So­bre te­tos e pi­sos

O Estado de S. Paulo - - Economia - ANA CARLA ABRÃO E-MAIL: [email protected] ESCREVE ÀS TER­ÇAS-FEI­RAS ECO­NO­MIS­TA E SÓCIA DA CON­SUL­TO­RIA OLIVER WYMAN. O AR­TI­GO RE­FLE­TE EXCLUSIVAM­ENTE A OPINIÃO DA CO­LU­NIS­TA

Cres­cem as vo­zes de­fen­den­do a re­vi­são do te­to de gas­tos. Ape­sar das de­cla­ra­ções em con­trá­rio do ministro da Fa­zen­da, do pre­si­den­te da Câ­ma­ra e do pró­prio pre­si­den­te, a emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal, cu­ja apro­va­ção em de­zem­bro de 2016 foi am­pla­men­te ce­le­bra­da, vem so­fren­do ques­ti­o­na­men­tos e pres­sões pa­ra que se­ja fle­xi­bi­li­za­da na mes­ma pro­por­ção em que co­me­ça a se mos­trar efi­caz. A par­te boa é jus­ta­men­te es­sa, ou se­ja, o de­ba­te que sua vi­gên­cia en­se­ja.

O te­to de gas­tos ex­pli­ci­ta o con­fli­to dis­tri­bu­ti­vo, dei­xan­do mais cla­ras as es­co­lhas fei­tas sem trans­pa­rên­cia no pas­sa­do. Es­se é o ob­je­ti­vo, afi­nal. Fle­xi­bi­li­zá-lo ago­ra é abor­tar es­se pro­ces­so e adi­ar, mais uma vez, as de­ci­sões di­fí­ceis, mas ab­so­lu­ta­men­te ne­ces­sá­ri­as pa­ra uma me­lhor ges­tão fis­cal.

Es­tá na com­po­si­ção do gas­to pú­bli­co, mais até do que no seu ní­vel, nos­so mai­or pro­ble­ma. Is­so fi­ca cla­ro nos da­dos do Pro­je­to de Lei Or­ça­men­tá­ria Anu­al – Ploa 2020, apre­sen­ta­do pe­lo governo no fim de agos­to. Na­da me­nos do que 94% do to­tal das re­cei­tas do Or­ça­men­to são re­cur­sos ca­rim­ba­dos, ou se­ja, sem ne­nhu­ma fle­xi­bi­li­da­de de alo­ca­ção. Is­so sig­ni­fi­ca que pri­o­ri­da­des de política pú­bli­ca es­tão sem­pre à re­bo­que dos gas­tos obri­ga­tó­ri­os, já pre­vi­a­men­te de­fi­ni­dos e cres­cen­tes, pois não po­dem ser con­tin­gen­ci­a­dos.

Nos úl­ti­mos anos fo­ram mais de R$ 200 bi­lhões de cres­ci­men­to e só no pró­xi­mo se­rão R$ 50 bi­lhões a mais des­ti­na­dos, ma­jo­ri­ta­ri­a­men­te, ao pa­ga­men­to de apo­sen­ta­do­ri­as e des­pe­sas de pessoal.

O ou­tro la­do des­sa mo­e­da apa­re­ce nas no­tí­ci­as de um emi­nen­te apa­gão nos ór­gãos pú­bli­cos. A ri­gor es­se apa­gão já exis­te há vá­ri­os anos, só não era tão vi­sí­vel por­que ain­da se con­ta­va com avan­ços re­ais nos gas­tos, que em ver­da­de não dei­xa­vam ver a de­te­ri­o­ra­ção da má­qui­na, ho­je vez mais evi­den­te. A cau­sa, não nos en­ga­ne­mos, não são os con­tin­gen­ci­a­men­tos, mas sim a pi­o­ra na com­po­si­ção dos gas­tos. Um pa­ra­do­xo em que gas­tos cres­cen­tes con­vi­vem com es­cas­sez ca­da vez mai­or. Mas a sequên­cia é co­nhe­ci­da por to­do ges­tor pú­bli­co.

Na me­di­da que o Or­ça­men­to vai fi­can­do mais en­ges­sa­do e mais aper­ta­do, com gas­tos obri­ga­tó­ri­os as­su­min­do par­ce­las ca­da vez mais re­pre­sen­ta­ti­vas dos or­ça­men­tos pú­bli­cos, as dis­fun­ções na com­po­si­ção das fi­nan­ças pú­bli­cas vão se evi­den­ci­an­do.

