Não é so­men­te a so­li­dez do ban­co que re­duz ris­cos

O Estado de S. Paulo - - Economia - ECO­NO­[email protected]­TA­DAO.COM

Mui­ta gen­te fa­la em in­ves­tir na Bol­sa. Dá pa­ra vi­ver in­ves­tin­do em ações, por exem­plo, boas pa­ga­do­ras de di­vi­den­dos? Vi­ver de in­ves­ti­men­tos é pos­sí­vel, mas é pre­ci­so man­ter uma car­tei­ra de in­ves­ti­men­tos di­ver­si­fi­ca­da. Uma car­tei­ra so­men­te com ações tem al­to grau de ris­co, mes­mo com ações de em­pre­sas boas pa­ga­do­ras de di­vi­den­dos. Os bi­li­o­ná­ri­os con­se­guem man­ter car­tei­ras de ris­co e vi­ver fol­ga­da­men­te, mas es­se não é o ca­so da mai­o­ria das pes­so­as. Os in­ves­ti­men­tos de­vem ser di­ver­si­fi­ca­dos em ter­mos de clas­ses de ati­vos pa­ra re­du­zir ris­cos e aten­der o in­ves­ti­dor em ter­mos de li­qui­dez e de pe­ri­o­di­ci­da­de de ren­di­men­tos. In­ves­tir em ações boas pa­ga­do­ras de di­vi­den­dos é uma boa al­ter­na­ti­va e po­de tra­zer li­ber­da­de fi­nan­cei­ra, mas mon­tar es­sa car­tei­ra exi­ge cui­da­do e es­tu­do das em­pre­sas, sem­pre com vi­são de lon­go pra­zo. A B3, a Bol­sa de São Pau­lo, man­tém um ín­di­ce o Ín­di­ce de Di­vi­den­dos (IDIV), que apre­sen­ta o de­sem­pe­nho mé­dio das co­ta­ções dos ati­vos que se des­ta­ca­ram na re­mu­ne­ra­ção dos in­ves­ti­do­res. Po­rém, há ações com boas pers­pec­ti­vas de re­mu­ne­ra­ção que não fa­zem par­te des­se ín­di­ce. Ape­nas pa­ra com­pa­ra­ção, o IDIV su­biu em 2019 mais de 25% e nos úl­ti­mos 12 me­ses mais de 54%, ao pas­so que o Ibo­ves­pa no ano su­biu aci­ma de 16% e em 12 me­ses mais de 37%. Mas con­si­de­re que o IDIV é um in­di­ca­dor que bus­ca re­fle­tir não ape­nas as va­ri­a­ções nos pre­ços dos ati­vos in­te­gran­tes do ín­di­ce no tem­po, mas tam­bém o im­pac­to que a dis­tri­bui­ção de pro­ven­tos pe­las com­pa­nhi­as emis­so­ras des­ses ati­vos te­ria no re­tor­no do ín­di­ce.

Não te­nho mui­to di­nhei­ro e man­te­nho in­ves­ti­men­tos no meu ban­co, por­que é um dos mai­o­res do mer­ca­do e me sin­to mais se­gu­ro. Es­tou cer­to de agir as­sim?

Ca­so vo­cê es­te­ja sa­tis­fei­to com o ren­di­men­to ofe­re­ci­do pe­lo seu ban­co, po­de-se di­zer que es­tá cer­to. Vo­cê não es­tá so­zi­nho: mais de 95% dos in­ves­ti­do­res apli­cam nos gran­des ban­cos. Mas is­so não quer di­zer que es­tão ga­nhan­do di­nhei­ro. A mai­o­ria age as­sim por des­co­nhe­ci­men­to e co­mo­dis­mo. Ain­da so­mos mui­to li­ga­dos ao nos­so ami­go ge­ren­te, mas o ca­fe­zi­nho da agên­cia de­ve ser o mais ca­ro que vo­cê já to­mou, con­si­de­ran­do as ta­ri­fas pa­gas e a fal­ta de ren­di­men­to de su­as apli­ca­ções. Ob­vi­a­men­te há ex­ce­len­tes pro­fis­si­o­nais no mer­ca­do, que são ges­to­res de nos­sas con­tas e po­dem aju­dar efe­ti­va­men­te, mas é pre­ci­so dis­tin­guir o joio do tri­go, por­que há aque­les que sem­pre es­tão em­pur­ran­do “óti­mos in­ves­ti­men­tos” co­mo tí­tu­los de ca­pi­ta­li­za­ção, con­sór­ci­os, se­gu­ros ou apli­ca­ções que não têm na­da a ver com a sua car­tei­ra e ain­da têm ta­xas al­tís­si­mas. Em ge­ral é apre­sen­tan­do o la­do do re­tor­no, sem ci­tar o ris­co, os cus­tos e de­ta­lhes im­por­tan­tes de que vo­cê so­men­te to­ma­rá co­nhe­ci­men­to quan­do vir que o re­sul­ta­do não bate com o pro­me­ti­do. Um ar­gu­men­to mui­to usa­do é o da se­gu­ran­ça ofe­re­ci­da pe­las gran­des ins­ti­tui­ções, o que é ver­da­de, em par­te. Não é so­men­te a so­li­dez do ban­co que re­duz ris­co: nas apli­ca­ções de ren­da fi­xa co­mo CDB, le­tras de câm­bio, le­tras imo­bi­liá­ri­as e hi­po­te­cá­ri­as, le­tras de cré­di­to imo­bi­liá­rio (LCI) e do agro­ne­gó­cio (LCA), além da ca­der­ne­ta de pou­pan­ça há a garantia de até R$250 mil por CPF ofe­re­ci­da pe­lo Fun­do Ga­ran­ti­dor de Cré­di­to (FGC). Por ou­tro la­do, no­vas ins­ti­tui­ções, co­mo as fin­te­chs, man­têm ope­ra­ções com bai­xo cus­to e po­dem ofe­re­cer in­ves­ti­men­tos com ex­ce­len­tes re­tor­nos sem com­pro­me­ter o ris­co. É im­por­tan­te com­pa­rar as al­ter­na­ti­vas. Com o de­vi­do cui­da­do vo­cê po­de­rá fi­car sur­pre­so com as opor­tu­ni­da­des de bons in­ves­ti­men­tos.

ENVIE SUA PER­GUN­TA. ELAS SE­RÃO PU­BLI­CA­DAS ÀS SE­GUN­DAS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.