Exer­cí­cio mi­li­tar da Ve­ne­zu­e­la dei­xa país em aler­ta.

Con­se­lhei­ro de Iván Du­que diz que si­tu­a­ção es­tá sen­do mo­ni­to­ra­da e vi­ce-pre­si­den­te afir­ma que país não cai­rá em pro­vo­ca­ção

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal - BOGOTÁ

O governo da Colôm­bia en­trou on­tem em aler­ta em ra­zão das três se­ma­nas de exer­cí­ci­os mi­li­ta­res que a Ve­ne­zu­e­la co­me­çou a fa­zer na fron­tei­ra en­tre os dois paí­ses. O aler­ta foi anun­ci­a­do pe­lo con­se­lhei­ro de Di­rei­tos Hu­ma­nos e As­sun­tos Internacio­nais da pre­si­dên­cia, Francisco Bar­bo­sa.

Se­gun­do ele, a Colôm­bia não en­tra­rá na “his­te­ria” do cha­vis­mo, que “faz es­se ti­po de anún­cio mi­li­tar sem­pre que pre­ci­sa ga­nhar apoio in­ter­no”. O con­se­lhei­ro do pre­si­den­te co­lom­bi­a­no, Iván Du­que, dis­se que Bogotá mo­ni­to­ra com aten­ção o que es­tá ocor­ren­do na fron­tei­ra, mas des­ta­cou que o país re­sol­ve os pro­ble­mas que têm com os vi­zi­nhos com di­plo­ma­cia.

A vi­ce-pre­si­den­te co­lom­bi­a­na, Mar­ta Lu­cía Ra­mí­rez, dis­se on­tem que a Colôm­bia não cai­rá em pro­vo­ca­ções do re­gi­me de Ni­co­lás Ma­du­ro, “pois não é um país be­li­cis­ta”. Ela tam­bém afir­mou que seu governo vem ten­tan­do ati­var o Tra­ta­do In­te­ra­me­ri­ca­no de As­sis­tên­cia Re­cí­pro­ca (Ti­ar) pa­ra “evi­tar qual­quer ti­po de ação cri­mi­no­sa e qual­quer ti­po de pro­vo­ca­ção mi­li­tar”.

O Ti­ar é um acor­do re­gi­o­nal de defesa mi­li­tar mú­tua que for­ne­ce ba­se le­gal pa­ra even­tu­al in­ter­ven­ção ex­ter­na. O acor­do é fir­ma­do por Brasil, Argentina, Bahamas, Chi­le, Colôm­bia, Cos­ta Ri­ca, EUA, El Sal­va­dor, Gu­a­te­ma­la, Hai­ti, Hon­du­ras, Pa­na­má, Pa­ra­guai, Pe­ru, Re­pú­bli­ca Do­mi­ni­ca­na, Tri­ni­dad e To­ba­go, Uru­guai e Cu­ba.

Na se­gun­da-fei­ra à noi­te, o De­par­ta­men­to de Es­ta­do dos EUA in­for­mou que os EUA e ou­tros paí­ses da re­gião es­ta­ri­am in­vo­can­do o Ti­ar. “On­ze paí­ses, in­cluin­do os Es­ta­dos Uni­dos e o governo in­te­ri­no de Ju­an Gu­ai­dó, es­tão pe­din­do a in­vo­ca­ção do Ti­ar pa­ra con­fron­tar a cri­se que Ma­du­ro pro­vo­cou.”

Na se­ma­na pas­sa­da, o pre­si­den­te ve­ne­zu­e­la­no de­ter­mi­nou a re­a­li­za­ção dos exer­cí­ci­os mi­li­ta­res na fron­tei­ra com a Colôm­bia. Na oca­sião, o cha­vis­ta afir­mou que man­da­ria ins­ta­lar um sis­te­ma de mís­seis na re­gião pa­ra se de­fen­der de um pos­sí­vel ata­que do país vi­zi­nho. Mais de 150 mil sol­da­dos fo­ram mo­bi­li­za­dos, se­gun­do a cú­pu­la das For­ças Ar­ma­das.

Após o anún­cio das ma­no­bras mi­li­ta­res, Du­que afir­mou que Ma­du­ro “de­ve­ria dei­xar as bra­va­tas de la­do e se pre­o­cu­par em ali­men­tar a po­pu­la­ção ve­ne­zu­e­la­na”. On­tem, Bar­bo­sa ga­ran­tiu que o pre­si­den­te co­lom­bi­a­no de­nun­ci­a­rá, na As­sem­bleia-Ge­ral da ONU, no fim de se­tem­bro, que Ma­du­ro dá pro­te­ção a gru­pos ar­ma­dos ile­gais, co­mo o Exér­ci­to de Libertação Na­ci­o­nal (ELN) e dis­si­den­tes das For­ças Ar­ma­das Re­vo­lu­ci­o­ná­ri­as da Colôm­bia (Farc).

Na ma­dru­ga­da de on­tem, Ma­du­ro vol­tou a acu­sar a Colôm­bia de es­pi­o­na­gem, mas sem apre­sen­tar pro­vas. “Nos úl­ti­mos três me­ses, eles ten­ta­ram, a par­tir da in­te­li­gên­cia do governo co­lom­bi­a­no, co­op­tar su­bo­fi­ci­ais e ofi­ci­ais ve­ne­zu­e­la­nos pa­ra afe­tar nos­so sis­te­ma de ra­da­res, nos­so sis­te­ma de defesa aé­rea e o sis­te­ma de mís­seis”, afir­mou Ma­du­ro. “Fe­liz­men­te, os ser­vi­ços de in­te­li­gên­cia e o mo­ral en­tre nos­sos sol­da­dos po­de de­ter e afas­tar es­tas pre­ten­sões de pe­ne­trar a ca­pa­ci­da­de de defesa da Ve­ne­zu­e­la.”

Do­cu­men­tos do ser­vi­ço de in­te­li­gên­cia mi­li­tar da Ve­ne­zu­e­la­na (Se­bin), di­vul­ga­dos no do­min­go pe­la re­vis­ta co­lom­bi­a­na Se­ma­na, in­di­cam que guer­ri­lhei­ros do ELN e das Farc não ape­nas têm re­fú­gio na Ve­ne­zu­e­la co­mo tam­bém con­tam com pro­te­ção do Exér­ci­to, trei­na­men­to e abas­te­ci­men­to de ar­mas por or­dens de Ma­du­ro.

A de­nún­cia de pro­te­ção é an­ti­ga. O ex-pre­si­den­te co­lom­bi­a­no Ál­va­ro Uri­be já sus­pei­ta­va de que o en­tão pre­si­den­te Hu­go Chá­vez da­va pro­te­ção às Farc den­tro da Ve­ne­zu­e­la. Um lau­do da In­ter­pol, de maio de 2008, li­gou o cha­vis­mo à guer­ri­lha com ba­se em da­dos en­con­tra­dos em com­pu­ta­do­res de um dos che­fes das Farc, Raúl Reyes, que mor­reu em um ata­que do Exér­ci­to co­lom­bi­a­no a um acam­pa­men­to da guer­ri­lha no Equa­dor.

CAR­LOS EDU­AR­DO RAMIREZ/REUTERS

Exer­cí­cio. Sol­da­dos ve­ne­zu­e­la­nos che­gam à fron­tei­ra com a Colôm­bia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.