Ta­le­ban ame­a­ça EUA após re­cuo de Trump

Pre­si­den­te pre­ten­dia reu­nir re­pre­sen­tan­tes do go­ver­no afe­gão e do gru­po ter­ro­ris­ta na se­ma­na do ani­ver­sá­rio do 11 de se­tem­bro nos EUA, mas re­cu­ou de­pois de um aten­ta­do do gru­po que ma­tou 12 pes­so­as, en­tre elas um sol­da­do ame­ri­ca­no

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

O pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos, Do­nald Trump, sus­pen­deu as reu­niões so­bre o acor­do de paz com lí­de­res do Ta­le­ban e com o pre­si­den­te do Afe­ga­nis­tão, Ash­raf Gha­ni. Os en­con­tros de­ve­ri­am ocor­rer se­pa­ra­da­men­te on­tem em Camp Da­vid, uma de su­as re­si­dên­ci­as ofi­ci­ais nos EUA. Ho­ras de­pois, os ta­le­ban ame­a­ça­ram os ame­ri­ca­nos, em­bo­ra te­nham dei­xa­do a por­ta aber­ta pa­ra fu­tu­ras negociaçõe­s.

On­tem, uma equi­pe de ne­go­ci­a­do­res do Ta­le­ban se reu­niu em ca­rá­ter de ur­gên­cia em Doha, no Ca­tar, pa­ra dis­cu­tir as con­sequên­ci­as da pa­ra­li­sa­ção nas negociaçõe­s de paz.

“Aci­ma de qual­quer coi­sa quem têm mais a per­der são os ame­ri­ca­nos”, dis­se o Ta­le­ban em no­ta. “Su­as po­si­ções se­rão atin­gi­das e seu gos­to pe­la gu­er­ra fi­ca­rá cla­ro pa­ra o mun­do. Sua per­da hu­ma­na e fi­nan­cei­ra irá au­men­tar e su­as ações po­lí­ti­cas se tor­na­rão ins­tá­veis.”

Mes­mo com Trump res­pon­sa­bi­li­zan­do um ata­que do Ta­le­ban no Afe­ga­nis­tão que dei­xou ao me­nos 12 mor­tos, en­tre eles um sol­da­do ame­ri­ca­no, pe­la de­ci­são de can­ce­lar as negociaçõe­s que já du­ram um ano, fon­tes do go­ver­no atri­buí­ram o re­tro­ces­so à re­sis­tên­cia do gru­po em acei­tar os ter­mos dos ame­ri­ca­nos pa­ra um acor­do.

A in­sis­tên­cia pa­ra uma apres­sa­da cú­pu­la de paz em Camp Da­vid pa­ra con­cluir as negociaçõe­s tam­bém foi um com­pli­ca­dor. As­sim, um acor­do que pa­re­cia imi­nen­te en­trou em um im­pas­se.

De­pois de re­ne­gar o acor­do e mos­trar in­te­res­se na re­ta fi­nal das negociaçõe­s com o Ta­le­ban, Trump fez uma apos­ta de al­to ris­co: tra­zer re­pre­sen­tan­tes dos re­bel­des e do go­ver­no afe­gão pa­ra Camp Da­vid.

Re­si­dên­cia ofi­ci­al dos pre­si­den­tes ame­ri­ca­nos, o lo­cal já foi pal­co de acor­dos de paz en­tre Egi­to e Is­ra­el em 1978. A reu­nião pre­ten­di­da por Trump es­ta­va pre­vis­ta pa­ra on­tem, 8 de se­tem­bro, ape­nas 3 di­as an­tes do ani­ver­sá­rio dos aten­ta­dos de 11/9, mo­ti­vo que de­to­nou a Gu­er­ra no Afe­ga­nis­tão, em 2001.

Se­gun­do fon­tes afe­gãs, oci­den­tais e do Ta­le­ban, o prin­ci­pal mo­ti­vo de dis­cor­dân­cia en­vol­via a libertação de prisioneir­os.

Lí­de­res do gru­po ra­di­cal afe­gão tam­bém se ne­ga­ram a se en­con­trar di­re­ta­men­te com re­pre­sen­tan­tes do go­ver­no afe­gão an­tes que um acor­do de paz es­ti­ves­se se­la­do com os Es­ta­dos Uni­dos. Os di­plo­ma­tas ame­ri­ca­nos que­ri­am que o en­con­tro com a equi­pe do pre­si­den­te Ash­raf Gha­ni ocor­res­se an­tes dis­so.