Nos três ní­veis da fe­de­ra­ção, o ajus­te co­me­ça com a re­du­ção nas ru­bri­cas de in­ves­ti­men­to, li­nha de des­pe­sa dis­cri­ci­o­ná­ria que se pres­ta a cor­tes mais abrup­tos. Na sequên­cia, ob­ser­va-se o avan­ço dos cor­tes so­bre os gas­tos de cus­teio, até o li­mi­te de com­pro­me­ter o fun­ci­o­na­men­to da má­qui­na e pas­san­do por um cres­cen­te uso de for­ne­ce­do­res co­mo fon­te de fi­nan­ci­a­men­to. Em pa­ra­le­lo, no­vos con­cur­sos pú­bli­cos con­ti­nu­am sen­do fei­tos, pro­mo­ções e pro­gres­sões se man­têm no mes­mo rit­mo e gra­ti­fi­ca­ções e pen­du­ri­ca­lhos se mul­ti­pli­cam, al­ter­na­dos por re­a­jus­tes re­ais de sa­lá­ri­os. Até que se che­ga no mes­mo lu­gar: atra­sos de sa­lá­ri­os e co­lap­so nos ser­vi­ços.

Já pas­sa­mos do li­mi­te. O mo­de­lo já deu er­ra­do. Te­tos de es­co­las pú­bli­cas es­tão ruin­do, lu­zes quei­ma­das dei­xam sa­las de au­las às es­cu­ras. Nos hos­pi­tais – a não ser aque­les pou­cos cu­jos re­cur­sos es­tão pro­te­gi­dos (e os pa­ga­men­tos ain­da em dia) por con­tra­tos de ges­tão pri­va­da – fal­tam re­mé­di­os e ma­te­ri­ais hos­pi­ta­la­res bá­si­cos. Na se­gu­ran­ça pú­bli­ca, a guerra con­tra a cri­mi­na­li­da­de se per­de di­a­ri­a­men­te, com fal­ta de re­cur­sos pa­ra in­ves­tir em informação e in­te­li­gên­cia e uma tris­te es­ta­tís­ti­ca re­cor­de de po­li­ci­ais mor­tos. A bu­ro­cra­cia, por sua vez, ago­ni­za sem tec­no­lo­gia, afun­da­da em pro­ces­sos ana­ló­gi­cos e ine­fi­ci­en­tes.

Mas na­da dis­so se deve ao te­to de gas­tos. Tu­do is­so se deve sim ao pi­so de gas­tos. Co­mo mui­to bem co­lo­ca­do pe­lo ministro Pau­lo Gu­e­des, o pi­so so­be a ca­da dia, com­pri­min­do os re­cur­sos dis­po­ní­veis e su­fo­can­do uma má­qui­na que en­tre­ga ca­da vez me­nos e con­so­me ca­da vez mais. A úni­ca for­ma de se rom­per o pi­so é re­du­zin­do os gas­tos obri­ga­tó­ri­os e ata­can­do as fon­tes de cres­ci­men­to des­ses gas­tos. E o cres­ci­men­to ve­ge­ta­ti­vo dos gas­tos com pessoal é uma fon­te per­ver­sa. Ele im­põe uma alo­ca­ção de re­cur­sos que em na­da se re­la­ci­o­na com a qua­li­da­de do ser­vi­ço pres­ta­do ao ci­da­dão, ge­ra o in­cha­ço da má­qui­na ao exi­gir uma cons­tan­te re­tro­a­li­men­ta­ção de re­cur­sos e ho­je pe­na­li­za o ser­vi­dor pú­bli­co que tem de as­sis­tir pas­si­va­men­te aos cor­tes de in­ves­ti­men­tos e de cus­teio que com­pro­me­tem a sua ca­pa­ci­da­de de ser­vir.

O Brasil tem uma agen­da im­por­tan­te e ur­gen­te à fren­te. Sua im­ple­men­ta­ção tam­bém de­pen­de de uma má­qui­na pú­bli­ca efi­ci­en­te, que se­ja agen­te des­se pro­ces­so – e não a en­gre­na­gem do re­tro­ces­so. Só uma pro­fun­da re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va po­de­rá re­ver­ter es­sa ten­dên­cia, sal­van­do o te­to e re­du­zin­do o pi­so.

País tem uma agen­da ur­gen­te à fren­te que de­pen­de de uma má­qui­na pú­bli­ca efi­ci­en­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.