Ação con­tra CPI da Lava To­ga ra­cha PSL do Se­na­do

Con­gres­so. Ar­ti­cu­la­ção da di­re­ção da le­gen­da e de Flá­vio Bol­so­na­ro pa­ra evi­tar a co­mis­são que tem co­mo fo­co o Su­pre­mo de­sa­gra­dou a se­na­do­res; Juí­za Sel­ma ame­a­ça dei­xar a si­gla

O Estado de S. Paulo - - Política - / DA­NI­EL WETERMAN, BRENO PIRES, RE­NA­TO ONO­FRE e MA­RI­A­NA HAUBERT

O mo­vi­men­to da cú­pu­la do PSL, ar­ti­cu­la­do pe­lo se­na­dor Flá­vio Bol­so­na­ro (PSL-RJ), pa­ra aba­far a cri­a­ção de uma Co­mis­são Par­la­men­tar de Inqué­ri­to (CPI) no Se­na­do que te­nha co­mo fo­co mi­nis­tros do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) pro­vo­cou on­tem um ra­cha no par­ti­do e até ame­a­ça de bai­xa. Di­an­te da pres­são par­ti­dá­ria con­tra a cha­ma­da CPI da Lava To­ga, a se­na­do­ra Juí­za Sel­ma (PSL-MT) dis­se que po­de dei­xar a si­gla.

Fi­lho do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, Flá­vio é o úni­co dos qua­tro se­na­do­res do PSL que não ape­nas não as­si­nou a pe­ti­ção pe­la aber­tu­ra da co­mis­são co­mo agiu pa­ra en­ter­rá-la. Tan­to no Con­gres­so co­mo no Pa­lá­cio do Pla­nal­to as in­ves­ti­ga­ções da CPI são vis­tas co­mo pe­ri­go­sas, com po­ten­ci­al pa­ra afe­tar a re­la­ção en­tre os Po­de­res. O pre­si­den­te do PSL, de­pu­ta­do Luciano Bi­var (PE), ad­mi­tiu que Flá­vio foi cha­ma­do pa­ra con­ven­cer seus pa­res a re­ti­rar as­si­na­tu­ras do pe­di­do de aber­tu­ra da CPI.

A pre­o­cu­pa­ção é por­que o ob­je­ti­vo da co­mis­são é apu­rar o que par­la­men­ta­res cha­mam de “ati­vis­mo ju­di­ci­al” de ma­gis­tra­dos, in­cluin­do mi­nis­tros do Su­pre­mo. A crí­ti­ca de se­na­do­res fa­vo­rá­veis à CPI é a de que a Cor­te mui­tas ve­zes to­ma de­ci­sões so­bre as­sun­tos ain­da em dis­cus­são no Con­gres­so, so­bre­pon­do a atri­bui­ção dos par­la­men­ta­res de le­gis­lar. Tam­bém ques­ti­o­na inqué­ri­to aber­to pe­lo ministro Ale­xan­dre de Mo­ra­es pa­ra apu­rar ata­ques virtuais con­tra in­te­gran­tes do tri­bu­nal.

A CPI tem si­do de­fen­di­da prin­ci­pal­men­te por par­la­men­ta­res clas­si­fi­ca­dos co­mo “la­va­ja­tis­tas”, que se ele­ge­ram com a ban­dei­ra do com­ba­te à cor­rup­ção. O Su­pre­mo se tor­nou al­vo do gru­po após atu­ar co­mo um con­tra­pon­to à ope­ra­ção e re­ver de­ci­sões to­ma­das em pri­mei­ra ins­tân­cia.

Ao ame­a­çar dei­xar o par­ti­do, a se­na­do­ra Juí­za Sel­ma – ma­gis­tra­da apo­sen­ta­da, que foi elei­ta com a al­cu­nha de “Mo­ro de Sai­as” e ho­je re­cor­re da de­ci­são que cas­sou seu man­da­to por uso de cai­xa 2 (mais in­for­ma­ções nes­ta pá­gi­na) – apon­tou de­sa­ven­ças po­lí­ti­cas. “A se­na­do­ra Juí­za Sel­ma es­cla­re­ce que, de­vi­do a di­ver­gên­ci­as po­lí­ti­cas in­ter­nas, en­tre elas a pres­são par­ti­dá­ria pe­la der­ru­ba­da da CPI da Lava To­ga, es­tá ava­li­an­do

a pos­si­bi­li­da­de de não per­ma­ne­cer no PSL”, dis­se, em no­ta.

