‘Ini­ci­ar obras no fai­xa 1 ago­ra é de uma in­con­sequên­cia enor­me’

Igor Vi­las Bo­as de Frei­tas, pre­si­den­te do Con­se­lho Cu­ra­dor do FGTS

O Estado de S. Paulo - - Economia - Adri­a­na Fer­nan­des / BRA­SÍ­LIA

Pre­si­den­te do Con­se­lho Cu­ra­dor do FGTS e di­re­tor do de­par­ta­men­to que cui­da dos as­sun­tos do fun­do no Mi­nis­té­rio da Economia, Igor Vi­las Bo­as de Frei­tas, avi­sou as cons­tru­to­ras que não fa­çam no­vas con­tra­ta­ções na fai­xa 1 do Mi­nha Ca­sa des­ti­na­da às fa­mí­li­as que ga­nham até R$ 1,8 mil por mês.

Quais mu­dan­ças o governo es­tu­da pa­ra o Mi­nha Ca­sa? Te­mos tra­ba­lha­do com a se­cre­ta­ria de ha­bi­ta­ção do MDR (Mi­nis­té­rio de De­sen­vol­vi­men­to Re­gi­o­nal). O mo­de­lo fai­xa 1, o pró­prio se­tor de cons­tru­ção já en­ten­deu que não tem fu­tu­ro. É pre­ci­so que ha­ja ou­tras fon­tes de fi­nan­ci­a­men­to e ou­tras mo­de­los de apli­ca­ção dos re­cur­sos que não de­pen­dam 100% do Or­ça­men­to.

Um mo­de­lo de mer­ca­do?

O FGTS já ope­ra em mo­de­lo de mer­ca­do no fai­xa 2 pa­ra pes­so­as que têm ren­da de dois a três sa­lá­ri­os. O FGTS es­tá pa­gan­do uma boa par­te des­sa par­ce­la. Se ca­da um de nós con­cor­da ou não que o di­nhei­ro do tra­ba­lha­dor se­ja do­a­do é ou­tra dis­cus­são. O que es­tou di­zen­do é que o FGTS com R$ 9, 6 bi­lhões, R$ 10 bi­lhões por ano de des­con­tos po­de fa­zer mais do que faz.

Pa­ra bai­xa ren­da?

Is­so. Po­de gas­tar me­nos e fa­zer mais.

O que fa­zer pa­ra mu­dar es­se qua­dro?

Mu­dan­do a ma­nei­ra de alo­car o re­cur­so. É cri­an­do o fun­do ga­ran­ti­dor, é tra­ba­lhan­do com o com­par­ti­lha­men­to de ris­co de ou­tras for­mas. Ao usar só as re­gras ho­je vi­gen­tes do Mi­nha Ca­sa, es­ta­mos per­den­do opor­tu­ni­da­des de ga­nho de efi­ci­ên­cia de uso dos re­cur­sos do fun­do. Is­so es­tá sen­do tra­ba­lha­do no âm­bi­to do con­se­lho cu­ra­dor. Es­ta­mos dis­cu­tin­do com Es­ta­dos e ou­tros agen­tes fi­nan­cei­ros ofi­ci­ais pa­ra que de­em su­ges­tões de com­par­ti­lha­men­to de ris­co de cré­di­to, de ar­ran­jo, pa­ra ope­rar.

Mas há a pres­são da cons­tru­ção ci­vil?

Sim. Eu dis­se pa­ra eles o se­guin­te: fai­xa 1 vo­cês pre­ci­sam en­ten­der que não é má von­ta­de; é que re­al­men­te não tem di­nhei­ro. Es­ta­mos fa­zen­do um es­for­ço pa­ra não pa­ra­li­sar mais obras. Mas ini­ci­ar obras no­vas no fai­xa 1 ago­ra é de uma in­con­sequên­cia enor­me. O que o governo es­tá di­zen­do é que no fai­xa 1 não tem con­di­ção de abrir con­tra­ta­ção no­va. Não fa­çam is­so! Eu dei­xei is­so cla­ro na reu­nião de co­mu­ni­ca­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.