Di­plo­ma­cia am­bi­en­tal

O Estado de S. Paulo - - Espaço Aberto - RUBENS BAR­BO­SA PRE­SI­DEN­TE DO INS­TI­TU­TO DE RE­LA­ÇÕES INTERNACIO­NAIS E CO­MÉR­CIO EX­TE­RI­OR (IRICE)

Ode­ba­te atu­al so­bre as quei­ma­das, o des­ma­ta­men­to e o ga­rim­po ile­gais ga­nhou re­per­cus­são in­ter­na­ci­o­nal e trans­for­mou-se na mais gra­ve cri­se ex­ter­na bra­si­lei­ra des­de os anos 70 e 80, cau­sa­da tam­bém por crí­ti­cas às po­lí­ti­cas de meio am­bi­en­te e de di­rei­tos hu­ma­nos.

No Brasil, vi­vía­mos num governo mi­li­tar e um de seus dog­mas era “Amazô­nia, in­te­grar pa­ra não en­tre­gar”. A vi­são de­fen­si­va pre­va­le­cia em 1972, por oca­sião da his­tó­ri­ca Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal so­bre Meio Am­bi­en­te, or­ga­ni­za­da pe­la ONU, em Es­to­col­mo. A re­tó­ri­ca do atu­al governo re­pe­te os ar­gu­men­tos dos mi­li­ta­res de en­tão. Na épo­ca, a san­ção foi política, com a de­te­ri­o­ra­ção da ima­gem do Brasil no ex­te­ri­or.

No úl­ti­mo dia 29, su­ce­di ao na­tu­ra­lis­ta e ho­mem pú­bli­co Pau­lo No­guei­ra Neto na Aca­de­mia Pau­lis­ta de Le­tras. Em dis­cur­so de pos­se, re­cor­dei a atu­a­li­da­de da atu­a­ção de No­guei­ra Neto, res­pon­sá­vel pe­la política am­bi­en­tal, pe­la le­gis­la­ção in­ter­na e pe­la cri­a­ção de es­tru­tu­ras ad­mi­nis­tra­ti­vas co­mo a Se­ma e o Iba­ma, que de­sa­gua­ram no atu­al Mi­nis­té­rio do Meio Am­bi­en­te. No âm­bi­to go­ver­na­men­tal, par­ti­ci­pou da re­fe­ri­da con­fe­rên­cia de Es­to­col­mo de che­fes de Es­ta­do. A atu­a­ção do Brasil é lem­bra­da por sua opo­si­ção a uma agen­da me­ra­men­te am­bi­en­ta­lis­ta e pe­la pro­pos­ta de as­so­ci­ar meio am­bi­en­te a de­sen­vol­vi­men­to, an­te­ci­pan­do a evo­lu­ção da agen­da am­bi­en­tal e as­se­gu­ran­do a defesa da so­be­ra­nia do País. Po­de­se di­zer que o Brasil, nas ne­go­ci­a­ções am­bi­en­tais, pas­sou de po­si­ção de­fen­si­va pa­ra a de um país com atu­a­ção ati­va e cons­tru­ti­va e, até re­cen­te­men­te, à de in­dis­cu­tí­vel li­de­ran­ça.

A par­tir da Rio-92, meio am­bi­en­te pas­sou a ser con­si­de­ra­do uma ques­tão so­ci­al glo­bal. No­vas for­ças se as­so­ci­a­ram às po­lí­ti­cas pú­bli­cas: o con­su­mi­dor, as ONGs e, mais re­cen­te­men­te, a on­da ver­de na Eu­ro­pa. Atu­am pu­nin­do os in­fra­to­res com boi­co­tes, mu­dan­ças de há­bi­tos de con­su­mo e pres­si­o­nan­do por re­gras internacio­nais ve­ri­fi­cá­veis.

A mu­dan­ça cli­má­ti­ca obe­de­ce à lei da fí­si­ca, e não a prin­cí­pi­os ide­o­ló­gi­cos. Nos fó­runs internacio­nais es­se te­ma de­ve­rá per­ma­ne­cer vi­vo e em pau­ta, pe­la cres­cen­te

pre­o­cu­pa­ção com a saú­de do pla­ne­ta. Até os car­de­ais, no pró­xi­mo sí­no­do no Va­ti­ca­no, vão dis­cu­tir a Amazô­nia. Na Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Co­mér­cio dis­cu­te-se um acor­do so­bre meio am­bi­en­te que, jun­ta­men­te com cláu­su­las am­bi­en­tais in­cluí­das nos acor­dos co­mer­ci­ais, é man­da­tó­rio. Le­va­do à con­si­de­ra­ção do G-7, que con­gre­ga paí­ses de­sen­vol­vi­dos, sem ame­a­ças à so­be­ra­nia, fi­cou de­ci­di­do que re­cur­sos téc­ni­cos e fi­nan­cei­ros se­rão ofe­re­ci­dos aos paí­ses amazô­ni­cos, o Brasil in­cluí­do.

Di­fe­ren­te­men­te do ocor­ri­do nas dé­ca­das de 1970 e 1980, ho­je as con­sequên­ci­as ne­ga­ti­vas pa­ra o Brasil, além de po­lí­ti­cas, são co­mer­ci­ais.

