Crí­ti­cos da ro­ti­na

Obras des­ta­cam o olhar irô­ni­co com que os es­cri­to­res Ma­cha­do de As­sis e Eça de Qu­ei­roz ob­ser­va­vam as so­ci­e­da­des bra­si­lei­ra e mun­di­al

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Ubi­ra­tan Bra­sil

O jor­na­lis­mo sem­pre foi uma óti­ma for­ma de os es­cri­to­res pra­ti­ca­rem o exer­cí­cio de seu es­ti­lo ou mes­mo, em si­tu­a­ções-li­mi­te, pa­ra su­prir ne­ces­si­da­des fi­nan­cei­ras. Ao lon­go dos anos, al­guns vi­ram seu imen­so ta­len­to ser des­per­di­ça­do; ou­tros, po­rém, re­ve­la­ram a vo­ca­ção ne­ces­sá­ria pa­ra ven­cer a bre­vi­da­de tem­po­rá­ria do jor­nal pa­ra al­can­çar a pe­re­ni­da­de do li­vro. É o ca­so de dois dos mai­o­res au­to­res em lín­gua por­tu­gue­sa, Ma­cha­do de As­sis e Eça de Qu­ei­roz, cu­ja im­por­tân­cia do es­ti­lo e o va­lor his­tó­ri­co de seus tex­tos jus­ti­fi­cam a reu­nião de par­te de sua produção jor­na­lís­ti­ca em di­ver­sos vo­lu­mes.

É o que fez a edi­to­ra Ca­ram­baia, que lan­ça ago­ra Ecos do Mun­do, an­to­lo­gia de ar­ti­gos pu­bli­ca­dos por Eça em jor­nais en­tre 1871 e 1899. E tam­bém a Nan­kin Edi­to­ri­al, que pro­me­te pa­ra o fim do mês um lan­ça­men­to ou­sa­do e bem-vin­do: Ba­da­la­das – Dr. Se­ma­na, caixa com dois vo­lu­mes que so­mam mais de 1.500 pá­gi­nas e que traz to­das as crô­ni­cas que Ma­cha­do pu­bli­cou na re­vis­ta Se­ma­na Ilus­tra­da en­tre 1869 e 1876, com o pseudô­ni­mo de Dr. Se­ma­na.

Du­as co­le­ções com um pre­ci­o­so ma­te­ri­al, não ape­nas pe­la qua­li­da­de de su­as pa­la­vras, mas prin­ci­pal­men­te pe­la ra­ri­da­de: nun­ca es­ses es­cri­tos de Ma­cha­do ti­nham si­do reu­ni­dos em li­vro, as­sim co­mo as crô­ni­cas de Eça, es­pe­ci­al­men­te as que ana­li­sam a po­lí­ti­ca in­ter­na­ci­o­nal do fi­nal do sé­cu­lo 19, fo­ram reu­ni­das em um vo­lu­me. “To­dos co­nhe­cem o Eça pen­sa­dor da so­ci­e­da­de, da po­lí­ti­ca e da men­ta­li­da­de por­tu­gue­sas”, ob­ser­va o es­cri­tor Ro­dri­go La­cer­da na apre­sen­ta­ção de Ecos do Mun­do, do qual tam­bém é organizado­r. “Me­nos co­nhe­ci­do é o Eça pen­sa­dor do mun­do. E, no en­tan­to, seus ar­ti­gos pa­ra jor­nais e re­vis­tas, quan­do tra­tam de ou­tros paí­ses que não Por­tu­gal, e quan­do ana­li­sam a po­lí­ti­ca in­ter­na­ci­o­nal nas dé­ca­das fi­nais do sé­cu­lo 19, dei­xam evi­den­te es­sa ou­tra di­men­são do gran­de es­cri­tor.”

