Tra­ba­lhan­do com a idade

O Estado de S. Paulo - - Notas E Informaçõe­s -

Amai­o­ria das na­ções en­fren­ta um rá­pi­do de­clí­nio de­mo­grá­fi­co, à me­di­da que as ta­xas de na­ta­li­da­de di­mi­nu­em e as de lon­ge­vi­da­de au­men­tam. O Brasil, por exem­plo, per­deu em 2018 seu bô­nus de­mo­grá­fi­co, ou se­ja, a si­tu­a­ção em que os ha­bi­tan­tes em idade de tra­ba­lho (dos 15 aos 64 anos) su­pe­ram os de­pen­den­tes – os ido­sos e cri­an­ças. Co­mo res­pos­ta a es­se desafio, a Or­ga­ni­za­ção pa­ra Co­o­pe­ra­ção e De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co (OCDE) vem pro­mo­ven­do uma sé­rie de es­tu­dos. O mais re­cen­te, Tra­ba­lhan­do Me­lhor com a Idade, dis­cu­te co­mo os go­ver­nos po­dem fo­men­tar mais e me­lho­res opor­tu­ni­da­des de tra­ba­lho pa­ra pro­fis­si­o­nais na terceira idade.

Pa­ra abor­dar o pro­ble­ma por to­dos os seus ân­gu­los, a OCDE pro­põe que os go­ver­nos atu­em em três áre­as prin­ci­pais. Em pri­mei­ro lu­gar, é pre­ci­so for­ta­le­cer os in­cen­ti­vos ao tra­ba­lho em ida­des avan­ça­das. Uma das re­co­men­da­ções é a fle­xi­bi­li­za­ção do pro­ces­so de apo­sen­ta­do­ria, de mo­do que ele pos­sa ser re­a­li­za­do em fa­ses que com­bi­nem gra­da­ti­va­men­te pen­sões com ren­da de tra­ba­lho e even­tu­ais bô­nus pa­ra quem se­gue tra­ba­lhan­do em idade avan­ça­da. Con­co­mi­tan­te­men­te, é pre­ci­so res­trin­gir a mar­gem pa­ra as apo­sen­ta­do­ri­as pre­co­ces que en­co­ra­jam os pro­fis­si­o­nais a dei­xar o tra­ba­lho en­quan­to ain­da es­tão em bo­as con­di­ções.

Mas além dos in­cen­ti­vos aos pro­fis­si­o­nais de terceira idade é ne­ces­sá­rio, em se­gun­do lu­gar, au­men­tar as su­as opor­tu­ni­da­des de tra­ba­lho, es­ti­mu­lan­do os em­pre­ga­do­res a con­tra­tá-los e man­tê-los. Com frequên­cia os sis­te­mas atu­ais de pro­te­ção le­gal aos tra­ba­lha­do­res de idade aca­bam, pa­ra­do­xal­men­te, por pre­ju­di­car as su­as chan­ces no mer­ca­do. Pro­fis­si­o­nais mais ve­lhos ten­dem a cus­tar mais que os jo­vens, de­vi­do aos be­ne­fí­ci­os le­gais acu­mu­la­dos. As­sim, a or­ga­ni­za­ção re­co­men­da um du­plo re­a­jus­te: fle­xi­bi­li­zar as re­gras de con­tra­ta­ção, por um la­do, e for­ta­le­cer, por ou­tro, o su­por­te à ren­da e ao re­em­pre­go pa­ra tra­ba­lha­do­res de­sem­pre­ga­dos. Com is­so é pos­sí­vel sal­va­guar­dar os in­te­res­ses dos tra­ba­lha­do­res mais ve­lhos, já que go­za­rão de uma rede de pro­te­ção mais for­te no ca­so de de­sem­pre­go, sem fe­rir as su­as pers­pec­ti­vas de em­pre­go, já que con­cor­re­rão em pé de igual­da­de com os mais jo­vens, não sen­do nem mais nem me­nos one­ro­sos ao em­pre­ga­dor. Nes­se pro­ces­so, a tec­no­lo­gia de da­dos po­de ser útil, pro­mo­ven­do a tri­a­gem e a co­lo­ca­ção de pro­fis­si­o­nais de acor­do com as su­as me­lho­res ap­ti­dões.

Em ter­cei­ro lu­gar, é pre­ci­so ca­pa­ci­tar os tra­ba­lha­do­res pa­ra que se man­te­nham co­mo for­ça de tra­ba­lho atra­en­te à me­di­da que en­ve­lhe­cem. “A me­lhor prá­ti­ca pa­ra for­ta­le­cer a em­pre­ga­bi­li­da­de e as opor­tu­ni­da­des de em­pre­go em uma idade avan­ça­da”, diz a pes­qui­sa, “é for­ne­cer opor­tu­ni­da­des iguais aos pro­fis­si­o­nais pa­ra que con­ti­nu­a­men­te in­cre­men­tem as su­as ha­bi­li­da­des, cons­ci­en­ti­zem-se de ha­bi­li­da­des ad­qui­ri­das atra­vés de uma vi­da de tra­ba­lho e me­lho­rem as con­di­ções de tra­ba­lho em to­das as ida­des.” Há vá­ri­as es­tra­té­gi­as pa­ra con­cre­ti­zar es­se ob­je­ti­vo. Tal­vez a prin­ci­pal se­ja o fo­men­to a pro­gra­mas de ca­pa­ci­ta­ção adap­ta­dos a ca­da uma das ida­des da vi­da pro­fis­si­o­nal. Ao mes­mo tem­po, é pre­ci­so for­ne­cer as­sis­tên­cia aos de­sem­pre­ga­dos, em es­pe­ci­al aos de­sa­len­ta­dos, ga­ran­tin­do que de­sem­pre­ga­dos mais ve­lhos te­nham os mes­mos di­rei­tos de re­co­lo­ca­ção que os mais jo­vens, mas tam­bém, co­mo con­tra­par­ti­da aos be­ne­fí­ci­os re­ce­bi­dos, as mes­mas obri­ga­ções de pro­cu­rar em­pre­go. Ade­mais, ca­be aper­fei­ço­ar as con­di­ções de tra­ba­lho pa­ra tra­ba­lha­do­res de to­das as ida­des, de mo­do a re­vi­go­rar a lon­ge­vi­da­de da vi­da pro­fis­si­o­nal. Is­so im­pli­ca for­ta­le­cer as con­di­ções de se­gu­ran­ça e de saú­de fí­si­ca e men­tal nos lo­cais de tra­ba­lho, re­du­zir a incidência de tra­ba­lho in­sa­lu­bre e equi­li­brar as res­pon­sa­bi­li­da­des pro­fis­si­o­nais e fa­mi­li­a­res.

Que o tra­ba­lho dig­ni­fi­ca o ho­mem é uma ver­da­de co­nhe­ci­da des­de que o ho­mem é ho­mem. O desafio do nos­so tem­po é pro­var que o tra­ba­lho po­de tam­bém dig­ni­fi­car o ho­mem de idade, e que es­te po­de tra­ba­lhar dig­na­men­te pa­ra pro­vei­to da so­ci­e­da­de, de sua fa­mí­lia e, por ób­vio, de si mes­mo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.