O que vai pe­lo mun­do

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto - PAU­LO DEL­GA­DO SOCIÓLOGO, É COPRESIDEN­TE DO CON­SE­LHO DE ECONOMIA & POLÍTICA DA FE­CO­MER­CIO/SP. E-MAIL: CON­TA­[email protected]­DO.COM.BR

Pe­ri­o­di­ca­men­te o mun­do vi­ve sua co­ta de an­si­e­da­des ali­men­ta­da por se­nho­res da de­sor­dem. Não há ne­nhu­ma au­dá­cia ou ex­tra­va­gân­cia em épo­cas de in­ver­são per­mi­ti­da, es­pe­ci­al­men­te se as re­bel­di­as não ser­vem pa­ra na­da, co­mo o 11 de se­tem­bro, sal­vo pi­o­rar a bus­ca pe­la fe­li­ci­da­de e fa­zer ví­ti­mas ino­cen­tes. Se qui­ser vi­ver sem amar­gu­ra, dei­xe a men­te aber­ta ao oti­mis­mo e am­pa­re sua de­si­lu­são na for­ça da His­tó­ria.

Na hi­pó­te­se de no­va cri­se fi­nan­cei­ra, ine­xis­te ho­je no mun­do um grau de pen­sa­men­to mi­ni­ma­men­te so­li­dá­rio pa­ra re­sol­ver um pro­ble­ma a par­tir da ação co­le­ti­va in­ter­na­ci­o­nal. Não es­tá no ar al­go es­tru­tu­ra­do, su­fi­ci­en­te pa­ra ame­ni­zar a que­da. O que ve­mos é o con­jun­to dos mo­vi­men­tos dos agen­tes so­ci­o­e­conô­mi­cos mos­trar que a des­con­fi­an­ça es­tá nu­blan­do o ho­ri­zon­te.

Ca­da país es­tá se achan­do se­nhor das su­as idei­as e par­tin­do pa­ra ex­pe­ri­men­ta­ções sem le­var em con­ta que o que nos sal­va é a har­mo­nia da ação. Sem uma pron­ta ação mul­ti­la­te­ral, a at­mos­fe­ra opres­si­va im­pos­ta ao mun­do pe­lo es­ti­lo Trump ame­a­ça a ló­gi­ca da acu­mu­la­ção de ca­pi­tal e da cir­cu­la­ção de ri­que­zas em tem­po de paz. O mul­ti­la­te­ra­lis­mo es­ta­va atre­la­do à égi­de de uma es­pé­cie de con­sen­so so­ci­al-de­mo­cra­ta que se vi­nha for­man­do des­de o fi­nal dos anos 1980. Uma so­ci­al-de­mo­cra­cia li­be­ra­li­zan­te per­mi­tia vis­lum­brar mais pros­pe­ri­da­de e dis­tri­bui­ção de ren­da.

O que an­da pe­lo mun­do são pu­ras ex­pe­ri­men­ta­ções de con­cei­tos e idei­as des­car­ta­das. Por is­so de­mo­cra­cia, li­be­ra­lis­mo e so­be­ra­nia es­tão re­gre­din­do a for­mas ge­o­po­lí­ti­cas ar­cai­cas. E as três pi­o­res con­sequên­ci­as são o en­fra­que­ci­men­to do mul­ti­la­te­ra­lis­mo, a vol­ta da bi­po­la­ri­da­de política e o co­mér­cio ad­mi­nis­tra­do pe­lo pro­te­ci­o­nis­mo.

O prin­ci­pal per­so­na­gem que nos es­tá le­van­do a es­te ne­o­con­ser­va­do­ris­mo é, pa­ra­do­xal­men­te, a dis­rup­ção men­tal e com­por­ta­men­tal que a tec­no­lo­gia po­de cau­sar. Di­fe­ren­te do mo­men­to his­tó­ri­co em que sur­gi­ram a im­pren­sa e o te­le­fo­ne, com a in­ter­net o bo­bo da cor­te vi­rou rei.

As no­vas tec­no­lo­gi­as de informação e co­mu­ni­ca­ção, que es­tão evo­luin­do com ra­pi­dez ex­ta­si­an­te,

são uma ma­ra­vi­lha, tan­to quan­to a im­pren­sa e o te­le­fo­ne, mas es­tão de­ses­ta­bi­li­zan­do as so­ci­e­da­des to­ca­das por elas com uma fú­ria, ra­pi­dez e im­pre­vi­si­bi­li­da­de sem fim. O que te­mos ho­je é um mun­do de apli­ca­ti­vos pes­can­do in­cau­tos pa­ra agen­das con­tes­ta­tó­ri­as e le­van­do go­ver­nan­tes a ti­rar vai­da­de das gros­se­ri­as que pro­pa­gam.

Há mais de dez anos o di­nhei­ro e o ca­pi­tal po­lí­ti­co mi­gram na di­re­ção das em­pre­sas de tec­no­lo­gia de informação e co­mu­ni­ca­ção. Mais do que só a ca­pa­ci­da­de de fi­nan­ci­a­men­to, es­ses gru­pos têm vo­ca­ção pa­ra in­flu­en­ci­ar e di­ri­gir gru­pos políticos e mo­vi­men­tos so­ci­ais. Bas­ta um pa­la­di­no de al­gu­ma coi­sa usar com des­te­mor a in­ter­net que ela vi­ra a to­ca do ur­so, o mun­do dos hac­kers e das cur­ti­das in­si­di­o­sas.

