Mais uma MP ar­bi­trá­ria

O Estado de S. Paulo - - Notas e informaçõe­s -

Em mais uma ten­ta­ti­va de in­ter­fe­rir abrup­ta­men­te na re­cei­ta dos jor­nais, o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro edi­tou na se­ma­na pas­sa­da a Me­di­da Pro­vi­só­ria (MP) 896/2019, que al­te­ra as re­gras re­la­ti­vas à pu­bli­ci­da­de das li­ci­ta­ções e con­tra­tos do po­der pú­bli­co. A me­di­da subs­ti­tui a pu­bli­ca­ção em jor­nais de gran­de cir­cu­la­ção pe­la pu­bli­ca­ção em si­tes de in­ter­net. Em agos­to, o governo edi­tou a MP 892/2019, al­te­ran­do re­gras de pu­bli­ci­da­de de atos de em­pre­sas de ca­pi­tal aber­to.

A MP 896/2019 é acin­to­sa­men­te in­cons­ti­tu­ci­o­nal, tan­to pe­lo seu evi­den­te des­vio de fi­na­li­da­de e pe­la au­sên­cia dos re­qui­si­tos de re­le­vân­cia e ur­gên­cia pa­ra a edi­ção de me­di­da pro­vi­só­ria co­mo pe­los seus efei­tos per­ver­sos so­bre as li­ci­ta­ções, con­tra­ri­an­do os prin­cí­pi­os pre­vis­tos na Cons­ti­tui­ção pa­ra a ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca, pois a is­so ela se des­ti­na. A efe­ti­va pu­bli­ci­da­de é ele­men­to fun­da­men­tal pa­ra a li­su­ra e mo­ra­li­da­de dos atos do po­der pú­bli­co. É mui­to es­tra­nho que um governo elei­to sob a ban­dei­ra do com­ba­te à cor­rup­ção, cu­ja prin­ci­pal pro­mes­sa era er­ra­di­car os mal­fei­tos petistas da má­qui­na pú­bli­ca, re­cor­ra a uma me­di­da pro­vi­só­ria pa­ra di­mi­nuir a trans­pa­rên­cia dos atos pú­bli­cos nos ní­veis fe­de­ral, es­ta­du­al e mu­ni­ci­pal.

A MP 896/2019 al­te­ra a Lei de Li­ci­ta­ções, a Lei do Pre­gão, a Lei das Par­ce­ri­as Pú­bli­co-Pri­va­das e a Lei do Re­gi­me Di­fe­ren­ci­a­do

de Con­tra­ta­ção. O ob­je­ti­vo, idên­ti­co pa­ra as qua­tro leis, é ex­cluir a exi­gên­cia de pu­bli­ca­ção em jor­nal de gran­de cir­cu­la­ção de de­ter­mi­na­dos atos, subs­ti­tuin­do-a pe­la pu­bli­ca­ção em si­te de in­ter­net in­di­ca­do pe­lo po­der pú­bli­co res­pec­ti­vo. Ao ler o exí­guo con­teú­do da MP – com ape­nas se­te artigos o governo de­se­ja mo­di­fi­car to­da a ló­gi­ca da pu­bli­ci­da­de do sis­te­ma de con­tra­ta­ção pú­bli­ca – fi­ca evi­den­te o des­cui­do com a se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca e a trans­pa­rên­cia dos atos.

A pu­bli­ca­ção em jor­nais de gran­de cir­cu­la­ção ga­ran­te o aces­so à informação, mas não ape­nas is­so. Ela tam­bém dá cer­te­za so­bre o con­teú­do pu­bli­ca­do, já que, uma vez im­pres­so, não po­de ser mo­di­fi­ca­do. É, as­sim, uma for­ma sim­ples de ates­tar o exa­to te­or pu­bli­ca­do. Tal efei­to, es­sen­ci­al pa­ra a se­gu­ran­ça das par­tes en­vol­vi­das nu­ma li­ci­ta­ção, não ocor­re com a pu­bli­ca­ção na in­ter­net. A MP 896/2019 ig­no­ra, no en­tan­to, es­sa di­fe­ren­ça.

O des­lei­xo com as li­ci­ta­ções é do que o País me­nos pre­ci­sa nes­ta ho­ra. Num mo­men­to em que ao governo ca­be atrair in­ves­ti­men­tos, ofe­re­cen­do um am­bi­en­te ins­ti­tu­ci­o­nal es­tá­vel e pre­vi­sí­vel, o pre­si­den­te Bol­so­na­ro emi­te uma MP que só traz in­se­gu­ran­ça. Que se­gu­ran­ça ju­rí­di­ca há qu­an­do o po­der é exer­ci­do de­li­be­ra­da e ma­ni­fes­ta­men­te pa­ra sa­tis­fa­zer in­te­res­ses pes­so­ais do go­ver­nan­te? E res­sal­te-se que o ca­so não se re­fe­re a ele­men­tos pon­tu­ais da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca. O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro uti­li­zou o po­der de edi­tar atos com for­ça de lei pa­ra al­te­rar as qua­tro prin­ci­pais leis que re­gem o fun­ci­o­na­men­to e a in­te­ra­ção da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca com to­do o se­tor pri­va­do.

Es­se acos­sa­men­to ir­res­pon­sá­vel con­tra a im­pren­sa – o governo fe­de­ral não me­de os efei­tos de seus atos so­bre o or­de­na­men­to ju­rí­di­co e o am­bi­en­te econô­mi­co – é in­com­pa­tí­vel com o com­pro­mis­so, as­su­mi­do por Jair Bol­so­na­ro no dia da pos­se, de res­pei­tar a Cons­ti­tui­ção. O ju­ra­men­to en­vol­ve ze­lar pe­los di­rei­tos e ga­ran­ti­as fun­da­men­tais ins­cri­tos na Car­ta Mag­na. En­tre es­ses di­rei­tos, não é de­mais lem­brar, es­tá a li­ber­da­de de im­pren­sa. Não res­pei­ta es­sa fun­da­men­tal li­ber­da­de quem uti­li­za ar­bi­tra­ri­a­men­te o po­der es­ta­tal pa­ra ata­car as em­pre­sas de co­mu­ni­ca­ção. Es­se mo­do de pro­ce­der, que não en­con­tra gua­ri­da num Es­ta­do De­mo­crá­ti­co de Di­rei­to, é imi­ta­ção dos man­dos e des­man­dos im­pe­tra­dos na Ve­ne­zu­e­la por Hu­go Chá­vez e de­pois re­pe­ti­dos por Ni­co­lás Ma­du­ro.

O uso ar­bi­trá­rio de me­di­da pro­vi­só­ria pa­ra ata­car a im­pren­sa fe­re ain­da ou­tro as­pec­to fun­da­men­tal da Cons­ti­tui­ção. Ele acos­sa não ape­nas a im­pren­sa, mas tam­bém o Po­der Le­gis­la­ti­vo. Des­pro­vi­da de re­le­vân­cia e ur­gên­cia, a MP 896/2019 é uma ma­no­bra pa­ra que um ca­pri­cho pre­si­den­ci­al pre­va­le­ça so­bre uma le­gis­la­ção am­pla­men­te de­ba­ti­da e es­tu­da­da no Con­gres­so. De­ve­ria ser re­jei­ta­da de pron­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.