É ra­zoá­vel ter li­mi­tes

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

Jair Bol­so­na­ro ce­deu à pres­são de cor­po­ra­ções e des­fi­gu­rou o pro­je­to de lei so­bre abu­so de au­to­ri­da­de com 19 ve­tos.

Os 19 ve­tos apos­tos pe­lo pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro ao pro­je­to de lei so­bre abu­so de au­to­ri­da­de são a de­mons­tra­ção de co­mo é di­fí­cil coi­bir pri­vi­lé­gi­os e ex­ces­sos pra­ti­ca­dos e hau­ri­dos por de­ter­mi­na­das ca­te­go­ri­as pro­fis­si­o­nais. De­pois de mui­tos anos sem uma le­gis­la­ção con­so­li­da­da so­bre o exer­cí­cio abu­si­vo da fun­ção pú­bli­ca, o Con­gres­so apro­vou no mês pas­sa­do o Pro­je­to de Lei (PL) 7.596/17, um tex­to bas­tan­te equi­li­bra­do que, sem com­pro­me­ter a au­to­no­mia do agen­te pú­bli­co, pro­te­ge o ci­da­dão de ex­ces­sos do­lo­sa­men­te pra­ti­ca­dos. Bol­so­na­ro pre­fe­riu, no en­tan­to, ce­der à pres­são de al­gu­mas cor­po­ra­ções e des­fi­gu­rou o pro­je­to de lei com abun­dan­tes ve­tos. Ca­be ago­ra ao Le­gis­la­ti­vo der­ru­bá-los. O abu­so de au­to­ri­da­de não po­de con­ti­nu­ar im­pu­ne.

A lei do abu­so de au­to­ri­da­de não di­mi­nui a au­to­no­mia e a in­de­pen­dên­cia de juí­zes e mem­bros do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, já que são eles que in­ter­pre­ta­rão e apli­ca­rão a no­va le­gis­la­ção. Os pro­mo­to­res são os úni­cos que têm com­pe­tên­cia le­gal pa­ra apre­sen­tar uma ação pe­nal pú­bli­ca, no ca­so, con­tra a au­to­ri­da­de que co­me­ter abu­so no exer­cí­cio da fun­ção pú­bli­ca. E se­rão os juí­zes a jul­gar as ações pe­nais. Ou se­ja, juí­zes e pro­mo­to­res fi­xa­rão os li­mi­tes in­ter­pre­ta­ti­vos dos no­vos ti­pos pe­nais. Não há co­mo fa­lar, por­tan­to, no ris­co de a lei ser usa­da co­mo chan­ta­gem con­tra o agen­te

pú­bli­co.

É tam­bém fla­gran­te a dis­pa­ri­da­de de cri­té­ri­os uti­li­za­dos pa­ra ana­li­sar di­fe­ren­tes ti­pos de pro­je­tos de lei. Qu­an­do se tra­ta de le­gis­la­ção que vi­sa a di­mi­nuir o abu­so de au­to­ri­da­de, tu­do é con­si­de­ra­do mui­to aber­to e ca­paz de ge­rar in­se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca. Por exem­plo, na men­sa­gem do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca ex­pon­do os mo­ti­vos pa­ra os ve­tos, men­ci­o­na-se 15 ve­zes que o tex­to apro­va­do pe­lo Con­gres­so “ge­ra in­se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca”. Tam­bém se apon­ta que mui­tos dis­po­si­ti­vos do pro­je­to de lei com­por­tam “in­ter­pre­ta­ção”, o que en­se­ja­ria o seu ve­to.

No en­tan­to, o mes­mo governo que ve­ta artigos da lei ale­gan­do que ge­ram in­se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca apre­sen­tou ao Con­gres­so, em fe­ve­rei­ro, o cha­ma­do Pa­co­te An­ti­cri­me, mui­to mais aber­to e su­jei­to a in­ter­pre­ta­ções. A tí­tu­lo de exem­plo, men­ci­o­na-se o dis­po­si­ti­vo que o governo de­se­ja in­tro­du­zir no tra­ta­men­to da le­gí­ti­ma defesa. “O juiz po­de­rá re­du­zir a pe­na até a me­ta­de ou dei­xar de apli­cá-la se o ex­ces­so de­cor­rer de es­cu­sá­vel me­do, sur­pre­sa ou vi­o­len­ta emo­ção”, pro­põe o Pa­co­te An­ti­cri­me. Co­mo es­cre­veu Miguel Re­a­le Jú­ni­or em ar­ti­go pu­bli­ca­do no Es­ta­do (Ile­gí­ti­ma Agres­são, dia 7/9/2019), a no­vi­da­de “abre a por­ta à sub­je­ti­vi­da­de, ofe­re­cen­do li­cen­ça pa­ra ma­tar. (...) Qu­e­bra-se com es­sa pro­pos­ta o ei­xo cen­tral da fi­gu­ra da le­gí­ti­ma defesa, con­sis­ten­te em agir pa­ra fa­zer ces­sar uma agres­são, com âni­mo de se de­fen­der. Na hi­pó­te­se apre­sen­ta­da por Mo­ro, aco­lhe-se co­mo le­gí­ti­ma defesa uma agres­são des­ne­ces­sá­ria, fa­zen­do des­sa ex­clu­den­te um es­cu­do pro­te­tor da vi­o­lên­cia po­li­ci­al”. É um acin­te con­tra o ci­da­dão que o governo pro­mo­va uma le­gis­la­ção con­ce­den­do tal grau de ar­bi­tra­ri­e­da­de aos agen­tes po­li­ci­ais ao mes­mo tem­po que ve­ta a cri­mi­na­li­za­ção de con­du­tas con­trá­ri­as à lei pra­ti­ca­das por agen­tes pú­bli­cos “com a fi­na­li­da­de es­pe­cí­fi­ca de pre­ju­di­car ou­trem ou be­ne­fi­ci­ar a si mes­mo ou a ter­cei­ro, ou, ain­da, por me­ro ca­pri­cho ou sa­tis­fa­ção pessoal”, co­mo pre­vê o PL 7.596/17. São dois pe­sos e du­as me­di­das.

A apro­va­ção de le­gis­la­ção que cri­mi­na­li­za o abu­so de au­to­ri­da­de é pas­so im­por­tan­te pa­ra um mai­or equi­lí­brio ins­ti­tu­ci­o­nal, tam­bém pe­la ju­ris­pru­dên­cia que nas­ce­rá a par­tir de­la. Um dos artigos ve­ta­dos por Bol­so­na­ro pu­nia, por exem­plo, a de­cre­ta­ção de pri­são “em ma­ni­fes­ta des­con­for­mi­da­de com as hi­pó­te­ses le­gais”. É mui­to opor­tu­no que to­dos sai­bam com se­gu­ran­ça qu­an­do uma pri­são sig­ni­fi­ca abu­so de au­to­ri­da­de. Da mes­ma for­ma, é mui­to con­ve­ni­en­te que to­dos sai­bam que é abu­si­vo “an­te­ci­par o res­pon­sá­vel pe­las in­ves­ti­ga­ções, por meio de co­mu­ni­ca­ção, in­clu­si­ve rede so­ci­al, atri­bui­ção de cul­pa, an­tes de con­cluí­das as apu­ra­ções e for­ma­li­za­da a acu­sa­ção”. Es­se ti­po pe­nal tam­bém foi ve­ta­do por Bol­so­na­ro. Por mais que al­guns juí­zes e pro­mo­to­res pre­fi­ram não ter li­mi­tes no exer­cí­cio de sua fun­ção, o Es­ta­do De­mo­crá­ti­co de Di­rei­to os exi­ge.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.