Car­los Pe­rei­ra

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - E-MAIL: CAR­LOS.PE­REI­[email protected] CAR­LOS PE­REI­RA ES­CRE­VE QUIN­ZE­NAL­MEN­TE ÀS SE­GUN­DAS-FEI­RAS

Ati­tu­des do pre­si­den­te ge­ram afli­ção, mas qua­li­da­de ins­ti­tu­ci­o­nal e com­pe­ti­ção po­lí­ti­ca dão so­li­dez à nos­sa de­mo­cra­cia.

Sex­ta-fei­ra pas­sa­da vi­si­tei o mu­seu de ar­te con­tem­po­râ­nea de Ams­ter­dã, Mo­co, que tra­zia uma ex­po­si­ção do ar­tis­ta in­glês, ain­da anô­ni­mo, co­nhe­ci­do co­mo Banksy. Ao la­do de um dos seus gra­fi­tes mais in­tri­gan­tes, Me­ni­na com o Ba­lão, sur­gia a fra­se: “Art should com­fort the dis­tur­bed and dis­turb the com­for­ta­ble”.

As­sim co­mo a ar­te, a de­mo­cra­cia ge­ra con­for­to ou afli­ção. Pes­qui­sas de opi­nião su­ge­rem que é o la­do ven­ce­dor que ten­de a ex­trair mais con­for­to com a de­mo­cra­cia e, por con­sequên­cia, de­sen­vol­ver mai­or cren­ça na de­mo­cra­cia. O la­do per­de­dor, en­tre­tan­to,

ten­de a de­sen­vol­ver afli­ções com a der­ro­ta e a iden­ti­fi­car si­nais de que a de­mo­cra­cia es­ta­ria em cri­se e sob ame­a­ça. In­de­pen­den­te­men­te do la­do em que es­ti­ver­mos, chan­ces de frus­tra­ção es­tão sem­pre pre­sen­tes: se­ja com a der­ro­ta do nos­so can­di­da­to, se­ja com a per­for­man­ce do can­di­da­to es­co­lhi­do.

Es­sa am­bi­va­lên­cia em re­la­ção à de­mo­cra­cia é de­cor­ren­te de um de seus prin­cí­pi­os fun­da­men­tais: a in­cer­te­za. De­mo­cra­cia exi­ge que par­ti­dos po­lí­ti­cos per­cam elei­ções por meio de um pro­ces­so com­pe­ti­ti­vo e, por is­so, fun­da­men­tal­men­te in­cer­to. O “milagre” da de­mo­cra­cia se dá quan­do per­de­do­res ali­men­tam a es­pe­ran­ça de que seu can­di­da­to ve­nha a se tor­nar o ven­ce­dor nas pró­xi­mas elei­ções e quan­do ven­ce­do­res se com­pro­me­tem a en­tre­gar o po­der de for­ma pa­cí­fi­ca se a opo­si­ção for ven­ce­do­ra. E as­sim o jo­go de­mo­crá­ti­co se im­põe em equi­lí­brio.

Em seu no­vo li­vro Why Bother with Elec­ti­ons?, Adam Pr­zewors­ki afir­ma que en­tre 1788 e 2008 o po­der po­lí­ti­co mu­dou de mãos co­mo re­sul­ta­do de 544 elei­ções e 577 gol­pes. Por­tan­to, es­co­lher go­ver­nos por via de elei­ções com­pe­ti­ti­vas é um fenô­me­no re­la­ti­va­men­te re­cen­te e ra­ro. Pr­zewors­ki mos­tra que a es­ta­bi­li­da­de do pro­ces­so de­mo­crá­ti­co, en­tre­tan­to, au­men­ta com a al­ter­nân­cia de po­der. Paí­ses que nun­ca vi­ven­ci­a­ram al­ter­nân­cia de po­der apre­sen­tam uma pro­ba­bi­li­da­de mui­to bai­xa de fa­zê-lo nas pró­xi­mas elei­ções, ape­nas 12%. A chance mais do que do­bra, pas­san­do pa­ra 30%, se os paí­ses já ti­ve­rem ti­do uma ex­pe­ri­ên­cia pré­via de al­ter­nân­cia, e che­ga a 45% se já pas­sa­ram por du­as ex­pe­ri­ên­ci­as de al­ter­nân­cia no po­der.

