Jul­gar e con­de­nar

Da­ta es­te­lar: Sol e Jú­pi­ter em qua­dra­tu­ra; Lua cres­ce em Capricórni­o

O Estado de S. Paulo - - Caderno2 - OS­[email protected]

Di­zem por aí que se não jul­gás­se­mos uns aos outros, tu­do se­ria pa­cí­fi­co e ha­ve­ria diá­lo­go. Te afir­mo ca­te­go­ri­ca­men­te que é impossível e con­tra­pro­du­cen­te ten­tar não jul­gar, por­que nos­sa men­te fun­ci­o­na jul­gan­do e dis­cer­nin­do. O pro­ble­ma não é jul­gar, mas con­de­nar pre­ci­pi­ta­da­men­te aqui­lo que te con­tra­ri­ar; is­so sim é um er­ro, por­que quan­do con­de­na­mos dei­xa­mos de usar nos­sas fun­ções in­te­lec­tu­ais e nos ori­en­ta­mos por pai­xões ce­gas e bur­ras. Exer­ci­tar-se na im­par­ci­a­li­da­de do jul­ga­men­to, eis al­go que de­ve­ria to­mar mui­to tem­po diá­rio de nos­sos ra­ci­o­cí­ni­os, mas is­so, evi­den­te­men­te, dá tra­ba­lho, e nos­sa hu­ma­ni­da­de é pre­gui­ço­sa quan­do o as­sun­to é de­sen­vol­ver fun­ções. Por is­so, con­de­na­mos sem jul­gar, nos agar­ran­do a ar­gu­men­tos par­ci­ais, co­mo se es­ses fos­sem fru­to de ra­ci­o­cí­ni­os ela­bo­ra­dos e ve­ri­fi­ca­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.