O BICENTENÁR­IO SEM FES­TA DE CLA­RA SCHUMANN

O Estado de S. Paulo - - Aliás - João Mar­cos Co­e­lho ✽

“Acre­di­tei que ti­nha ta­len­to cri­a­ti­vo, mas de­sis­ti des­ta ideia; uma mu­lher não po­de de­se­jar com­por – nun­ca hou­ve ne­nhu­ma ca­paz dis­so. E eu se­rei a pri­mei­ra? Se­ria ar­ro­gân­cia mi­nha acre­di­tar nis­so. Meu pai ten­tou me in­flu­en­ci­ar nes­te sen­ti­do. Mas lo­go de­sis­ti. Que Robert pos­sa sem­pre com­por, is­so sem­pre me fa­rá fe­liz”. Es­ta con­fis­são foi fei­ta por Cla­ra Wi­eck pou­co an­tes de se ca­sar, em 1840, com Robert Schumann (1810-1856). A de­ses­pe­ran­ça des­ta mu­lher, consciente de que ti­nha igual ta­len­to ao pi­a­no e com­pon­do, trans­for­ma­va-se na amar­ga cer­te­za de que não te­ria a me­nor chan­ce de se afir­mar co­mo com­po­si­to­ra. Es­ta­va con­de­na­da a sus­ten­tar com re­ci­tais os oi­to fi­lhos e o ma­ri­do (iro­nia, li­mi­ta­do à com­po­si­ção por cau­sa do mau uso de uma en­ge­nho­ca que pro­me­tia me­lho­rar seu de­sem­pe­nho co­mo pi­a­nis­ta). Ela nas­ceu em Frank­furt em 13 de se­tem­bro de 1819, há exa­tos 200 anos. E ho­je é lem­bra­da ape­nas co­mo pi­a­nis­ta, mu­lher de Robert e pivô de um tri­ân­gu­lo amo­ro­so platô­ni­co en­vol­ven­do o jo­vem Johan­nes Brahms (1833-1897). A mai­or par­te das econô­mi­cas co­me­mo­ra­ções mun­do afo­ra são de pi­a­nis­tas, que aca­bam mis­tu­ran­do, em no­vas gra­va­ções, pe­ças de­la com as de Robert. Por aqui, na­da.

Com ab­so­lu­ta ra­zão, Char­les Ro­sen (19272012), o du­blê de pi­a­nis­ta e mu­si­có­lo­go, é ta­xa­ti­vo em seu mo­nu­men­tal li­vro “A Ge­ra­ção Ro­mân­ti­ca” (Edusp, 2000, pg. 864/6): “Cla­ra foi sem dú­vi­da um gran­de ta­len­to, tal­vez a prin­ci­pal ví­ti­ma do pre­con­cei­to do sé­cu­lo 19 con­tra os com­po­si­to­res do se­xo fe­mi­ni­no, que tem se man­ti­do até os nos­sos di­as (...) su­as am­bi­ções en­quan­to com­po­si­to­ra fo­ram re­fre­a­das por Robert de­pois do ca­sa­men­to”. E com­ple­ta: “Nin­guém lhe ofe­re­ceu pro­pri­a­men­te um es­tí­mu­lo, nem mes­mo Brahms” (que sem­pre foi apai­xo­na­do por Cla­ra: após a mor­te de­la, em maio de 1896, ele so­bre­vi­veu me­nos de um ano, mor­ren­do em 3 de abril do ano se­guin­te).

Quan­do con­se­gui­am co­lo­car no pa­pel su­as com­po­si­ções, as mu­lhe­res en­con­tra­ram – e ain­da en­con­tram ho­je em dia – obs­tá­cu­los tão gran­des pa­ra vê-las exe­cu­ta­das que his­to­ri­ca­men­te se con­for­ma­ram com os di­tos gê­ne­ros me­no­res. An­na Be­er, 54 anos, no re­cen­te e ex­cep­ci­o­nal li­vro Har­mo­ni­as e Su­a­ves Can­tos – As Mu­lhe­res Es­que­ci­das da Música Clás­si­ca (2016, e-bo­ok da edi­ção in­gle­sa no Kin­dle), diz que quan­do a nor­te-ame­ri­ca­na Re­bec­ca Clar­ke (1886-1979) ga­nhou um con­cur­so lon­dri­no im­por­tan­te de com­po­si­ção com uma so­na­ta pa­ra vi­o­li­no e pi­a­no em 1919, o jú­ri e mui­tos es­pe­ci­a­lis­tas ho­mens es­pe­cu­la­ram se a obra não te­ria si­do en­vi­a­da com pseudô­ni­mo por Er­nest Blo­ch ou Mau­ri­ce Ra­vel: “Co­mo era pos­sí­vel que uma mu­lher fos­se au­to­ra de uma obra tão con­sis­ten­te e for­mal­men­te ri­go­ro­sa?”

