Duras de ma­tar, as he­roí­nas de Bes­son Ci­ne­ma.

De­pois de ‘Ni­ki­ta’ e ‘Lucy’, o di­re­tor ago­ra es­treia ‘An­na – O Pe­ri­go Tem No­me’, tra­ma de es­pi­o­na­gem no mun­do da mo­da

O Estado de S. Paulo - - Caderno2 - Luiz Car­los Mer­ten

Só mes­mo Luc Bes­son pa­ra fa­zer do mun­do da mo­da a fa­cha­da pa­ra uma tra­ma vi­o­len­ta de es­pi­o­na­gem. É o que ele pro­põe em seu no­vo lon­ga, An­na – O Pe­ri­go Tem No­me, em car­taz nos ci­ne­mas. Es­tre­la­do por Sasha Luss, é a his­tó­ria de top rus­sa que es­con­de um se­gre­do. Na ver­da­de, é uma agen­te do go­ver­no rus­so nu­ma mis­são se­cre­ta em Pa­ris. Ao com­prar o in­gres­so, a úni­ca coi­sa que vo­cê pre­ci­sa sa­ber é que An­na foi mui­to bem trei­na­da pa­ra es­se con­fron­to en­tre KGB e CIA, que Bes­son si­tua nos anos 1980, num mo­men­to crí­ti­co da Guer­ra Fria. As mu­lhe­res de Bes­son não são fa­ta­les nem me­ros ob­je­tos de de­se­jo em pan­ca­da­ri­as le­va­das por ma­chos vi­o­len­tos. Têm ‘ca­ma­das’. An­na é das mais com­ple­xas.

Cri­a­do na Gré­cia por pais fran­ce­ses que eram instrutore­s de mergulho de um Club Me­di­ter­ra­née, Bes­son des­de ce­do apren­deu a amar o mar. Trans­for­ma­do em ci­ne­as­ta, um de seus pri­mei­ros su­ces­sos – em 1988 – foi jus­ta­men­te a Imen­si­dão Azul. Há mais de 30 anos, ele faz um ci­ne­ma es­pe­ta­cu­lar, gran­di­o­so – e que os crí­ti­cos se es­me­ram em odi­ar. Mes­mo as­sim, há que re­co­nhe­cer em Bes­son um fa­ze­dor de su­ces­sos, com uma que­da pe­la fic­ção ci­en­tí­fi­ca (O Quin­to Ele­men­to) e a ação.

Só que – e es­se é o to­que eu­ro­peu –, ele não é atraído so­men­te por he­róis (Le­on , O Pro­fis­si­o­nal), mas tam­bém por he­roí­nas. Fez de An­ne Par­ril­laud uma mu­lher trei­na­da pa­ra ma­tar – La Fem­me Ni­ki­ta –, e o fil­me ga­nhou uma ver­são em Hollywo­od (A As­sas­si­na), es­tre­la­da por Brid­get Fon­da. Mais re­cen­te­men­te, di­ri­giu Scar­let Johans­son em Lucy, e o fil­me, par­ti­cu­lar­men­te exe­cra­do pe­la crí­ti­ca – até pa­ra os padrões de Bes­son –, mis­tu­ra­va du­as ten­dên­ci­as, fic­ção ci­en­tí­fi­ca e es­pi­o­na­gem, pro­pon­do uma es­pé­cie de in­ter­pre­ta­ção pa­ra a gê­ne­se de Hal 9000, o com­pu­ta­dor do clás­si­co 2001, Uma Odisseia no Es­pa­ço, de Stan­ley Ku­brick. Lucy, ou a in­crí­vel his­tó­ria da mu­lher que vi­rou com­pu­ta­dor.

