Trump e Ma­cron sen­tem-se su­pe­ri­o­res ao res­to do mun­do, mas a re­a­li­da­de não se do­bra aos de­se­jos dos dois.

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - EMAIL: [email protected] TRADUÇÃO DE CLAUDIA BOZZO

Do­nald Trump e Emmanuel Ma­cron se amam. Qu­an­do es­tão em pú­bli­co, eles se bei­jam. Em se­gui­da, Trump se apres­sa em es­que­cer os ca­ri­nhos e abra­ços com os quais ele co­briu o fran­cês e o ata­ca com um ca­nhão.

Eles têm mui­tos pon­tos em co­mum. Eles ado­ram a di­plo­ma­cia. Co­mo não têm qual­quer ex­pe­ri­ên­cia política, eles se ati­ram, ir­re­fle­ti­da­men­te, nos mes­mos be­cos sem saí­da. Or­gu­lho­sos de­mais, os dois sen­tem-se su­pe­ri­o­res ao res­tan­te do mun­do e es­tão con­ven­ci­dos de que se­rá o su­fi­ci­en­te apa­re­ce­rem pa­ra que os pro­ble­mas se dis­si­pem. Eles anun­ci­am su­as vi­tó­ri­as, mas a re­a­li­da­de é tei­mo­sa. Em ge­ral, ela re­jei­ta do­brar-se aos de­se­jos do ame­ri­ca­no ou do fran­cês.

Foi o que aca­bou de acon­te­cer

com Trump no ca­so do Afe­ga­nis­tão. Ele ia par­tir pa­ra re­sol­ver um pro­ble­ma per­sis­ten­te no qu­al to­dos os pre­si­den­tes ame­ri­ca­nos, até o su­til Oba­ma, fo­ram der­ro­ta­dos. O to­do-po­de­ro­so Trump te­ve de anun­ci­ar que as ne­go­ci­a­ções com o Ta­le­ban fo­ram ca­te­go­ri­ca­men­te in­ter­rom­pi­das.

Es­te é um re­vés hu­mi­lhan­te pa­ra Trump: ele so­nha­va em fi­nal­men­te se­car o ato­lei­ro no qu­al os sol­da­dos ame­ri­ca­nos se de­ba­tem e mor­rem há 18 anos pa­ra co­lo­car de jo­e­lhos o Ta­le­ban e a Al-Qa­e­da, que co­me­te­ram em No­va York, a car­ni­fi­ci­na de 11 de se­tem­bro de 2001.

Por que es­sa mu­dan­ça com­ple­ta de opinião? Por cau­sa dos pró­pri­os ta­le­ban, que não he­si­ta­ram em fa­zer uma chacina em Ca­bul, no mes­mo dia em que o em­bai­xa­dor ame­ri­ca­no anun­ci­ou na TV afe­gã um acor­do de prin­cí­pi­os en­tre os EUA e o Ta­le­ban: 16 mor­tos em um com­ple­xo for­ti­fi­ca­do er­gui­do em Ca­bul pa­ra es­tran­gei­ros.

O gol­pe foi ter­rí­vel pa­ra Trump. A as­si­na­tu­ra se­ria fei­ta em Camp Da­vid, en­tre um lí­der ta­le­ban e o pre­si­den­te afe­gão, Ah­raf Gha­ni. To­das es­sas be­las ce­le­bra­ções e sím­bo­los do edi­fí­cio des­mo­ro­nam an­tes mes­mo da cons­tru­ção, pa­ra sa­tis­fa­ção, na re­a­li­da­de, de mui­tos ou­tros mem­bros no­tá­veis do mes­mo par­ti­do do pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos, os re­pu­bli­ca­nos.

Os con­tra­tem­pos dos fran­ce­ses são di­fe­ren­tes, mes­mo que be­bam da mes­ma fon­te: mui­ta au­to­con­fi­an­ça, al­vo­ro­ço e es­se de­se­jo de re­sul­ta­dos rá­pi­dos e es­pe­ta­cu­la­res! No re­cen­te G-7 re­a­li­za­do em Bi­ar­ritz, Ma­cron des­fe­riu dois gol­pes ou­sa­dos que to­do mun­do cum­pri­men­tou (até mes­mo eu) e se­cre­ta­men­te cha­mou o ministro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res do Irã a fim de abrir ca­mi­nho pa­ra reu­niões di­re­tas en­tre o Irã e seu ini­mi­go fa­vo­ri­to, os Es­ta­dos Uni­dos de Trump.