O Bra­sil já vi­veu oi­to epi­só­di­os elei­to­rais com pe­lo me­nos qua­tro mu­dan­ças de eli­tes po­lí­ti­cas no po­der des­de a re­de­mo­cra­ti­za­ção. Em ape­nas du­as elei­ções o can­di­da­to ven­ce­dor ga­nhou no pri­mei­ro tur­no. Ou se­ja, os pro­ces­sos elei­to­rais têm se pau­ta­do por enor­me com­pe­ti­ti­vi­da­de e in­cer­te­za quan­to ao seu re­sul­ta­do fi­nal e em ne­nhum de­les hou­ve qual­quer vi­ra­da de me­sa.

No ca­pí­tu­lo qua­tro do li­vro Ma­king Bra­zil Work, eu e meu co­au­tor in­ves­ti­ga­mos o im­pac­to da com­pe­ti­ção po­lí­ti­ca e da ro­bus­tez ins­ti­tu­ci­o­nal dos ór­gãos de con­tro­le (Ju­di­ciá­rio, Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, agên­cia re­gu­la­do­ras, mí­dia etc.) no com­por­ta­men­to vir­tu­o­so ou pre­da­tó­rio de eli­tes po­lí­ti­cas nos Es­ta­dos bra­si­lei­ros. De­mons­tra­mos que quan­to mais com­pe­ti­ti­vo é o am­bi­en­te po­lí­ti­co e mais ro­bus­to os ór­gãos de con­tro­le, mai­o­res se­rão os in­cen­ti­vos pa­ra que os go­ver­na­do­res ofer­tem po­lí­ti­cas pú­bli­cas de for­ma vir­tu­o­sa e efi­ci­en­te, gas­tem me­nos com pes­so­al e os po­lí­ti­cos não apre­sen­tem au­men­to de sua ri­que­za. Por ou­tro la­do, Es­ta­dos com bai­xa com­pe­ti­ção po­lí­ti­ca e ór­gãos de con­tro­le dé­beis ten­dem a apre­sen­tar po­lí­ti­cas pú­bli­cas pre­da­tó­ri­as e ine­fi­ci­en­tes, mai­or gas­to com pes­so­al e os po­lí­ti­cos ten­dem a apre­sen­tar mai­or acrés­ci­mo pa­tri­mo­ni­al.

Fi­ca cla­ro, por­tan­to, que a es­ta­bi­li­da­de e a qua­li­da­de da de­mo­cra­cia não são pro­du­tos dos atri­bu­tos par­ti­cu­la­res do elei­to, se­jam eles de es­quer­da ou de di­rei­ta, li­be­rais ou con­ser­va­do­res, com­pro­me­ti­dos com va­lo­res e prin­cí­pi­os de­mo­crá­ti­cos ou com idei­as e com­por­ta­men­tos au­to­ri­tá­ri­os. Ain­da que as po­lí­ti­cas, ati­tu­des e dis­cur­sos do atu­al pre­si­den­te pos­sam nos tra­zer afli­ção, en­con­tra­mos con­for­to tan­to na qua­li­da­de ins­ti­tu­ci­o­nal co­mo no grau de com­pe­ti­ção po­lí­ti­ca, que tor­na in­cer­to o re­sul­ta­do das pró­xi­mas elei­ções, tra­zen­do a pos­si­bi­li­da­de de mais uma al­ter­nân­cia de po­der.

Ro­bus­tez ins­ti­tu­ci­o­nal e al­ter­nân­cia no po­der qua­li­fi­cam a de­mo­cra­cia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.