Be­le­za de ti­rar o fô­le­go

Se­den­tá­ri­os e ma­lha­dos, pa­ra os adep­tos do cam­ping ou do ho­tel quen­ti­nho: há ro­tei­ros pa­ra to­dos os per­fis em Tor­res del Pai­ne

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Pau­lo Favero /

Ex­plo­rar o Parque Na­ci­o­nal Tor­res del Pai­ne, no Chi­le, exi­ge bom pi­que. Mas va­le o su­or.

O fim do mun­do é lin­do. E te dei­xa sem fô­le­go. Li­te­ral­men­te e me­ta­fo­ri­ca­men­te. Ex­plo­rar o Parque Na­ci­o­nal Tor­res del Pai­ne, no ex­tre­mo sul do Chi­le, exi­ge ca­mi­nhar e um bom pi­que. Mas o que se vê na pai­sa­gem va­le o su­or.

A exi­gên­cia fí­si­ca é pa­ra to­do ti­po de pes­soa, des­de os mais atlé­ti­cos até os mais se­den­tá­ri­os. Cla­ro que quan­to me­lhor o pre­pa­ro fí­si­co, mai­or o nú­me­ro de op­ções de pas­sei­os. O mais em­ble­má­ti­co é a su­bi­da à ba­se das tor­res, prin­ci­pal car­tão-pos­tal do parque. São cer­ca de 22 quilô­me­tros, me­ta­de su­bin­do, me­ta­de des­cen­do, e le­va o dia in­tei­ro – em mé­dia, oi­to ho­ras.

As três tor­res de gra­ni­to, que fo­ram es­cul­pi­das pe­los gla­ci­a­res ao lon­go de sé­cu­los, têm sem­pre uma cen­tra­li­da­de nos pas­sei­os. Mas não se as­sus­te: além dos di­ver­sos cir­cui­tos de ca­mi­nha­das com di­fe­ren­tes graus de di­fi­cul­da­de, há ou­tras op­ções pa­ra ex­plo­rar os 283 mil me­tros qua­dra­dos do parque. Per­cor­rer as tri­lhas a ca­va­lo, de bar­co ou mes­mo de car­ro são pos­si­bi­li­da­des que tor­nam os cir­cui­tos mais de­mo­crá­ti­cos.

As agên­ci­as de Pu­er­to Na­ta­les tam­bém ofe­re­cem pas­sei­os de ôni­bus, que du­ram o dia in­tei­ro e pa­ram em pon­tos den­tro e fo­ra do parque. Eles cos­tu­mam bus­car no ho­tel e tra­zer de vol­ta – al­gu­mas in­clu­em re­fei­ções e en­tra­das, em ou­tras o va­lor é pa­go à par­te. Os pre­ços co­me­çam em uma mé­dia de R$ 200.

Pa­ra che­gar, é pre­ci­so vo­ar da ca­pi­tal San­ti­a­go até Pun­ta Are­nas, e de­pois se­guir por cer­ca de 300 quilô­me­tros por uma boa es­tra­da até o parque. Ou­tra pos­si­bi­li­da­de é vo­ar de San­ti­a­go pa­ra Pu­er­to Na­ta­les, que fi­ca a ape­nas 80 quilô­me­tros do parque – mas es­se tra­je­to só fun­ci­o­na du­ran­te a al­tís­si­ma tem­po­ra­da, en­tre de­zem­bro e fe­ve­rei­ro.

Pa­ra to­dos. Nas pro­xi­mi­da­des do parque exis­tem aco­mo­da­ções pa­ra to­dos os ti­pos de gos­to e bol­so – mas já va­le re­for­çar que não é mui­to ba­ra­to fi­car per­to do parque. Exis­tem ho­téis lu­xu­o­sos, com o sis­te­ma all-in­clu­si­ve, até pou­sa­das, acam­pa­men­tos e re­fú­gi­os no meio das tri­lhas (nes­te ca­so, é pre­ci­so agen­dar pe­lo sis­te­ma de re­ser­vas do parque). Al­gu­mas pes­so­as op­tam por fi­car em Pu­er­to Na­ta­les e fa­zer to­dos os di­as o tra­je­to de car­ro até o parque.

Em uma vi­a­gem co­mo es­sa, o pla­ne­ja­men­to é im­por­tan­te pa­ra de­fi­nir a quan­ti­da­de de di­as que o tu­ris­ta pre­ten­de fi­car na re­gião. Ge­ral­men­te, qua­tro ou cin­co noi­tes é o pe­río­do ide­al pa­ra os pas­sei­os prin­ci­pais, mas to­do mun­do vai em­bo­ra com a sen­sa­ção de que­rer fi­car um dia a mais.