Mes­mo que o ci­ne­ma in­dus­tri­al te­nha ba­na­li­za­do o cho­que tem­po-es­pa­ço – que es­cul­piu o ima­gi­ná­rio de um gran­de da ci­ne­ma­to­gra­fia fran­ce­sa, Alain Res­nais –, Bes­son ain­da con­se­gue sur­pre­en­der. Em vez de revelar de ca­ra o mis­té­rio de An­na, ele re­cor­re ao cho­que de tem­po pa­ra ir mos­tran­do aos pou­cos quem é es­sa mu­lher. Co­mo foi trei­na­da e co­mo che­gou à po­si­ção em que ago­ra se en­con­tra. Es­sas ‘ca­ma­das’ evo­cam as ma­tri­os­kas, bo­ne­cas rus­sas que vão sen­do re­ti­ra­das umas de den­tro das ou­tras.

No ro­tei­ro es­cri­to pe­lo di­re­tor, An­na é es­miu­ça­da a par­tir da apa­rên­cia. A mo­de­lo se­cre­ta, a es­piã da KGB, es­cul­pi­da na me­ni­na ór­fã. E, a des­pei­to de sua apa­ren­te fra­gi­li­da­de, ela é trei­na­da pa­ra su­pe­rar com sua for­ça in­te­ri­or os mo­men­tos de fra­que­za. Nes­se sen­ti­do, con­se­gue ser mais for­te do que qual­quer ho­mem – os per­so­na­gens in­ter­pre­ta­dos por Lu­ke Evans e Cil­li­an Murphy – que cru­za seu ca­mi­nho.

De for­ma mui­to in­te­res­san­te, a tra­ma for­ne­ce os ele­men­tos pa­ra se en­ten­der a pri­são psi­co­ló­gi­ca em que An­na se sen­te. Ao se re­be­lar, tu­do o que ela faz é pa­ra ad­qui­rir au­to­no­mia. An­na quer ser li­vre, co­mo qual­quer mu­lher em­po­de­ra­da dos tem­pos mo­der­nos. No pro­ces­so, ga­nha al­gu­mas aju­das ines­pe­ra­das, co­mo a da ‘rai­nha’ He­len Mir­ren, sua su­pe­ri­or hi­e­rár­qui­ca – Ol­ga – na agên­cia rus­sa de es­pi­o­na­gem. E é tu­do, me­nos ob­je­to. No pas­sa­do, so­freu abu­so, mas ago­ra, nem na con­di­ção de mo­de­lo, pa­ra não le­van­tar sus­pei­tas, ela se dei­xa usar – a ce­na em que cons­tran­ge o fo­tó­gra­fo é exem­plo dis­so.

Bes­son, que já foi ca­sa­do com Mil­la Jo­vo­vi­ch, é atraído pe­lo fe­mi­ni­no, mas não por mu­lhe­res fra­cas. Pre­fe­re as for­tes. Na fic­ção, elas são sem­pre po­de­ro­sas – Mil­la, An­ne, Scar­lett. À lis­ta, so­ma-se Sasha Luss, uma top rus­sa que o di­re­tor trans­for­mou em es­tre­la. O fil­me é bem di­ver­ti­do co­mo es­pe­tá­cu­lo de ação. Só exis­te um se­não. Pa­ra um ho­mem que ce­le­bra tan­to as mu­lhe­res, Bes­son vem so­fren­do, na tri­lha aber­ta pe­lo mo­vi­men­to #MeToo, sérias acu­sa­ções de as­sé­dio e até es­tu­pro. Cin­co mu­lhe­res, in­cluin­do uma atriz, uma ex-as­sis­ten­te e du­as ex-fun­ci­o­ná­ri­as da em­pre­sa pro­du­to­ra Eu­ro­paCorp, que ele cri­ou, o le­va­ram à Justiça. É co­mo se o fei­ti­ço do em­po­de­ra­men­to que Bes­son es­ti­mu­la na fic­ção se vol­tas­se con­tra ele na re­a­li­da­de, mas ca­be res­sal­tar que ele nun­ca acei­tou acor­do e bri­ga pa­ra provar sua ino­cên­cia.

PA­RIS FIL­MES

Sasha Luss. Ela é An­na, uma agen­te do go­ver­no rus­so nu­ma mis­são se­cre­ta em Pa­ris

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.