Gru­po quer am­pli­ar par­ti­ci­pa­ção de mu­lhe­res na po­lí­ti­ca

Raps afir­ma que é pre­ci­so su­pe­rar bar­rei­ras cul­tu­rais, pois de­sa­fio vai além de re­cur­sos pa­ra can­di­da­tu­ras e co­tas par­ti­dá­ri­as

O Estado de S. Paulo - - Política - An­ne Warth BRA­SÍ­LIA

A am­pli­a­ção da par­ti­ci­pa­ção fe­mi­ni­na na po­lí­ti­ca é um de­sa­fio que vai além de re­cur­sos pa­ra can­di­da­tu­ras e co­tas par­ti­dá­ri­as. Pa­ra Mô­ni­ca So­dré, diretora exe­cu­ti­va da Re­de de Ação Po­lí­ti­ca pe­la Sus­ten­ta­bi­li­da­de (Raps), é pre­ci­so es­ti­mu­lar as mu­lhe­res a par­ti­ci­par da po­lí­ti­ca de for­ma ins­ti­tu­ci­o­nal, já que, cul­tu­ral­men­te, elas não são en­co­ra­ja­das a ocu­par es­ses es­pa­ços.

Es­se foi um dos te­mas do se­mi­ná­rio De­sa­fi­os da De­mo­cra­cia no Bra­sil: Ino­va­ção e Re­pre­sen­ta­ção num Mun­do Hi­per­co­nec­ta­do, re­a­li­za­do pe­la Raps e pe­lo Es­ta­do, no Se­na­do, em Bra­sí­lia. A Raps é uma or­ga­ni­za­ção não-go­ver­na­men­tal que bus­ca con­tri­buir com a me­lho­ra da de­mo­cra­cia e for­mar no­vas li­de­ran­ças po­lí­ti­cas. Uma das li­de­ran­ças li­ga­das ao gru­po é a de­pu­ta­da Tá­ba­ta Ama­ral (PDT-SP).

“Te­mos um com­pro­mis­so de es­ti­mu­lar que mais mu­lhe­res par­ti­ci­pem da po­lí­ti­ca ins­ti­tu­ci­o­nal, re­co­nhe­cen­do que es­se é um gru­po que não foi cri­a­do pa­ra es­ses es­pa­ços”, dis­se. “É mui­to di­fí­cil que uma mu­lher se acre­di­te can­di­da­ta sem que is­so ve­nha acom­pa­nha­do de tra­ba­lho so­ci­al pre­gres­so: só de­pois de tra­ba­lho so­ci­al de anos uma mu­lher se con­ven­ce de que po­de­ria es­tar ocu­pan­do es­pa­ço de re­pre­sen­ta­ção.”

Seg­men­tos. Uma das pre­o­cu­pa­ções do gru­po, dis­se a diretora, é es­ti­mu­lar a di­ver­si­da­de na for­ma­ção de li­de­ran­ças. Nes­te ano, por exem­plo, 40% das ins­cri­ções aber­tas anu­al­men­te pe­lo gru­po fo­ram de ne­gros e par­dos – a diretora re­co­nhe­ce, no en­tan­to, que es­sa fa­tia ain­da não re­fle­te a par­ti­ci­pa­ção efe­ti­va da po­pu­la­ção. Da mes­ma for­ma, tam­bém há di­fi­cul­da­des pa­ra atrair mu­lhe­res.

“Nu­ma so­ci­e­da­de tão de­si­gual quan­to a nos­sa, e que traz aspectos his­to­ri­ca­men­te li­ga­dos ao ma­chis­mo, nem sem­pre os ho­mens ve­em com bons olhos que sua es­po­sa ou na­mo­ra­da se aven­tu­rem nu­ma can­di­da­tu­ra”, dis­se Mô­ni­ca So­dré. “Ob­vi­a­men­te es­ta­mos mui­to mais su­jei­tas a as­se­dio do que ho­mens no mes­mo papel.”

Ou­tro as­pec­to que di­fi­cul­ta a par­ti­ci­pa­ção de mu­lhe­res é o fi­nan­ci­a­men­to das can­di­da­tu­ras. “No mo­de­lo de fi­nan­ci­a­men­to atu­al, ca­da par­ti­do de­ci­de so­bre a di­vi­são de re­cur­sos. Se o par­ti­do en­ten­de que um can­di­da­to é me­nos viá­vel, ele recebe me­nos di­nhei­ro, e, pa­ra as mu­lhe­res, is­so é par­ti­cu­lar­men­te sen­sí­vel”, dis­se So­dré.

A Lei Elei­to­ral de­ter­mi­na uma co­ta de gê­ne­ro en­tre as can­di­da­tu­ras: ao me­nos 30% das va­gas de­vem ser pre­en­chi­das por um dos se­xos – his­to­ri­ca­men­te, as mu­lhe­res são mi­no­ria.

Foi a cri­a­ção do fun­do elei­to­ral que abriu a pos­si­bi­li­da­de de que as mu­lhe­res con­quis­tas­sem mais ver­bas pú­bli­cas pa­ra as cam­pa­nhas fe­mi­ni­nas. Na pri­mei­ra elei­ção com mais re­cur­sos, hou­ve um au­men­to na re­pre­sen­ta­ção das mu­lhe­res na Câ­ma­ra: 77 fo­ram elei­tas em 2018, o que re­pre­sen­ta 15% da Ca­sa. Na le­gis­la­tu­ra an­te­ri­or, eram 51,10% do to­tal. Das de­pu­ta­das que as­su­mi­ram o man­da­to es­te ano, 43 ocu­pa­ram o car­go pe­la pri­mei­ra vez.

NIL­TON FUKUDA/ES­TA­DÃO

Vo­to. Pa­ra Mô­ni­ca So­dré, mu­lhe­res são dis­cri­mi­na­das no ra­teio de re­cur­sos de cam­pa­nha

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.