No Es­ta­do de No­va York, lei im­põe va­ci­na­ção a 26 mil fa­mí­li­as.

Lei que obri­ga do­se con­tra sa­ram­po im­põe de­ci­são a 26 mil pais no Es­ta­do ame­ri­ca­no

O Estado de S. Paulo - - Metrópole - Sha­ron Ot­ter­man THE NEW YORK TI­MES /TRA­DU­ÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

Jac­quelynn Van­ce-Pauls, ad­vo­ga­da do se­tor imo­bi­liá­rio em No­va York, tem um fi­lho de 14 anos com au­tis­mo, que re­cen­te­men­te te­ve de sair de sua es­co­la es­pe­ci­al. Seus ir­mãos gê­me­os, de 9 anos, e a ir­mã mais ve­lha tam­bém es­tão pres­tes a se­rem ex­pul­sos das es­co­las pú­bli­cas que fre­quen­tam. As cri­an­ças não fi­ze­ram na­da de er­ra­do e não es­tão do­en­tes. É que Jac­quelynn re­sis­te a cum­prir uma no­va lei, pro­mul­ga­da em meio a um sur­to de sa­ram­po.

A re­gra pôs fim a isen­ções pa­ra va­ci­nas em cri­an­ças em to­das as es­co­las e jar­dins de in­fân­cia. Jac­quelynn diz acre­di­tar que as va­ci­nas con­tri­buí­ram pa­ra o au­tis­mo do fi­lho, em­bo­ra mais de uma de­ze­na de es­tu­dos ci­en­tí­fi­cos re­jei­tem a li­ga­ção. Se­gun­do ela, a Bí­blia a im­pe­de, co­mo cris­tã, de “pro­fa­nar o cor­po”, o que, con­for­me afir­ma, é o que ocor­re com as va­ci­nas.

Com o iní­cio das au­las nos EUA, Jac­quelynn e ou­tros pais de 26 mil cri­an­ças de No­va York cu­jos fi­lhos es­ta­vam isen­tos da va­ci­na por mo­ti­vos re­li­gi­o­sos têm de pres­tar con­tas. Com a no­va lei, to­das as cri­an­ças têm de ser va­ci­na­das nas du­as pri­mei­ras se­ma­nas e a va­ci­na­ção de­ve es­tar con­cluí­da no fim do ano escolar. Do con­trá­rio, de­vem es­tu­dar em ca­sa ou a fa­mí­lia tem de se mu­dar pa­ra fo­ra do Es­ta­do.

O sur­to de sa­ram­po que acar­re­tou a pro­mul­ga­ção da no­va lei vem re­gre­din­do. A mai­or par­te dos ca­sos en­vol­veu cri­an­ças não va­ci­na­das em co­mu­ni­da­des ju­dai­cas has­sí­di­cas, on­de a imu­ni­za­ção foi bem me­nor do que a mé­dia de 96% no Es­ta­do. Cam­pa­nhas de va­ci­na­ção em lar­ga es­ca­la con­tri­buí­ram pa­ra au­men­tar o ín­di­ce. Mas au­to­ri­da­des aler­tam que, com o iní­cio das au­las, a do­en­ça po­de re­tor­nar, par­ti­cu­lar­men­te se o nú­me­ro de imu­ni­za­dos vol­tar a cair.

Com a aprovação da lei, em ju­nho, No­va York se tor­nou o quin­to Es­ta­do a blo­que­ar as isen­ções que não são por or­dem mé­di­ca e ado­tou uma das po­lí­ti­cas mais es­tri­tas do país. A co­mu­ni­da­de con­trá­ria à va­ci­na­ção im­pe­trou di­ver­sas ações pa­ra ten­tar bar­rar a re­gra, até ago­ra sem su­ces­so. Ao mes­mo tem­po, au­to­ri­da­des de saú­de co­me­ça­ram a agir pa­ra so­lu­ci­o­nar la­cu­nas, anun­ci­an­do re­gras emer­gen­ci­ais que tor­nam as isen­ções à va­ci­na por ques­tões mé­di­cas mais di­fí­ceis de se ob­ter.

In­cen­ti­vo. A lei es­tá en­co­ra­jan­do pais in­de­ci­sos a imu­ni­zar os fi­lhos e é uma men­sa­gem pa­ra es­co­las pú­bli­cas e pri­va­das de que os di­as de va­ci­na­ção se­le­ti­va aca­ba­ram. Pa­ra Da­ni­el Sal­mon, di­re­tor do Ins­ti­tu­te for Vac­ci­ne Sa­fety na Johns Hop­kins Blo­om­berg Scho­ol of Pu­blic He­alth, o fim de isen­ções sem cau­sa mé­di­ca é uma so­lu­ção par­ci­al, mas é ne­ces­sá­rio fi­nan­ci­ar mais pes­qui­sas so­bre a se­gu­ran­ça das va­ci­nas e neu­tra­li­zar o lobby con­tra.

Lor­na Lewis, diretora do Plain­vi­ew-Old Beth­pa­ge Cen­tral Scho­ol Dis­trict, em Long Is­land, aju­dou no lobby em fa­vor da lei co­mo pre­si­den­te do con­se­lho de di­re­to­res do Es­ta­do. Ela cal­cu­la que, das 65 cri­an­ças com isen­ções à va­ci­na por mo­ti­vo re­li­gi­o­so no seu dis­tri­to, dez pro­va­vel­men­te terão au­las em ca­sa. “Te­mos 5 mil alu­nos. Se dez têm pais ra­di­cal­men­te con­trá­ri­os à va­ci­na, te­nho ou­tros 4.990 em cu­ja se­gu­ran­ça te­nho de pen­sar.”

Em ca­sa. Al­guns pais que não de­se­jam va­ci­nar os fi­lhos ado­ta­ram o en­si­no do­mi­ci­li­ar. Com ba­se na lei do Es­ta­do, cri­an­ças que es­tu­dam em ca­sa po­dem se reu­nir em gru­pos de apren­di­za­do por até três ho­ras por dia. Miss Me­gan, con­sul­to­ra pa­ra o en­si­no do­mi­ci­li­ar, dis­se es­tar abrin­do no­va co­o­pe­ra­ti­va de pais de cri­an­ças com en­si­no do­mi­ci­li­ar pa­ra quem não quer cum­prir a lei.

Jac­quelynn mar­cou con­sul­ta pa­ra va­ci­nar os fi­lhos e agen­dar o res­tan­te das va­ci­nas nas pró­xi­mas se­ma­nas. A fa­mí­lia não po­de ado­tar o en­si­no do­mi­ci­li­ar nem mu­dar de Es­ta­do, por­tan­to ela não te­ve es­co­lha. “Pe­ço a Deus que meus gê­me­os, ho­je com 9 anos, con­si­gam evi­tar o que Jack não con­se­guiu quan­do era um be­bê”, dis­se ela, re­fe­rin­do-se ao fi­lho com au­tis­mo. “Acho que não há co­mo fu­gir.”

DESIREE RI­OS/THE NEW YORK TIMES19/8/2019

Sem saí­da. ‘Acho que não há co­mo fu­gir’, diz Jac­quelynn

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.