Os in­te­res­ses em jo­go são mui­to gran­des. Nos pró­xi­mos dez anos, pro­je­ta-se uma cres­cen­te de­man­da de pro­du­tos bra­si­lei­ros. A política co­mer­ci­al tor­nou-se um ins­tru­men­to da política cli­má­ti­ca. A pro­te­ção do meio am­bi­en­te tor­nou-se ques­tão de com­pe­ti­ti­vi­da­de in­ter­na­ci­o­nal. A au­sên­cia de di­re­tri­zes ob­je­ti­vas so­bre o te­ma é vis­ta co­mo afe­tan­do o cum­pri­men­to dos com­pro­mis­sos as­su­mi­dos pe­lo Brasil, com­pro­me­ten­do seu pa­pel pro­tagô­ni­co exer­ci­do glo­bal­men­te, mas tam­bém pas­sa a im­pres­são de re­tro­ces­sos nos es­for­ços de re­du­ção de emis­sões de ga­ses de efei­to es­tu­fa, nas ne­ces­sá­ri­as ações de fis­ca­li­za­ção e no não cum­pri­men­to da Política Na­ci­o­nal so­bre Mu­dan­ça do Cli­ma. Al­guns paí­ses eu­ro­peus ame­a­çam não ra­ti­fi­car o acor­do co­mer­ci­al com o Mer­co­sul. O mun­do es­tá ob­ser­van­do nos­sas ações que te­rão o po­der de sal­var ou des­truir a mai­or flo­res­ta tro­pi­cal do pla­ne­ta, co­mo res­sal­tou a in­flu­en­te e in­sus­pei­ta The Eco­no­mist em sua prin­ci­pal ma­té­ria no iní­cio de agos­to.

A con­fron­ta­ção ali­men­ta cam­pa­nhas con­tra o País, es­ti­mu­la­das por mo­ti­va­ções po­lí­ti­cas e co­mer­ci­ais. Sob pres­são dos acon­te­ci­men­tos, o governo de­cla­rou to­le­rân­cia ze­ro com as quei­ma­das e pro­me­teu me­di­das drás­ti­cas pa­ra con­ter os des­ma­ta­men­tos e o ga­rim­po ile­gais, com Iba­ma, ICMBio, Po­lí­cia Fe­de­ral e For­ças Ar­ma­das, e vai pro­mo­ver ini­ci­a­ti­vas pa­ra ten­tar mu­dar a ima­gem ne­ga­ti­va no ex­te­ri­or, co­mo tris­te­men­te exem­pli­fi­ca­da pe­las ma­ni­fes­ta­ções con­tra em­bai­xa­das bra­si­lei­ras em mui­tas ca­pi­tais.

O Brasil deve aban­do­nar a po­si­ção de­fen­si­va que pas­sou a ado­tar. Se não por con­vic­ção ar­rai­ga­da, que se­ja por prag­ma­tis­mo e re­a­lis­mo po­lí­ti­co, pa­ra a defesa de in­te­res­ses co­mer­ci­ais con­cre­tos e pa­ra res­ta­be­le­cer a per­cep­ção ex­ter­na so­bre o Brasil. Não há co­mo con­fron­tar a ten­dên­cia glo­bal de de­fi­nir po­lí­ti­cas de pre­ser­va­ção do meio am­bi­en­te e de mu­dan­ça do cli­ma. Es­se te­ma pas­sa­rá a in­ter­fe­rir ca­da vez mais na es­tra­té­gia de ne­gó­ci­os. Ur­ge a de­fi­ni­ção de uma es­tra­té­gia que re­ti­re o Brasil do iso­la­men­to e, em es­pe­ci­al, pro­te­ja o se­tor do agronegóci­o, que so­fre­rá as con­sequên­ci­as ca­so o País des­cum­pra os com­pro­mis­sos internacio­nais as­su­mi­dos, in­clu­si­ve no acor­do re­cen­te com a União Eu­ro­peia. Os in­te­res­ses da agroin­dús­tria es­tão as­so­ci­a­dos à pre­ser­va­ção am­bi­en­tal da Amazô­nia, par­te es­sen­ci­al do exer­cí­cio da so­be­ra­nia. Aguar­da-se com ex­pec­ta­ti­va o pro­nun­ci­a­men­to do pre­si­den­te no to­can­te à ques­tão am­bi­en­tal na aber­tu­ra da As­sem­bleia-Ge­ral das Na­ções Uni­das, es­te mês.

Im­põe-se o exa­me ob­je­ti­vo dos com­pro­mis­sos internacio­nais as­su­mi­dos vo­lun­ta­ri­a­men­te pe­lo Brasil e o grau de seu cum­pri­men­to pe­lo governo bra­si­lei­ro. A divulgação dos re­sul­ta­dos de­sa­pai­xo­na­dos des­se tra­ba­lho po­de­ria ser uti­li­za­da pe­lo governo e pe­lo se­tor pri­va­do no que es­tou cha­man­do de di­plo­ma­cia am­bi­en­tal. Es­sa ação es­cla­re­ce­rá o en­ga­ja­men­to e as me­di­das con­cre­tas ne­ces­sá­ri­as pa­ra defesa do in­te­res­se na­ci­o­nal e fa­zer o que foi fei­to na cri­se dos anos 70-80: uma política de trans­pa­rên­cia pa­ra es­va­zi­ar a cam­pa­nha con­tra as po­lí­ti­cas do atu­al governo.

O Brasil é cer­ta­men­te o país que mais tem a ga­nhar com o re­for­ço dos pa­drões mun­di­ais de exi­gên­cia quan­to à sus­ten­ta­bi­li­da­de. Nos­sa li­de­ran­ça nes­sa área nos po­ria à fren­te dos prin­ci­pais con­cor­ren­tes não só pa­ra o co­mér­cio, mas tam­bém pa­ra a cap­ta­ção de in­ves­ti­men­tos.

O Brasil é o país que mais tem a ga­nhar com o re­for­ço dos pa­drões de sus­ten­ta­bi­li­da­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.