‘Tem de ti­rar pen­du­ri­ca­lhos pa­ra fa­ci­li­tar a vi­da de quem em­pre­en­de’

Pa­ra o em­pre­sá­rio, País es­tá vol­tan­do a cres­cer, mas há me­di­das que ace­le­ra­ri­am es­sa ten­dên­cia po­si­ti­va

O Estado de S. Paulo - - Negócios - Mô­ni­ca Sca­ra­muz­zo Cris­ti­a­ne Bar­bi­e­ri

À fren­te do gru­po Igua­te­mi, con­glo­me­ra­do de lu­xo que fa­tu­ra R$ 13 bi­lhões por ano, o em­pre­sá­rio Car­los Je­reis­sa­ti Fi­lho es­tá de­sen­ga­ve­tan­do pro­je­tos. Pa­ra ele, o País evi­tou a re­ces­são téc­ni­ca e, até me­a­dos do ano que vem, vi­ve­rá um pe­río­do de cres­ci­men­to mais for­te. Po­rém, há vá­ri­as pe­dras a se­rem ti­ra­das do ca­mi­nho, so­bre­tu­do as li­ga­das ao pe­so es­ta­tal. “O Es­ta­do bra­si­lei­ro deve se vol­tar aos lu­ga­res nos quais se pre­ci­sa de­le”, diz Je­reis­sa­ti. “É pre­ci­so per­mi­tir a au­tor­re­gu­la­ção e di­mi­nuir a de­pen­dên­cia do Es­ta­do bra­si­lei­ro. Es­sa é uma es­sên­cia que a re­for­ma tra­ba­lhis­ta já trou­xe e pre­ci­sa ser es­ten­di­do em ou­tros seg­men­tos.”

Je­reis­sa­ti tam­bém de­fen­de uma re­for­ma da Pre­vi­dên­cia mais am­pla, que in­clua os Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os. “É im­por­tan­te pa­ra que a re­for­ma não fi­que ca­pen­ga.” A Pro­pos­ta de Emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC) pa­ra­le­la, que in­clui to­da a fe­de­ra­ção den­tro des­sa re­for­ma, é uma das ban­dei­ras do se­na­dor Tas­so Je­reis­sa­ti (PSDB-CE), re­la­tor do pro­je­to no Se­na­do e tio de Car­los. Leia, a se­guir, os prin­ci­pais tre­chos da entrevista.

O sr. vê uma re­to­ma­da da economia nos pró­xi­mos me­ses? Sim. Acho que até o meio do ano que vem ve­re­mos cres­ci­men­to me­lhor da economia, com re­for­mas apro­va­das e um uni­ver­so mais cla­ro. O governo já es­tá tra­tan­do ou­tros te­mas pa­ra me­lho­rar o am­bi­en­te de ne­gó­ci­os. Não é só o cres­ci­men­to da economia. Pre­ci­sa tor­nar o Brasil mais in­te­res­san­te pa­ra atrair in­ves­ti­men­tos. Tem mui­ta coi­sa a ser fei­ta.

Co­mo o quê?

Te­mos um pro­ble­ma crô­ni­co de in­fra­es­tru­tu­ra. Tam­bém te­mos de ti­rar pen­du­ri­ca­lhos pa­ra fa­ci­li­tar a vi­da de quem em­pre­en­de. Tem de co­me­çar a en­ten­der que o Es­ta­do bra­si­lei­ro deve fi­car fo­ca­do on­de se pre­ci­sa de­le. E dei­xar que as pes­so­as aci­ma dis­so se au­tor­re­gu­lem, sem de­pen­der do Es­ta­do. É uma es­sên­cia que a re­for­ma tra­ba­lhis­ta já trou­xe e pre­ci­sa ser es­ten­di­da a ou­tros seg­men­tos.

Co­mo o sr. vê a con­du­ção das dis­cus­sões so­bre a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia?