O lí­der do PSL no Se­na­do, Ma­jor Olim­pio (SP), que na se­ma­na pas­sa­da tam­bém já ha­via ame­a­ça­do dei­xar o par­ti­do, tam­bém se ma­ni­fes­tou con­tra der­ru­bar a CPI. “Não adi­an­ta pres­são não por­que va­mos pa­ra ci­ma”, afir­mou, em ví­deo. Na pos­ta­gem, ele con­vo­ca ma­ni­fes­ta­ção pa­ra o dia 25, na Pra­ça dos Três Po­de­res, pa­ra pres­si­o­nar se­na­do­res.

A quar­ta in­te­gran­te da ban­ca­da do PSL, So­raya Th­ro­nic­ke (MS), mi­ni­mi­zou a ação par­ti­dá­ria. “O Bi­var e ne­nhum ou­tro di­ri­gen­te do par­ti­do nun­ca me pres­si­o­na­ram pa­ra na­da”, dis­se. So­raya as­se­gu­rou que man­te­rá seu apoio à co­mis­são.

Es­ta é a terceira ten­ta­ti­va pa­ra em­pla­car a CPI no Se­na­do. As ou­tras du­as fo­ram en­ter­ra­das pe­lo pre­si­den­te do Se­na­do, Da­vi Al­co­lum­bre (DEM-AP), que já clas­si­fi­cou a me­di­da co­mo in­cons­ti­tu­ci­o­nal. “Se há en­ten­di­men­to de que a co­mis­são não po­de in­ves­ti­gar de­ci­são ju­di­ci­al, co­mo vou pas­sar por ci­ma dis­so?”

Pa­ra sair do pa­pel, a CPI pre­ci­sa da as­si­na­tu­ra de pe­lo me­nos 27 dos 81 se­na­do­res. Se­gun­do o se­na­dor Ales­san­dro Vi­ei­ra (Cidadania-SE), au­tor do re­que­ri­men­to de cri­a­ção da co­mis­são, o nú­me­ro já ha­via si­do atin­gi­do, mas sua co­le­ga Ma­ria do Car­mo (DEM-SE) anun­ci­ou que vai re­ti­rar o no­me da lis­ta pa­ra aten­der a uma so­li­ci­ta­ção de Al­co­lum­bre.

O pre­si­den­te do Se­na­do ne­gou ter pe­di­do a re­ti­ra­da de as­si­na­tu­ras. Ad­mi­tiu, po­rém, que ten­tou con­ven­cer par­la­men­ta­res so­bre seu po­si­ci­o­na­men­to con­trá­rio à Lava To­ga.

Ar­ti­cu­la­ção. A ação de Flá­vio pa­ra der­ru­bar a CPI no Se­na­do faz par­te de uma es­tra­té­gia pa­ra apa­rar ares­tas com o Su­pre­mo. Nas úl­ti­mas se­ma­nas, o fi­lho “01” do pre­si­den­te ini­ci­ou uma apro­xi­ma­ção até pou­co tem­po ini­ma­gi­ná­vel en­tre o pre­si­den­te da Cor­te, Di­as Tof­fo­li, com par­la­men­ta­res do par­ti­do, in­cluin­do um jan­tar con­jun­to no dia 21 de agos­to. A de­pu­ta­da Carla Zam­bel­li (PSL-SP), que já le­vou um bo­ne­co do pre­si­den­te do STF a ma­ni­fes­ta­ções, não com­pa­re­ceu.

O Es­ta­do apu­rou que Flá­vio vê Tof­fo­li co­mo uma au­to­ri­da­de que traz es­ta­bi­li­da­de pa­ra o ce­ná­rio po­lí­ti­co. Ele foi o au­tor da or­dem pa­ra pa­ra­li­sar to­das as in­ves­ti­ga­ções no País que uti­li­zas­sem in­for­ma­ções de ór­gãos de con­tro­le sem aval da Justiça. A de­ci­são te­ve co­mo ba­se um pe­di­do de Flá­vio. Tof­fo­li apon­tou ile­ga­li­da­de no com­par­ti­lha­men­to dos da­dos do Co­af com o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co do Rio sem pré­via au­to­ri­za­ção ju­di­ci­al.

Flá­vio tam­bém tem man­ti­do con­ta­to com o ministro do Su­pre­mo Gil­mar Mendes, que já o re­ce­beu em ca­sa. Mendes é, na Cor­te, o prin­ci­pal crí­ti­co do que clas­si­fi­ca co­mo “abu­sos” da Lava Jato. Pro­cu­ra­do, Flá­vio não se ma­ni­fes­tou.

EDILSON RO­DRI­GUES/AGENCIA SE­NA­DO-28/3/2019

‘Di­ver­gên­ci­as’. Se­na­do­ra Juí­za Sel­ma ale­ga ‘pres­são par­ti­dá­ria’ e diz que po­de dei­xar PSL

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.