As pai­sa­gens úni­cas atra­em cer­ca de 500 mil pes­so­as por tem­po­ra­da ao parque. Pa­ra se ter uma ideia, há 20 anos o nú­me­ro de vi­si­tan­tes gi­ra­va em tor­no de 18 mil. A mai­or par­te do pú­bli­co se con­cen­tra em se­te ou oi­to me­ses no ano – mui­tos ho­téis fe­cham no fim de maio e só vol­tam a abrir em ou­tu­bro. O parque, con­tu­do, fi­ca aber­to o ano to­do.

Es­se au­men­to no nú­me­ro de tu­ris­tas pro­mo­veu tam­bém um pro­ces­so de re­gu­la­men­ta­ção. Fa­zer fo­go no parque, por exem­plo, é proi­bi­do des­de o gran­de in­cên­dio de 2011. Além dis­so, é pre­ci­so le­var to­do li­xo pro­du­zi­do pa­ra fo­ra do parque. Afi­nal, pre­ser­var é a pri­o­ri­da­de – e os vi­si­tan­tes vêm jus­ta­men­te por cau­sa do con­ta­to com a na­tu­re­za.

Tor­res del Pai­ne é um des­ti­no pa­ra aman­tes das tri­lhas e ca­mi­nha­das. En­tão o pri­mei­ro desafio era sa­ber o quan­to eu aguen­ta­ria es­tan­do mui­tos qui­los aci­ma do pe­so e le­van­do uma vi­da se­den­tá­ria há al­guns anos. No gru­po de jor­na­lis­tas vi­a­jan­tes es­ta­vam um ma­ra­to­nis­ta, um fo­tó­gra­fo em boa for­ma fí­si­ca e du­as mulheres com pi­que de fa­zer in­ve­ja. E eu.

Lo­go de ca­ra já ti­nha per­ce­bi­do que não con­se­gui­ria fa­zer a tri­lha pa­ra a ba­se das três Tor­res, que du­ra o dia in­tei­ro em ní­vel di­fí­cil. Meu alí­vio foi que ti­nha à dis­po­si­ção ou­tras op­ções de pas­sei­os.

Ob­vi­a­men­te é pa­ra se la­men­tar não con­se­guir ir até a ba­se das Tor­res. Meus co­le­gas re­tor­na­ram ra­di­an­tes – e exaus­tos – da ca­mi­nha­da de 22 quilô­me­tros. No en­tan­to, nes­se mes­mo dia eu aca­bei fa­zen­do dois pas­sei­os que me con­tem­pla­ram e pro­por­ci­o­na­ram óti­mos mo­men­tos.

De­va­gar e sem­pre. A ca­mi­nha­da bas­tan­te agra­dá­vel foi pe­la La­gu­na Azul e Caña­dón Ma­cho. Nes­se tra­je­to de apro­xi­ma­da­men­te 8 quilô­me­tros, de ní­vel bai­xo de di­fi­cul­da­de, o vi­a­jan­te per­cor­re tri­lhas que pas­sam por lu­ga­res de be­le­za ím­par. A to­do mo­men­to dá von­ta­de de ti­rar fotos, en­tão ca­da pa­ra­da pa­ra re­to­mar o fô­le­go aca­ba sen­do es­tra­té­gi­ca pa­ra am­pli­ar o ál­bum da vi­a­gem.

Be­ne­di­to de To­le­do Ju­ni­or, ar­qui­te­to de 57 anos, te­ve uma in­fla­ma­ção nas cos­tas e pa­rou de se exer­ci­tar an­tes de ir pa­ra Tor­res del Pai­ne. Sua mu­lher Lu­ci­la, uma ve­te­ri­ná­ria de ani­mais sil­ves­tres, de 60 anos, ti­nha co­nhe­ci­do o Ata­ca­ma, no nor­te do Chi­le, e quis des­ta vez ir pa­ra Tor­res del Pai­ne. O ca­sal en­tão tra­tou de se aven­tu­rar pe­las tri­lhas do parque e eles fo­ram meus com­pa­nhei­ros na em­prei­ta­da. “Mi­nhas per­nas re­cla­ma­ram, mas mi­nha au­to­es­ti­ma es­tá al­ta”, co­men­tou To­le­do.

