Quei­jos são os pri­mei­ros da fi­la da Lei do Se­lo Ar­te

Re­gu­la­men­ta­da, lei per­mi­te que itens ar­te­sa­nais cir­cu­lem pe­lo País, mas há bar­rei­ras re­gi­o­nais

O Estado de S. Paulo - - Oportunida­des & Leilões - Ana Pau­la Bo­ni

Pro­du­tor de quei­jo em Ita­pe­ti­nin­ga (SP), Mar­tin Breu­er tem a pos­si­bi­li­da­de des­de o mês de ju­lho de ven­der seus quei­jos pa­ra to­do o Bra­sil mes­mo não ten­do um se­lo de ins­pe­ção fe­de­ral. Co­mo pro­du­tor ar­te­sa­nal, ga­nhou a chan­ce­la com a re­gu­la­men­ta­ção da Lei do Se­lo Ar­te, que ti­ra da mar­gi­na­li­da­de pe­que­nos pro­du­to­res de itens de ori­gem ani­mal, co­mo quei­jos, em­bu­ti­dos e méis.

A re­cen­te re­gu­la­men­ta­ção, no en­tan­to, tem cau­sa­do con­fu­são em gru­pos de quei­jei­ros, que ques­ti­o­nam de­ta­lhes do texto do go­ver­no fe­de­ral e têm dú­vi­das so­bre com quem fi­ca a fis­ca­li­za­ção. Além dis­so, no Es­ta­do de São Pau­lo, a le­gis­la­ção vi­gen­te im­põe en­tra­ves pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do ar­te­sa­nal.

As­sim, quei­jos de Mar­tin ain­da não po­dem cir­cu­lar pe­lo País, en­quan­to no mês pas­sa­do 14 quei­jei­ros mi­nei­ros já fo­ram au­to­ri­za­dos pe­lo go­ver­no es­ta­du­al a os­ten­tar o Se­lo Ar­te. Gros­so mo­do, a Lei do Se­lo Ar­te, apro­va­da em 2018 e re­gu­la­men­ta­da no mês pas­sa­do, é um aden­do à lei 1.283 de 1950, que re­ge a ins­pe­ção de pro­du­tos de ori­gem ani­mal no País e que nes­ses úl­ti­mos qua­se 70 anos só ser­via pa­ra a gran­de in­dús­tria. “An­tes de 1950, o pe­que­no tam­bém po­dia ven­der, mas a lei re­gu­la­men­tou o agroin­dus­tri­al e nós caí­mos na clan­des­ti­ni­da­de”, afir­ma João Car­los Leite, pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção dos Pro­du­to­res de Quei­jo da Ca­nas­tra (Apro­can) e pro­du­tor dos quei­jos Roça da Ci­da­de. É um dos 14 pro­du­to­res de Mi­nas que já pos­su­em o Se­lo Ar­te.

Além de re­co­nhe­cer os ar­te­sa­nais e li­be­rá-los do rí­gi­do Se­lo de Ins­pe­ção Fe­de­ral (SIF) pa­ra po­der cir­cu­lar pe­lo País – pois po­de­rão fa­zer is­so ape­nas com o se­lo de ins­pe­ção do Es­ta­do –, a lei tam­bém fo­men­ta o em­pre­en­de­do­ris­mo já que ser­ve co­mo um cer­ti­fi­ca­do de pro­ce­dên­cia. Se­gun­do es­ti­ma­ti­va do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, cer­ca de 170 mil pro­du­to­res de quei­jo ar­te­sa­nal de­vem ser be­ne­fi­ci­a­dos.

Pa­ra ob­ter o Se­lo Ar­te, o pro­du­tor de­ve ter o se­lo de ins­pe­ção de seu Es­ta­do. Is­so sig­ni­fi­ca, ex­pli­ca o mi­nis­té­rio, que o no­vo se­lo não acar­re­ta no­va fis­ca­li­za­ção nem que mu­dou o fis­ca­li­za­dor. Co­mo já ocor­re, a pro­du­ção é fis­ca­li­za­da por ór­gãos de de­fe­sa agro­pe­cuá­ria; e a co­mer­ci­a­li­za­ção, ór­gãos de vi­gi­lân­cia sa­ni­tá­ria, co­mo a An­vi­sa.

Se­gun­do Ro­dri­go Al­mei­da, co­or­de­na­dor de pro­du­ção ar­te­sa­nal do De­par­ta­men­to das Ca­dei­as Pro­du­ti­vas do mi­nis­té­rio, os Es­ta­dos de­vem in­cluir os pro­du­to­res no Ca­das­tro Na­ci­o­nal de Pro­du­tos Ar­te­sa­nais. Com is­so, quan­do um pro­du­to de São Pau­lo ten­tar en­trar em ou­tro Es­ta­do com o Se­lo Ar­te, a fis­ca­li­za­ção po­de con­sul­tar no ca­das­tro se aque­le pro­du­to tem o se­lo. “A ideia é que se­ja o me­nos bu­ro­crá­ti­co pos­sí­vel. Se já tem o se­lo es­ta­du­al, o Es­ta­do po­de con­ce­der o Se­lo Ar­te pa­ra o pro­du­tor que se­gue as nor­ma­ti­vas.”

