É ne­go­ci­ar ou ne­go­ci­ar

O Estado de S. Paulo - - Política - ELIANE CANTANHÊDE E-MAIL: [email protected] TWITTER: @ECANTANHED­E ELIANE CANTANHÊDE ESCREVE ÀS TER­ÇAS E SEX­TAS-FEI­RAS E AOS DOMINGOS

Pas­sa­da a fa­se ini­ci­al da re­la­ção Pla­nal­to-Con­gres­so, com a Câ­ma­ra con­cen­tra­da na re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, é ago­ra que co­me­ça o ver­da­dei­ro jo­go po­lí­ti­co do governo Jair Bol­so­na­ro. As pau­tas le­gis­la­ti­vas dos mi­nis­té­ri­os, do Pla­nal­to e do pró­prio Bol­so­na­ro são mui­tas e ar­ris­ca­das, exi­gin­do gran­de ca­pa­ci­da­de de ne­go­ci­a­ção.

São os ve­tos à Lei de Abu­so de Au­to­ri­da­de e à gra­tui­da­de de ba­ga­gens em vo­os, além das sa­ba­ti­nas de Au­gus­to Aras pa­ra a PGR e de Edu­ar­do Bol­so­na­ro pa­ra a em­bai­xa­da em Washing­ton. Sem con­tar a fi­la de

em­bai­xa­do­res no lim­bo: saí­ram de um pos­to e não che­ga­ram a ou­tro.

São pau­tas di­fí­ceis, mas a ques­tão mais emer­gen­ci­al é a pin­daí­ba do governo. Com fal­ta de di­nhei­ro pa­ra tu­do, há um ris­co de apa­gão, ou de “shut­down”, co­mo pre­fe­rem os eco­no­mis­tas. E quem po­de re­sol­ver? O Con­gres­so, é cla­ro. Mas não de mão bei­ja­da.

A ex­pec­ta­ti­va é de Aras pas­sar fá­cil pe­la CCJ e pe­lo plenário do Se­na­do, ape­sar de en­fren­tar for­tes reações na pró­pria ca­sa, o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, e nos bun­kers de Bol­so­na­ro na in­ter­net. Em ge­ral, os políticos de di­fe­ren­tes ten­dên­ci­as não têm na­da de im­pe­di­ti­vo con­tra ele, que, de qu­e­bra, não é exa­ta­men­te um de­fen­sor dos mé­to­dos da Lava Jato, mui­to pe­lo con­trá­rio.

A mes­ma fa­ci­li­da­de, po­rém, não de­ve­rá se re­pe­tir pa­ra a vo­ta­ção do “fi­lho 03” e um si­nal inequí­vo­co dis­so é a de­mo­ra e a re­ti­cên­cia do pa­pai Jair em en­vi­ar o pe­di­do pa­ra o Se­na­do. É mui­to ra­ro, qua­se im­pos­sí­vel, um can­di­da­to a em­bai­xa­dor ser der­ru­ba­do no Se­na­do. Já ima­gi­na­ram o fi­lho do pre­si­den­te não pas­sar? Uma der­ro­ta e tan­to.

A vo­ta­ção dos 19 ve­tos da Lei de Abu­so de Au­to­ri­da­de é ou­tra pe­drei­ra, in­clu­si­ve por­que a ba­se e o pró­prio par­ti­do do pre­si­den­te, o PSL, es­tão di­vi­di­dos. É aque­la ba­ra­fun­da: há de bol­so­na­ris­tas a petistas a fa­vor da Lava Jato e con­tra a lei, há de bol­so­na­ris­tas a petistas con­tra a Lava Jato e a fa­vor da lei. E com uma agra­van­te: a quei­xa de que os ve­tos pri­vi­le­gi­am po­li­ci­ais – ba­se elei­to­ral e par­la­men­tar do pre­si­den­te –, em de­tri­men­to de juí­zes e pro­cu­ra­do­res. A me­lhor apos­ta é que Bol­so­na­ro não vá es­ca­par de uma der­ro­ta. Res­ta sa­ber o ta­ma­nho e a gra­vi­da­de de­la.

A gra­tui­da­de das ma­las nem é pri­o­ri­tá­ria, mas, de um la­do, mo­bi­li­za as em­pre­sas aé­re­as e, de ou­tro, tem ape­lo na clas­se mé­dia, que foi de­ci­si­va na elei­ção de Bol­so­na­ro e con­ti­nua sen­do pa­ra se­gu­rar a ero­são de sua po­pu­la­ri­da­de – que não an­da na­da bem.

Tu­do is­so tem mais sim­bo­lo­gia e é dis­pu­ta de po­der e tes­te de for­ça política, mas a ques­tão cen­tral mes­mo é co­mo dar al­gum res­pi­ro pa­ra o governo nes­te mo­men­to de economia a pas­sos de tar­ta­ru­ga e Es­ta­do que­bra­do. Cor­te de bol­sas de es­tu­do, sus­pen­são de pes­qui­sas, fal­ta até de pa­pel hi­gi­ê­ni­co nas uni­ver­si­da­des, re­du­ção de ex­pe­di­en­te nas For­ças Ar­ma­das, pro­je­tos in­ter­rom­pi­dos, mi­nis­té­ri­os pa­ran­do e mi­nis­tros cho­ra­min­gan­do... Al­go pre­ci­sa ser fei­to e, se­ja o que for, de­pen­de do Con­gres­so Na­ci­o­nal, que foi tão mal­tra­ta­do pe­lo pre­si­den­te e ago­ra é tão fun­da­men­tal pa­ra ele. Aliás, pa­ra qual­quer pre­si­den­te.

Na me­sa, es­tão al­gu­mas pos­si­bi­li­da­des, to­das di­fí­ceis e po­lê­mi­cas, co­mo re­vi­são do te­to, pe­lo qu­al os gas­tos pú­bli­cos só po­dem su­bir pe­la in­fla­ção de um ano pa­ra ou­tro. Me­xer nes­sa me­di­da mo­ra­li­zan­te se­ria pés­si­mo, mas Bol­so­na­ro che­gou a ad­mi­tir e de­pois “de­sad­mi­tiu”.

Ou­tras op­ções: me­xer na me­ta fis­cal ou na “re­gra de ou­ro”, que proí­be o governo de con­trair dí­vi­da pa­ra pa­gar cus­teio, in­clu­si­ve fo­lha de pa­ga­men­to. Em úl­ti­mo ca­so, se na­da fun­ci­o­nar, o jei­to se­rá apro­var um cré­di­to su­ple­men­tar.

Quem pe­gou es­ses tou­ros a unha foi o ge­ne­ral e ministro Luiz Edu­ar­do Ra­mos, da Se­cre­ta­ria de Governo, dei­xan­do, aliás, uma per­gun­ta no ar: o que an­da mes­mo fa­zen­do Onyx Lo­ren­zo­ni, da Ca­sa Ci­vil?

Trei­no é trei­no, jo­go é jo­go. Com pau­ta pe­sa­da no Con­gres­so, o jei­to é ne­go­ci­ar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.