Não faz sen­ti­do ter uma re­for­ma da Pre­vi­dên­cia sem in­cluir Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os. É im­por­tan­te pa­ra que a re­for­ma não fi­que ca­pen­ga. Se an­dar es­sa PEC pa­ra­le­la (pro­je­to de emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal do Se­na­do que in­clui Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os na re­for­ma), po­de me­lho­rar mui­to. Ima­gi­na só mais de 2 mil sis­te­mas de Pre­vi­dên­cia di­fe­ren­tes em mu­ni­cí­pi­os. Is­so é uma ma­lu­qui­ce. É de­cre­tar a fa­lên­cia.

A PEC pa­ra­le­la se­ria um fa­tor de pres­são pa­ra uma re­for­ma mais am­bi­ci­o­sa?

Não é só uma pres­são por­que to­do mun­do es­tá que­ren­do... Não pas­sar se­ria um pro­ble­ma mui­to gran­de. A Pre­vi­dên­cia é um pro­ble­ma pre­sen­te e do fu­tu­ro. O pro­ble­ma atu­al é a fo­lha (de pa­ga­men­to) dos ser­vi­do­res. Tem a ques­tão tam­bém do es­ta­tu­to do ser­vi­dor, que tem de mu­dar, ti­rar to­dos es­ses pen­du­ri­ca­lhos que a gen­te não en­xer­ga – quem en­tra e já tem to­das as gra­ti­fi­ca­ções. Es­se me­ca­nis­mo to­do tem de ser des­mon­ta­do, sob pe­na de que tu­do que a gen­te pa­ga de imposto vi­rar sa­lá­rio. É o fim do mun­do. Não tem in­ves­ti­men­to.

Uma re­for­ma mai­or aju­da­ria a des­tra­var in­ves­ti­men­tos de ma­nei­ra ge­ral? Sim. Ve­ja o se­tor imo­bi­liá­rio. Tem mui­ta gen­te ani­ma­da com lan­ça­men­tos no­vos. A gen­te tem pro­je­tos de ex­pan­são de ver­ti­ca­li­za­ção de shop­pings. Es­ta­mos sen­tin­do pro­cu­ra pa­ra pro­je­tos nes­se sen­ti­do.

O gru­po Igua­te­mi já es­tá de­sen­ga­ve­tan­do pro­je­tos imo­bi­liá­ri­os?

Sim. Há um mo­vi­men­to de usos di­fe­ren­tes pa­ra es­ses com­ple­xos, que es­tão cres­cen­do. Ho­téis, ge­ral­men­te a gen­te ven­de, e pré­di­os co­mer­ci­ais, cos­tu­ma­mos fa­zer per­mu­tas pe­la par­ti­ci­pa­ção do VGV (Va­lor Ge­ral de Ven­das). Is­so cria trá­fe­go con­tí­nuo de pes­so­as. Evi­ta­mos a re­ces­são téc­ni­ca.

Os em­pre­sá­ri­os ain­da es­tão uni­dos em re­la­ção às ques­tões so­bre o País, mais do que an­tes? Os em­pre­sá­ri­os ho­je con­ver­sam no governo de ma­nei­ra mais es­tru­tu­ra­da, por meio de su­as as­so­ci­a­ções. Ho­je as en­ti­da­de são mais es­tru­tu­ra­das, mais em­po­de­ra­das e le­gí­ti­mas. Mui­tas as­so­ci­a­ções tra­ba­lham mais em con­jun­to pa­ra ques­tões im­por­tan­tes, co­mo a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia e vão dis­cu­tir a re­for­ma tri­bu­tá­ria. Vai ser um de­ba­te gran­de.

Co­mo o sr. tem par­ti­ci­pa­do di­re­ta­men­te des­sas con­ver­sas? Por meio da as­so­ci­a­ção, da Abras­ce (As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Shop­ping Cen­ters). É me­lhor vo­cê ser re­pre­sen­ta­do por meio de um gru­po do que iso­la­da­men­te.

AMAN­DA PEROBELLI/ES­TA­DÃO - 8/6/2017

Pa­ra­le­la. Pa­ra Je­reis­sa­ti, a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia pre­ci­sa in­cluir Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.