Pa­ra a an­to­lo­gia, La­cer­da se­le­ci­o­nou tex­tos que Eça (18451900) pu­bli­cou no pe­rió­di­co men­sal As Far­pas (1871-1872), que foi o pon­to de par­ti­da, se­guin­do com as co­la­bo­ra­ções ao jor­nal ca­ri­o­ca Gazeta de No­tí­ci­as, com o qual o es­cri­tor man­te­ve sua mais lon­ga co­la­bo­ra­ção jor­na­lís­ti­ca (1880 a 1897). Ele tam­bém or­ga­ni­zou as crô­ni­cas a par­tir dos paí­ses re­tra­ta­dos por Eça, com ex­ce­ção de Por­tu­gal. E o pri­mei­ro é jus­ta­men­te o Bra­sil, que o au­tor via com sim­pa­tia, es­pe­ci­al­men­te quan­do com­pa­ra­va com sua ter­ra na­tal – lo­go no pri­mei­ro ar­ti­go, O Bra­si­lei­ro, Eça cu­tu­ca os por­tu­gue­ses que re­tor­nam, de­pois de uma tem­po­ra­da mo­ran­do no Bra­sil: “Nós so­mos o ger­me, eles são o fru­to: é co­mo se a es­pi­ga se ris­se da se­men­te. Pe­lo con­trá­rio! O bra­si­lei­ro é bem mais res­pei­tá­vel, por­que é com­ple­to, atin­giu o seu ple­no de­sen­vol­vi­men­to; nós per­ma­ne­ce­mos ru­di­men­ta­res”.

Mas nem sem­pre o es­cri­tor era to­do sor­ri­sos quan­do ob­ser­va­va bra­si­lei­ros – um bem ilus­tre, D. Pe­dro II, foi al­vo de uma crô­ni­ca im­pla­cá­vel, de­mo­li­do­ra, em 1872. Foi quan­do o mo­nar­ca fez uma vi­a­gem a Por­tu­gal e Eça ri­di­cu­la­ri­zou su­as rou­pas, seu cha­péu, seu gos­to por lín­guas es­tra­nhas, sua ma­la e seus sú­di­tos. Pa­ra o es­cri­tor, D. Pe­dro re­ve­la­va-se uma fi­gu­ra con­fu­sa, pois vi­a­ja­va pe­la Eu­ro­pa ora se apre­sen­tan­do co­mo im­pe­ra­dor, ora co­mo ci­en­tis­ta – e sem con­ven­cer em ne­nhum dos pa­péis.

A se­ção de­di­ca­da ao Bra­sil ter­mi­na com uma sa­bo­ro­sa crô­ni­ca de­di­ca­da aos es­tu­dan­tes que pro­vo­ca­ram um pan­demô­nio quan­do da vi­si­ta da atriz Sa­rah Ber­nhardt ao Rio de Ja­nei­ro, em 1897 – re­ve­ren­ci­a­da co­mo di­va, ela pas­se­ou pe­la ci­da­de em uma car­ro­ça, pu­xa­da por eles.

“Em Es­pi­ri­tis­mo, a cé­ti­ca vi­si­ta de Eça e seu ami­go bra­si­lei­ro, Eduardo Pra­do, a um cen­tro es­pí­ri­ta ter­mi­na de mo­do sur­pre­en­den­te”, acres­cen­ta La­cer­da. “E, em Um Ar­ti­go do Ti­mes pa­ra o Bra­sil, o es­cri­tor iro­ni­za um ar­ti­go no qual o emi­nen­te jor­nal in­glês da­va a re­cei­ta pa­ra que nos tor­nás­se­mos uma na­ção de­sen­vol­vi­da.”

O bom hu­mor se des­ta­ca tam­bém nos es­cri­tos que Ma­cha­do de As­sis (1839-1908) pu­bli­cou na re­vis­ta Se­ma­na Ilus­tra­da, en­tre ju­nho de 1869 e mar­ço de 1876. Sob o pseudô­ni­mo de Dr. Se­ma­na, ele es­cre­veu cer­ca de 300 crô­ni­cas pa­ra a coluna in­ti­tu­la­da Ba­da­la­das. Co­mo es­sa al­cu­nha foi usa­da por ou­tros au­to­res na re­vis­ta, os es­tu­di­o­sos da obra de Ma­cha­do evi­ta­vam re­pro­du­zi-las em su­as an­to­lo­gi­as, te­men­do con­fe­rir-lhe uma fal­sa au­to­ria.