Pa­ra os ta­le­ban, a ofer­ta ame­ri­ca­na era um sui­cí­dio po­lí­ti­co. “Se Trump acha­va que se­ria pos­sí­vel re­sol­ver nos­sas di­fe­ren­ças nu­ma reu­nião, sai­ba que is­so não é pos­sí­vel, por­que não re­co­nhe­ce­mos um go­ver­no de fan­to­ches”, dis­se um lí­der do Ta­le­ban, que pe­diu pa­ra não ser iden­ti­fi­ca­do.

O ob­je­ti­vo des­tas negociaçõe­s que se ar­ras­tam há mais de um ano é co­lo­car um fim à mais lon­ga gu­er­ra em que Washing­ton já se en­vol­veu.

“Ain­da acre­di­ta­mos que o la­do ame­ri­ca­no vol­ta­rá a es­ta po­si­ção (...). Nos­sa lu­ta du­ran­te os úl­ti­mos 18 anos ti­nha de ter mos­tra­do aos ame­ri­ca­nos que não fi­ca­re­mos sa­tis­fei­tos até ver­mos o fim com­ple­to da ocu­pa­ção”, dis­se o por­ta-voz do Ta­le­ban, Za­bihul­lah Mu­jahid, no Twit­ter. “Pe­di­mos uma com­pre­en­são mú­tua há 20 anos. Se­gui­mos nes­ta po­si­ção e acre­di­ta­mos que a par­te ame­ri­ca­na de­ve vol­tar à mes­ma.”

Trump la­men­tou que, “pa­ra ten­tar con­se­guir uma fal­sa van­ta­gem” nas negociaçõe­s, os ta­le­ban re­a­li­za­ram um aten­ta­do na quin­ta-fei­ra. Foi o se­gun­do ata­que dos re­bel­des em pou­cos di­as na ca­pi­tal afe­gã, ape­sar do acor­do de prin­cí­pio que o ne­go­ci­a­dor ame­ri­ca­no, Zal­may Kha­lil­zad, afirmou ter fechado com o gru­po du­ran­te negociaçõe­s em Doha. O tex­to ha­via si­do apre­sen­ta­do ao pre­si­den­te Gha­ni no co­me­ço da se­ma­na.

“Que ti­po de pes­so­as ma­tam tan­ta gen­te pa­ra con­se­guir uma apa­ren­te van­ta­gem nas negociaçõe­s? Fra­cas­sa­ram. Só con­se­gui­ram pi­o­rar as coi­sas”, dis­se Trump no Twit­ter. “Se são in­ca­pa­zes de acei­tar um ces­sar-fo­go du­ran­te es­tas negociaçõe­s de paz tão im­por­tan­tes, e es­tão, inclusive, dis­pos­tos a ma­tar 12 ino­cen­tes, é por­que, pro­va­vel­men­te, não têm ca­pa­ci­da­de de ne­go­ci­ar um acor­do sig­ni­fi­ca­ti­vo. Por quan­tas dé­ca­das que­rem con­ti­nu­ar com­ba­ten­do?”

Washing­ton es­ta­va pres­tes a fe­char um acor­do pa­ra per­mi­tir o iní­cio da re­ti­ra­da pro­gres­si­va dos cer­ca de 13 mil sol­da­dos ame­ri­ca­nos mo­bi­li­za­dos no Afe­ga­nis­tão em tro­ca de ga­ran­ti­as, por par­te dos ta­le­ban, de uma re­du­ção da vi­o­lên­cia e do iní­cio de negociaçõe­s de paz di­re­tas com o go­ver­no de Ca­bul. Es­ta con­di­ção era re­jei­ta­da pe­los re­bel­des até o mo­men­to./

“Aci­ma de qual­quer coi­sa quem tem mais a per­der são os ame­ri­ca­nos. Su­as po­si­ções se­rão atin­gi­das e sua po­si­ção an­ti­pa­cí­fi­ca fi­ca­rá cla­ra pa­ra o mun­do. Sua per­da hu­ma­na e fi­nan­cei­ra irá au­men­tar e su­as ações po­lí­ti­cas se tor­na­rão ins­tá­veis.” Za­bihul­lah Mu­jahid,

POR­TA-VOZ DO TA­LE­BAN

SHARIF SHAYAQ/EFE

Ten­são. Tro­pas do go­ver­no fa­zem pa­tru­lha no in­te­ri­or do Afe­ga­nis­tão após aten­ta­do: conflito no país já du­ra 18 anos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.