O uso ce­le­ra­do da tec­no­lo­gia põe em ris­co a he­ran­ça cul­tu­ral uni­ver­sal. E es­tá na ori­gem do fler­te com a for­te con­tes­ta­ção que so­frem a de­mo­cra­cia, o ca­pi­ta­lis­mo e, co­mo coi­ce de mu­la, a pró­pria tec­no­lo­gia. To­dos os di­as o ci­da­dão li­vre é reins­cri­to em al­gum me­ca­nis­mo de bus­ca e le­va­do a um ocul­to tri­bu­nal de cos­tu­mes e in­te­res­ses pa­ra ser clas­si­fi­ca­do e jul­ga­do por es­se sis­te­ma não ju­rí­di­co de im­po­si­ção de de­se­jos. Ga­tos pa­rin­do ti­gres em to­dos os cam­pos da ati­vi­da­de hu­ma­na. A in­ter­net é pól­vo­ra in­de­mons­trá­vel, que dis­pen­sa a ne­ces­si­da­de de in­di­ví­du­os, das ins­ti­tui­ções e dos pa­ra­dig­mas da or­ga­ni­za­ção so­ci­al de­mo­crá­ti­ca.

Só is­so já cau­sa uma rup­tu­ra política e so­ci­al de vas­to al­can­ce. Pois es­ses gru­pos mo­no­po­lis­tas cres­ce­ram ven­do su­as tec­no­lo­gi­as se­rem usa­das por ma­ni­pu­la­do­res ex­ter­nos a eles, me­di­an­te as­so­ci­a­ções van­ta­jo­sas. Es­se é o es­ta­do da ar­te. Quem quer po­der na­tu­ral ar­ru­ma se­gui­dor ar­ti­fi­ci­al. Ou al­guém sen­sa­to acre­di­ta que uma pes­soa te­nha mi­lhões de se­gui­do­res? Nem aqui nem na Chi­na. A co­mu­ni­ca­ção de mas­sa, im­pul­si­o­na­da por robôs, cria car­du­mes des­se ti­po meio cre­ti­no, meio en­gra­ça­do que é o cré­du­lo cha­ma­do fã.

As­sim cres­ce a per­cep­ção de que o po­der de tais tec­no­lo­gi­as tem o po­ten­ci­al de ge­rar lu­cros e ou­tras for­mas de mais po­der. Cho­ca­do em ni­nho de pes­so­as en­tu­pi­das de apo­lo­gia, inun­da o mun­do de tons de ga­nân­cia e sub­tons de ca­os e fa­ci­li­da­des, pos­si­bi­li­tan­do um re­tor­no mui­to mai­or de po­der e di­nhei­ro do que qual­quer ou­tra ati­vi­da­de econô­mi­ca.

O con­tex­to ge­ral da sim­bi­o­se política-tec­no­lo­gia ten­de mes­mo a ser pre­o­cu­pan­te. Já o es­pe­cí­fi­co, que faz com que os agen­tes so­ci­o­e­conô­mi­cos glo­bais te­nham dú­vi­das pro­fun­das so­bre o mun­do que vem por aí, tem que ver com prin­cí­pi­os bá­si­cos de cres­ci­men­to econô­mi­co em con­di­ções de­mo­crá­ti­cas. Cres­ce a per­cep­ção de que os ad­ver­sá­ri­os dos prin­cí­pi­os que ori­en­ta­ram o sur­gi­men­to do mun­do mo­der­no es­tão ga­nhan­do for­ça e po­der.

São va­ri­a­das as es­pé­ci­es de “malthu­si­a­nis­mos” ron­dan­do o pla­ne­ta. Em co­mum elas têm a vi­são de um de­se­qui­lí­brio ca­tas­tró­fi­co e do sim­plis­mo das so­lu­ções. Se­ja o malthu­si­a­nis­mo am­bi­en­tal, o malthu­si­a­nis­mo do em­pre­go e do tra­ba­lho, o da cri­mi­na­li­da­de e do ter­ro­ris­mo.

Por malthu­si­a­nis­mo en­ten­de-se aqui uma pre­fe­rên­cia por apon­tar com pas­si­vi­da­de, fal­sa ló­gi­ca e alar­de an­tis­so­ci­al si­tu­a­ções com­ple­xas e pro­ble­má­ti­cas. Reú­ne os que pre­fe­rem in­sis­tir no fa­ta­lis­mo e na im­pos­si­bi­li­da­de de so­lu­ção di­an­te do anor­mal a in­ves­tir na bus­ca de so­lu­ção em que pre­va­le­ça o nor­mal. Fa­zer o fu­tu­ro é es­tar dis­pos­to a di­zer que ne­nhum sis­te­ma po­de fa­zer-se in­de­pen­den­te pa­ra le­var van­ta­gem so­bre o sis­te­ma de­mo­crá­ti­co.

Pon­do cul­pa na Chi­na, que tam­bém apos­tou na tec­no­lo­gia, o governo nor­te-ame­ri­ca­no ini­cia for­te cam­pa­nha de co­a­ção so­bre su­as em­pre­sas pa­ra que dei­xem su­as plan­tas in­dus­tri­ais no ex­te­ri­or e con­cen­trem as ope­ra­ções den­tro do país. A per­cep­ção é de que a au­to­ma­ção e a in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al aca­ba­rão com o em­pre­go. Sem poderem pa­rar o Va­le do Si­lí­cio, os EUA que­rem pa­rar o mun­do, até sa­be­rem o que fa­zer com os trau­mas so­ci­ais de­ses­ta­bi­li­za­do­res que sua tec­no­lo­gia acen­tu­ou.

De­mo­cra­cia, li­be­ra­lis­mo e so­be­ra­nia es­tão re­gre­din­do a for­mas ge­o­po­lí­ti­cas ar­cai­cas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.