Tal­vez por­que sin­ta na pe­le um pre­con­cei­to se­me­lhan­te ao de Cla­ra, a jo­vem pi­a­nis­ta ne­gra Isa­ta Kan­neh-Ma­son, 23 anos, de­di­ca-lhe seu re­cém­lan­ça­do CD Ro­man­ce (Dec­ca), in­ter­pre­tan­do o úni­co con­cer­to pa­ra pi­a­no e or­ques­tra da com­po­si­to­ra (que de­ve mui­to a Cho­pin) e vá­ri­as pe­ças pa­ra pi­a­no so­lo, in­cluin­do uma en­cor­pa­da so­na­ta em qua­tro mo­vi­men­tos. Ou­tro CD re­cém-lan­ça­do, Cla­ra & Robert (Pa­raty, 2019), da pi­a­nis­ta fran­ce­sa Ma­rie Ver­meu­lin, 35 anos, in­clui o ci­clo que Ro­sen con­si­de­ra um dos triun­fos de Cla­ra co­mo com­po­si­to­ra: as seis pe­ças in­ti­tu­la­das Soi­rées Mu­si­ca­les, seu opus 6.

É cer­to, por ou­tro la­do, que a con­vi­vên­cia do ca­sal com Fé­lix Men­dels­sohn (1809-1847) le­voua, por exem­plo, a com­por ro­man­ces sem pa­la­vras. Mas ela di­a­lo­ga­va mu­si­cal­men­te em igual­da­de com to­dos os fa­mo­sos aci­ma ci­ta­dos. Só que su­as obras só eram to­ca­das por ela mes­ma, em su­as tur­nês. Mes­mo a pu­bli­ca­ção era bis­sex­ta. Ou se­ja, de­vi­da­men­te re­cal­ca­da.

Um de­ta­lhe dá con­ta das di­fi­cul­da­des de Cla­ra pa­ra se im­por até em ca­sa co­mo ar­tis­ta (e olhem que ela sus­ten­ta­va a fa­mí­lia): ape­nas em 1853, quan­do eles se mu­da­ram pa­ra Düs­sel­dorf, Cla­ra te­ve di­rei­to a des­fru­tar de um quar­to-es­tú­dio ex­clu­si­vo. Até en­tão, ape­nas Robert ti­nha es­ta pri­ma­zia. E to­me pre­con­cei­to. No iní­cio de 1842, Cla­ra fez uma tur­nê por ci­da­des eu­ro­pei­as. E le­vou-o a ti­ra­co­lo. Robert ain­da era mais co­nhe­ci­do co­mo crí­ti­co que com­po­si­tor. Sen­tiu is­so na car­ne quan­do foi ex­cluí­do do co­que­tel em ho­me­na­gem a Cla­ra em Ol­den­burg, após o con­cer­to. Ela foi so­zi­nha à con­fra­ter­ni­za­ção. Sen­tin­do o gol­pe, ano­tou no diá­rio: “Is­so me faz pen­sar se eu de­ve­ria co­lo­car meu ta­len­to em se­gun­do pla­no pa­ra ser­vi-la co­mo com­pa­nhei­ro de vi­a­gem. E ela tam­bém, se­rá que de­ve­ria aban­do­nar a car­rei­ra por cau­sa da mi­nha re­vis­ta e do meu pi­a­no?” Nou­tra ano­ta­ção, cons­ta­tou a “si­tu­a­ção in­dig­na” de me­ro acom­pa­nhan­te da es­po­sa pi­a­nis­ta. So­li­tá­rio, abu­sou do ál­co­ol, te­ve insô­nia, en­trou em depressão. O diá­rio con­jun­to que man­ti­ve­ram des­de o ca­sa­men­to fun­ci­o­na­va, pa­ra am­bos, co­mo di­vã de ana­lis­ta. Ele ano­ta­va fre­ne­ti­ca­men­te su­as som­bri­as sen­sa­ções. Cla­ra, por sua vez, pas­sa­va-lhe pi­tos se­ve­ros: “A ideia de que vo­cê pre­ci­sa tra­ba­lhar por di­nhei­ro é re­pug­nan­te pa­ra mim”. Cla­ra, ao con­trá­rio de Robert, gos­ta­va da fra­se de Go­ethe se­gun­do a qual a vi­da de ca­sa­do não é fei­ta só de po­e­sia, mas tam­bém de prosa. Le­vou o mo­te tão a sé­rio que pa­rou de com­por após o ca­sa­men­to. Su­cum­biu ao pre­con­cei­to.

Os 200 anos de nas­ci­men­to da com­po­si­to­ra e pi­a­nis­ta rendem pou­cos tri­bu­tos pa­ra a mu­lher que sa­cri­fi­cou sua car­rei­ra pa­ra sal­var a do ma­ri­do Robert

✽ É AU­TOR DE ‘PEN­SAN­DO AS MÚ­SI­CAS NO SÉ­CU­LO 21’

BPK / ALFREDO DAGLI ORTI

Lu­ta. Seu ta­len­to sus­ten­tou a fa­mí­lia e cri­ou óti­mas pe­ças

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.