Des­de en­tão, as ne­go­ci­a­ções pros­se­guem en­tre Paris e Te­e­rã. Mas, no la­do ira­ni­a­no, is­so faz au­men­tar os ris­cos: o pre­si­den­te ira­ni­a­no ex­cluiu ime­di­a­ta­men­te, em prin­cí­pio, qual­quer dis­cus­são com os Es­ta­dos Uni­dos. Mais pe­ri­go­so: ele ame­a­çou re­du­zir ain­da mais os com­pro­mis­sos as­su­mi­dos pe­la re­pú­bli­ca is­lâ­mi­ca no cam­po nu­cle­ar, pre­vis­tos no Acor­do de Vi­e­na de ju­lho de 2015.

Roha­ni dis­se que os con­tra-ata­ques ira­ni­a­nos po­de­ri­am ser lan­ça­dos ra­pi­da­men­te. Por­tan­to, a es­pe­ran­ça que ha­via sur­gi­do em Bi­ar­ritz en­fren­ta ven­tos con­trá­ri­os. É cer­to que es­te não é um fra­cas­so hu­mi­lhan­te co­mo o so­fri­do por Trump no Afe­ga­nis­tão, mas o lem­bre­te de que uma di­plo­ma­cia es­tá acon­te­cen­do nos bas­ti­do­res, se­cre­ta­men­te e com cau­te­la.

Há ou­tra ação em­pre­en­di­da por Ma­cron, que se de­pa­ra com al­gu­mas ob­je­ções: a re­to­ma­da das re­la­ções da Fran­ça com a Rús­sia. Ma­cron, co­mo Trump, acha ab­sur­do con­ti­nu­ar abor­re­cen­do a Rús­sia des­de 2014 pa­ra pu­ni­la pe­la ane­xa­ção da Cri­meia. Ele acre­di­ta, com bom sen­so e re­a­lis­mo, que é ho­ra de vol­tar às re­la­ções pa­cí­fi­cas. É por is­so que Ma­cron re­ce­beu du­ran­te su­as fé­ri­as, no for­te de Bré­gan­çon, per­to de Ni­ce, o pre­si­den­te rus­so.

Na Eu­ro­pa, no en­tan­to, as re­sis­tên­ci­as são for­tes. Até a Ale­ma­nha, a que­ri­da ali­a­da da Fran­ça, fez ca­re­ta – em to­dos os lu­ga­res do po­der ale­mão, o de­se­jo de Ma­cron é cri­ti­ca­do. Até a que­ri­da An­ge­la Mer­kel es­tá re­lu­tan­te.

E há mais crí­ti­cas além de Mer­kel. São os paí­ses do Nor­te que vi­vem nos ar­re­do­res da Rús­sia e re­cei­am que es­ta ten­te ope­ra­ções no Nor­te, com­pa­rá­veis às que fo­ram re­a­li­za­das no Sul, na Cri­meia. As con­tu­sões da era so­vié­ti­ca ain­da são pro­fun­das na memória dos paí­ses bál­ti­cos.

Es­se é o pa­ra­do­xo: Ma­cron es­tá de­fen­den­do su­as idei­as e os mai­o­res obs­tá­cu­los que exis­tem en­tre os que se opõem a eles vêm da União Eu­ro­peia na qu­al Ma­cron so­nha­va, ain­da há dois anos, em tor­ná-la mais for­te. Iro­nia da vi­da política. Fran­çois Mit­ter­rand, que era um ex­ce­len­te pre­si­den­te so­ci­a­lis­ta, dis­se: “Lem­bre-se, a política é uma pro­fis­são. Uma pro­fis­são, eu vos di­go”.

Do­nald Trump e Emmanuel Ma­cron anun­ci­am vi­tó­ri­as, mas a re­a­li­da­de é tei­mo­sa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.