Pin­tu­ras ru­pes­tres. Exis­tem ou­tras ex­cur­sões pe­lo parque, co­mo uma que le­va até ro­chas com pin­tu­ras ru­pes­tres fei­tas pe­la tri­bo dos Ao­ni­kenk, ín­di­os nô­ma­des que vi­ve­ram na re­gião. É cha­ma­da de Tri­lha dos Ca­ça­do­res, com cer­ca de 8 quilô­me­tros, que po­dem ser per­cor­ri­dos com cal­ma e sem gran­de es­for­ço – ex­ce­to na su­bi­da da mon­ta­nha que le­va às pin­tu­ras ru­pes­tres, de on­de se tem uma vi­são bem bo­ni­ta do va­le.

E foi pe­lo ca­mi­nho me­nos atlé­ti­co que me aven­tu­rei por Tor­res del Pai­ne, que oferece pos­si­bi­li­da­des di­ver­sas pa­ra além das gran­des ca­mi­nha­das em tri­lhas, co­mo ex­cur­sões de bi­ci­cle­ta, cai­a­que e ca­va­lo. A Es­tân­cia La­zo (es­tan­ci­a­la­zo.com) re­ce­be os tu­ris­tas pa­ra uma ca­val­ga­da bu­có­li­ca em um lin­do bos­que que cul­mi­na em um lo­cal de vis­ta in­crí­vel. Uma ou­tra ex­cur­são a ca­va­lo, nas es­te­pes de Ba­gua­les, re­quer uma ex­pe­ri­ên­cia mai­or pa­ra a ca­val­ga­da.

Ou­tro gran­de acha­do na re­gião é a ex­cur­são pa­ra Cor­ni­zas, que fiz com o Tierra Pa­ta­go­nia, on­de nos hos­pe­da­mos. São cer­ca de 3 quilô­me­tros de ca­mi­nha­da pa­ra che­gar ao to­po de um mor­ro em Cer­ro Gui­do. Do pe­nhas­co, o vi­a­jan­te tem uma vis­ta im­pres­si­o­nan­te do va­le, com o ma­ci­ço de Pai­ne à fren­te. A pre­sen­ça de enor­mes con­do­res é cons­tan­te, com seus ba­lés nas cor­ren­tes de ar.

Ao fi­nal de ca­da ati­vi­da­de, exis­te um mo­men­to de re­la­xa­men­to que ser­ve tam­bém pa­ra con­ver­sar so­bre o pas­seio: os gui­as cos­tu­mam mon­tar uma me­sa ao la­do da van pa­ra o pi­que­ni­que im­pro­vi­sa­do, com be­bi­da ge­la­da, in­cluin­do cer­ve­ja lo­cal, e pe­tis­cos va­ri­a­dos. É lá que vo­cê já co­me­ça a pen­sar na pró­xi­ma ca­mi­nha­da.

Ní­vel avan­ça­do. Quem vai em bus­ca de trek­king pe­sa­do, no en­tan­to, en­con­tra no Cir­cui­to W – o mais fa­mo­so do parque – seu prin­ci­pal desafio. O tra­je­to com­pre­en­de 71 quilô­me­tros e qua­tro di­as de ca­mi­nha­da, pas­san­do por pai­sa­gens lin­das, mas en­fren­tan­do frio e car­re­gan­do na mo­chi­la itens de acam­pa­men­to e ali­men­ta­ção. É pre­ci­so pla­ne­ja­men­to: o parque exi­ge re­ser­va pa­ra per­noi­tar nas áre­as de acam­pa­men­to, e a ca­da tem­po­ra­da po­de ha­ver mu­dan­ças na lo­gís­ti­ca do cir­cui­to – va­le sem­pre con­sul­tar o si­te do parque (par­que­tor­res­del­pai­ne.cl).

PAU­LO FAVERO/ES­TA­DÃO

PAU­LO FAVERO/ES­TA­DÃO

Sur­pre­sa. Gu­a­na­co na tri­lha a Caña­don Ma­cho, com vis­ta pa­ra as Tor­res; abai­xo, tri­lha de ní­vel di­fí­cil dei­xa o vi­si­tan­te de ca­ra com as for­ma­ções

FOTOS PAU­LO FAVERO/ES­TA­DÃO

Con­tem­pla­ção. Mes­mo quem não tem ex­pe­ri­ên­cia con­se­gue fa­zer o per­cur­so a ca­va­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.