São es­sas nor­ma­ti­vas – quan­do a lei de­ter­mi­na a con­ces­são do se­lo a itens “pro­du­zi­dos de for­ma ar­te­sa­nal” – que cri­am um hi­a­to en­tre Es­ta­dos co­mo Mi­nas e São Pau­lo. Em Mi­nas, a le­gis­la­ção es­ta­du­al já de­no­mi­na e per­mi­te, des­de 2013, a “pro­du­ção de quei­jo mi­nas ar­te­sa­nal ex­clu­si­va­men­te a par­tir de leite cru de va­ca”. Ho­je, são cer­ca de 300 mi­nei­ros que se en­qua­dram na des­cri­ção e pos­su­em o se­lo de ins­pe­ção es­ta­du­al.

Já em São Pau­lo, a lei es­ta­du­al que re­ge os pro­du­tos ar­te­sa­nais

(o Sisp Ar­te­sa­nal), de 2000, es­ta­be­le­ce que o leite de­ve ser pas­teu­ri­za­do, o que eli­mi­na o quei­jo de leite cru. As­sim, per­gun­tam os quei­jei­ros, co­mo o Se­lo Ar­te vai fo­men­tar o ar­te­sa­nal?

“Em Mi­nas, o fo­co es­tá no ar­te­sa­nal. Aqui em São Pau­lo sem­pre pre­va­le­ceu a in­dús­tria. Pa­ra o Se­lo Ar­te va­ler aqui, o Sisp Ar­te­sa­nal tem de es­tar atu­a­li­za­do”, de­fen­de Mar­tin Breu­er, vi­ce-pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Pau­lis­ta do Quei­jo Ar­te­sa­nal (APQA).

Pa­ra o pro­du­tor de leite Wan­der Bas­tos, que tam­bém é mem­bro da APQA, “o pro­ble­ma em São Pau­lo não é a ob­ten­ção do Se­lo Ar­te, mas do Sisp em si”. “Ho­je, ca­da re­cei­ta de quei­jo tem de ter uma sa­la di­fe­ren­te. A gen­te quer mu­dar is­so. Pa­ra que o la­ti­cí­nio um pou­co mai­or, mas ain­da pe­que­no, tam­bém pos­sa dis­tri­buir pe­lo País, mes­mo sem ser ‘ar­te­sa­nal’ no Es­ta­do”, diz Bas­tos, que é co­or­de­na­dor da Co­mis­são de Bo­vi­no­cul­tu­ra de Leite da Fe­de­ra­ção da Agri­cul­tu­ra e Pe­cuá­ria do Es­ta­do (Fa­esp).

De acor­do com Bru­no Ber­ga­mo Ruf­fo­lo, da Se­cre­ta­ria de Agri­cul­tu­ra de São Pau­lo, uma pos­sí­vel atu­a­li­za­ção da lei es­ta­du­al ser­vi­ria pa­ra con­tem­plar o pe­que­no pro­du­tor que es­tá fo­ra da zo­na ru­ral, co­mo nu­ma mi­ni­fá­bri­ca em Gu­a­ru­lhos. Por não es­tar na zo­na ru­ral, não po­de ser con­si­de­ra­do pe­lo Sisp Ar­te­sa­nal e não po­de ob­ter o Se­lo Ar­te.

Mas, en­quan­to uma even­tu­al atu­a­li­za­ção não be­ne­fi­cia no­vos pro­du­to­res, os que já pos­su­em o Sisp Ar­te­sa­nal não de­vem ter pro­ble­ma. “Aqui te­mos leis si­mi­la­res (às fe­de­rais). Num pri­mei­ro mo­men­to, se­ria só uma ve­ri­fi­ca­ção de pro­ce­di­men­to (pa­ra dar o Se­lo Ar­te). De­ve­mos fa­zer aná­li­se caso a caso”, diz Ruf­fo­lo, di­re­tor subs­ti­tu­to do Cen­tro de Ins­pe­ção de Pro­du­tos de Ori­gem Ani­mal.

LEO MAR­TINS/ES­TA­DÃO

FRANCIELY EDUARDA

Ar­te­sa­nal. Ma­ris­te­la e Mar­tin Breu­er, da Fa­zen­da San­ta Lu­zia (SP); à esq. quei­jo da Roça da Ci­da­de (MG)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.