O RO­MAN­CE DE DÖ­BLIN VIS­TO POR BEN­JA­MIN

O Estado de S. Paulo - - Aliás - Wal­ter Ben­ja­min

Acon­te­ce com o sal épi­co o mes­mo que com o sal quí­mi­co: ele tor­na mais du­rá­veis as coi­sas às quais se mes­cla. E a du­ra­bi­li­da­de é um cri­té­rio da li­te­ra­tu­ra épi­ca, num sen­ti­do in­tei­ra­men­te dis­tin­to da du­ra­bi­li­da­de que ca­rac­te­ri­za os de­mais gê­ne­ros li­te­rá­ri­os. Mas não se tra­ta de uma du­ra­ção no tem­po, e sim no lei­tor. O ver­da­dei­ro lei­tor lê uma obra épi­ca pa­ra “conservar” cer­tas coi­sas. E, sem dú­vi­da, ele con­ser­va du­as coi­sas des­se li­vro: o epi­só­dio do bra­ço e o de Mi­et­ze. Por que Franz Bi­ber­kopf é jo­ga­do de­bai­xo de um car­ro, per­den­do um bra­ço? E por que lhe ti­ram a ami­ga e a ma­tam? A res­pos­ta es­tá na se­gun­da pá­gi­na do li­vro. “Por­que ele exi­ge da vi­da mais que um san­duí­che”. Nes­se caso, não exi­ge re­fei­ções abun­dan­tes, di­nhei­ro ou mu­lhe­res, mas al­go de pi­or. Seu “gran­de fo­ci­nho" fa­re­ja uma coi­sa que não tem for­ma. Ele es­tá con­su­mi­do por uma fo­me – a do des­ti­no. Na­da mais. Es­se ho­mem pre­ci­sa pin­tar o di­a­bo na pa­re­de, “al fres­co”, sem­pre de no­vo. Não ad­mi­ra, por­tan­to, que sem­pre de no­vo o di­a­bo apa­re­ça, pa­ra bus­cá-lo. Co­mo es­sa fo­me de des­ti­no é sa­ci­a­da, sa­ci­a­da por to­da a vi­da, ce­den­do lu­gar à sa­tis­fa­ção com o san­duí­che, e co­mo o mar­gi­nal se trans­for­ma num sá­bio – es­se é o iti­ne­rá­rio de sua vi­da. No fim, Franz Bi­ber­kopf se con­ver­te num ho­mem sem des­ti­no, “es­per­to”, co­mo di­zem os ber­li­nen­ses. Dö­blin des­cre­veu es­se “ama­du­re­ci­men­to” de Franz com uma ar­te inesquecív­el.

As­sim co­mo du­ran­te o Bar­miswoh os ju­deus di­vul­gam à cri­an­ça o seu se­gun­do no­me, até en­tão se­cre­to, Dö­blin dá a Bi­ber­kopf um se­gun­do pre­no­me. Ele se cha­ma, ago­ra, Franz Karl. Ao mes­mo tem­po, acon­te­ce al­go de mui­to es­tra­nho com es­se Franz Karl, que se tor­nou aju­dan­te de por­tei­ro nu­ma fá­bri­ca. Não po­de­mos ju­rar que Dö­blin ti­ves­se per­ce­bi­do is­so, em­bo­ra co­nhe­ces­se seu he­rói tão in­ti­ma­men­te. O que acon­te­ce é o se­guin­te: Franz Bi­ber­kopf dei­xa de ser exem­plar e as­cen­de, em vi­da, ao céu dos per­so­na­gens ro­ma­nes­cos. A es­pe­ran­ça e a me­mó­ria o con­so­la­rão, do­ra­van­te, nes­se céu, seu cu­bí­cu­lo de por­tei­ro, por­que é mais “es­per­to” que os outros. Mas nós não o vi­si­ta­re­mos nes­se cu­bí­cu­lo. Pois es­sa é a lei da for­ma ro­ma­nes­ca: no mo­men­to em que o he­rói con­se­gue aju­dar­se, sua exis­tên­cia não po­de mais aju­dar-nos. E se é cer­to que es­sa ver­da­de vem à luz, em sua for­ma mais gran­di­o­sa e mais im­pla­cá­vel, na Edu­ca­ti­on Sen­ti­men­ta­le, en­tão a his­tó­ria de Franz Bi­ber­kopf é a Edu­ca­ti­on Sen­ti­men­ta­le dos mar­gi­nais. O es­tá­gio mais ex­tre­mo, mais ver­ti­gi­no­so, mais definitivo, mais avan­ça­do, do ve­lho “ro­man­ce de for­ma­ção” do pe­río­do bur­guês.

TRE­CHO DO ENSAIO SO­BRE ‘BER­LIM ALE­XAN­DER­PLATZ’, DE AU­TO­RIA DE WAL­TER BEN­JA­MIN, IN­CLUÍ­DO NO LI­VRO ‘WAL­TER BEN­JA­MIN, OBRAS ES­CO­LHI­DAS’ , PU­BLI­CA­DO PE­LA EDITORA BRASILIENS­E

DEUTSCHES RUNDFUNKAR­CHIV

Au­tor. Re­tra­to da mi­sé­ria mo­ral em Wei­mar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.