não fun­ci­o­na bem e tem ba­te­ria que aca­ba rá­pi­do”, diz ele. “Mas não te­mos pres­sa: nos­sa me­ta ago­ra é ape­nas apre­sen­tar o sis­te­ma aos bra­si­lei­ros.”

WERTHER SAN­TA­NA/ES­TA­DÃO-22/8/2019

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.