A caixa que a Nan­kin Edi­to­ri­al co­lo­ca nas li­vra­ri­as no fi­nal do mês é fru­to da pes­qui­sa de­ta­lha­da e per­sis­ten­te da pro­fes­so­ra Silvia Ma­ria Aze­ve­do, da Unesp de As­sis – ci­en­te do pro­ble­ma, ela se de­bru­çou so­bre a co­le­ção com­ple­ta da Se­ma­na Ilus­tra­da,

fe­liz­men­te pre­ser­va­da na Bi­bli­o­te­ca Na­ci­o­nal, no Rio, a fim de se­le­ci­o­nar as crô­ni­cas au­ten­ti­ca­men­te ma­cha­di­a­nas.

Pa­ra che­gar a es­sa cer­te­za, Silvia cru­zou vá­ri­as fon­tes, co­mo os es­cri­tos de Ma­cha­do an­tes, du­ran­te e de­pois da­que­le pe­río­do em que as­si­nou co­mo Dr. Se­ma­na, além de da­dos re­fe­ren­tes à sua vi­da, o que per­mi­tiu es­cla­re­cer cer­tas alu­sões bi­o­grá­fi­cas, por ve­zes obs­cu­ras, pre­sen­tes nas Ba­da­la­das.

O re­sul­ta­do, além de uma caixa pe­san­do um qui­lo, é um con­jun­to ilu­mi­na­do e di­ver­ti­do de di­ver­sos aspectos da vi­da so­ci­al e po­lí­ti­ca do Rio. Quan­do Ma­cha­do as­su­me a coluna, em 1869, ela ain­da se cha­ma­va Pon­tos e Vír­gu­las. Pa­ra jus­ti­fi­car a tro­ca do tí­tu­lo pa­ra Ba­da­la­das,

o Bru­xo do Cos­me Ve­lho já deu o tom: “Que di­ri­am de um ho­mem que, no tem­po de cal­ção e meia, usas­se cal­ça mo­der­na, ou fos­se aper­tar a mão do vis­con­de de Je­qui­ti­nho­nha en­ver­gan­do a tú­ni­ca de Ca­tão? Era um dis­pa­ra­te. Ca­da ho­mem de­ve ser do seu tem­po. Uma coi­sa é a cal­ça, ou­tra o cal­ção; uma coi­sa é Ca­tão, ou­tra o vis­con­de de Je­qui­ti­nho­nha. A épo­ca é par­la­men­tar; e o sím­bo­lo do par­la­men­ta­ris­mo é a cam­pai­nha que, en­tre pa­rên­te­ses, es­tá sen­do mui­to agi­ta­da pe­lo pre­si­den­te do Se­na­do”.

“Ma­cha­do ca­mi­nhou sem­pre pa­ra um afas­ta­men­to qua­se ni­i­lis­ta de va­lo­res con­sa­gra­dos. Eça ter­mi­nou mais con­ser­va­dor, lou­van­do fa­mí­lia, tra­ba­lho e pá­tria no úl­ti­mo tex­to, as Ci­da­des e as Ser­ras” Le­an­dro Kar­nal

HIS­TO­RI­A­DOR

“Ma­cha­do, re­a­lis­ta mais mo­der­no e ou­sa­do, sem ran­ço na­tu­ra­lis­ta, foi me­lhor con­tis­ta que Eça” Sér­gio Au­gus­to

JOR­NA­LIS­TA

ACERVO/ES­TA­DÃO

Eça. Olhar agu­ça­do de quem vi­ve no ex­te­ri­or

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.